Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Tamanho não é documento

Tamanho não é documento

Luciano Pires -

Em minha palestra “Tudo bem, se me convém”, conto que quando criança, lá por 1964, aprendi que o Brasil era a oitava economia do planeta. Oitava, que orgulho! A China era um país miserável, o Japão ainda estava se recuperando da destruição da II Guerra e Inglaterra e França eram potências indiscutíveis. E o Brasil… Bem, o Brasil era o gigante deitado eternamente em berço esplêndido. Mas era a oitava!

No começo de 2012 fomos surpreendidos com a notícia de que nos transformamos na sexta economia do planeta. E dá-lhe festa, com as declarações entusiasmadas dos de sempre.

O Brasil é um organismo vivo, composto de um território com mais de oito milhões de quilômetros quadrados, uma população de cerca de 200 milhões de pessoas, flora, fauna e acidentes geográficos e meteorológicos. A interação desses elementos entre si e com os elementos que compõem os outros organismos (países) é que define o que o Brasil é. Mas essas interações são extremamente complexas, sujeitas a “humores” e imprevisibilidades que tornam praticamente impossível prever como as coisas vão acontecer. E já que não dá para fazer uma leitura completa desse organismo, agimos como fomos treinados, traduzindo a realidade em números: quanta gente temos, quanto dinheiro ganhamos, quanto gastamos, quantos pobres, quantos ricos, e assim vamos. Uma dessas medidas chamamos de PIB – produto interno bruto, a expressão em valores monetários da soma de todos os bens e serviços produzidos num período. O PIB é uma medida universal com a qual comparamos os países. Ou os organismos. Mas é uma comparação quantitativa, nunca qualitativa, que trata um lutador de sumô exatamente como trata um peso pena…

É no PIB que somos o sexto maior do mundo!

Mas o que significa ser o sexto? Ou o quinto? O quarto? O que é afinal esse ranking que mede as maiores economias? Bem, é só isso: um ranking. Ele quantifica, não qualifica. O Brasil é a sexta maior economia do mundo, não é a sexta melhor economia do mundo, o que se reflete na medição do IDH – Índice de Desenvolvimento Humano, que nos coloca em 84ª. posição, atrás de Equador, Peru, Jamaica, Venezuela, Uruguai, Cuba e outras grandes potências.

Mas, repito, somos um organismo complexo. Fazer uma festa por causa do coração que está muito bem, sem considerar o fígado, o pulmão, os intestinos, o estômago, os rins, o cérebro, é uma estupidez. Nosso “órgão” educação está falido. O “órgão” saúde está muito mal. O “órgão” segurança parou de funcionar. O “órgão” infraestrutura está atrofiado. E assim vamos. Ter o sexto maior coração num organismo repleto de órgãos problemáticos significa o quê? Que existe um órgão grande dentro de um organismo doente. Nada mais que isso.

O sexto melhor dá a medida da qualidade, o sexto maior dá a medida da quantidade.

E 50 anos atrás também aprendi que tamanho não é documento.

Luciano Pires