Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Sua excelência, Tiririca.

Sua excelência, Tiririca.

Luciano Pires -

Para começar, um #TutorialParaEntenderOPost. Vamos a algumas definições do Dicionário Aulete.

Circo: Cena que chama atenção ou que choca pelo aspecto grotesco, excêntrico ou exótico.

Palhaço: Pessoa que age de forma ridícula ou que não merece respeito

Explicar: Tornar inteligível ou claro (o que é ambíguo ou obscuro); esclarecer.

Justificar: Provar a inocência de (alguém ou si próprio).

Está combinado? Sempre que eu utilizar “circo”, “palhaço”, “explicar” e “justificar”, será conforme as definições acima.

Quando Francisco Everardo Oliveira Silva se candidatou a deputado Federal em 2010, causou polêmica. Everardo era conhecido como comediante, fazia sucesso na TV interpretando Tiririca, personagem que aliava a inocência infantil à picardia do brasileiro. Um tipo popular, presente nos programas populares e que falava o idioma da população. Seu mote “Vote no Tiririca, pior que tá não fica” logo fez sucesso e ele recebeu 1,4 milhões de votos, sendo o deputado mais votado do Brasil naquelas eleições. Assumiu o cargo e praticamente desapareceu da televisão. Reeleito em 2014 com pouco mais de 1 milhão de votos,  jamais apresentou algum projeto de impacto e se notabilizou por ser um dos deputados mais assíduos na Câmara. Sempre que instado a se pronunciar o fez com piadas, mas isso me pareceu resultado de sua consciência de que era nada mais que um aprendiz. Tiririca ouve muito mais que fala e surpreendeu a todos por não desempenhar papel de palhaço na Câmara.

No domingo da votação na admissibilidade do processo de impeachment, havia uma expectativa com relação a seu voto. Tiririca manteve em segredo sua decisão e foi colocado na lista dos indecisos. Na hora do voto disse simplesmente assim:

– Senhor presidente, pelo meu país, meu voto é sim.

Ponto.

Do palhaço veio o voto objetivo, sério e compenetrado. O humor ficou por conta do meio sorriso estampado no rosto de Eduardo Cunha e dos deputados que gritaram e o abraçaram.

Mas havia outros que ao agir como palhaços, provocaram momentos de imensa vergonha. Dois se destacaram.

Um foi Jair Bolsonaro que em seu voto elogiou a forma como Cunha conduziu o processo e se disse contra o comunismo e o foro de São Paulo. Nada demais. Mas então ele homenageou a memória do Coronel Brilhante Ustra, ex- chefe do DOI-CODI, o aparelho de repressão do governo militar, numa clara provocação às esquerdas.  Pois é. Eu consigo explicar Bolsonaro. Ele nada mais fez que bolsonar: disparou a bala que julgou que atingiria, machucaria, ofenderia seus adversários. E conseguiu. Entendo e explico sua intenção e sua indignação, mas Bolsonaro foi um desastre. Diferente de outros palhaços que também deram votos lamentáveis, ele não é um deputado obscuro qualquer, está declaradamente na corrida pela presidência em 2018. Você pode não gostar, mas as palavras dele têm peso, mesmo que só para alvoroçar o Fla Flu em que se transformou o Brasil. Como um militar que aceita “danos colaterais”, Bolsonaro se comportou como criança birrenta, de pouca inteligência. Não fosse apenas absurda, sua homenagem a alguém que é considerado um torturador ainda deu aos adversários todas as justificativas para legitimarem a ideia do “golpe”, da “elite fascista”. Deu-lhes as justificativas para a retórica vitimista que utilizam na perseguição a quem não segue suas doutrinas. Bolsonaro trabalhou para o inimigo e acho que ali liquidou suas pretensões de voos políticos mais altos. Sua metralhadora giratória atingiu também a todos que lutam contra o projeto criminoso de poder que tomou conta do país. Todos que lutam pela liberdade.

O outro a agir como palhaço foi Jean Wyllys. Em seu voto se disse “constrangido de participar de uma eleição indireta, conduzida por um ladrão, urdida por um traidor conspirador e apoiada por torturadores covardes, analfabetos políticos e vendidos. Uma farsa sexista”. E declarou seu voto contra o impeachment em nome “dos direitos da população LGBT, do povo negro exterminado nas periferias, dos trabalhadores da cultura, dos sem teto, dos sem terra”. Para coroar a performance, ao se retirar cuspiu em Jair Bolsonaro.*

Também consigo entender o voto e a reação de Jean Wyllys. Ele apenas wyllysou, fez o papel histriônico, afetado e teatral ao qual está acostumado, tentando ofender seus adversários. E conseguiu o que queria.

Consigo entender e explicar Bolsonaro e Jean Wyllys. Os dois cumpriram o que se esperava deles. E também entendo que enquanto existirem Jeans Wyllys (e toda aquela patota de PSOL, PCB, PC do B, PSTU) louvando terroristas e ditadores, Jair Bolsonaro será necessário. E vice versa. Um é cria do outro. Um sobrevive do outro. Um se explica pelo outro. É preciso um para neutralizar o outro.

Mas não consigo justificar o comportamento de ambos. Entendo, explico, mas não justifico.

Ambos estavam no Congresso, na casa do povo. Ao agir como palhaços, transformaram uma cerimônia que representa um dos momentos mais importantes da história recente do Brasil, num circo. Tivessem se limitado a dizer “senhor presidente, pelo meu país, meu voto é sim” e “senhor presidente, pelo meu país, meu voto é não”, teriam cumprido um papel digno, decente. Mas aí não seriam nem Bolsonaro nem Wyllys.

Tudo explica. Nada justifica.

Bolsonaro e Wyllys, como diria aquela lá, são duas abominações políticas, éticas e cognitivas. São dois extremos do mesmo erro, excrescências que ofendem a quem joga o verdadeiro jogo da democracia. Existe um lugar para eles na sociedade? Claro que sim. Eles representam alguns milhões de brasileiros, foram eleitos por voto popular e, ao menos aparentemente,  defendem aquilo no que acreditam. Mas consomem nosso tempo, nossa energia, nossos neurônios para… nada.

Olha o tempo de vida que gastei para escrever este texto…

Jair Bolsonaro e Jean Wyllys me deram a certeza que “sua excelência” mesmo é o Tiririca. É com ele que vou gastar meu tempo.

Cai o pano.

___________________________________________________

* Obs: no texto original, escrevi que Jean Wyllys premeditou a cusparada, pois vi num vídeo ele dizendo “vou cuspir na cara do Bolsonaro”. Alertado por leitores, vi mais dois vídeos mostrando a fala de Jean Wyllys: https://www.youtube.com/watch?v=RUX0lWN0mNM e https://www.youtube.com/watch?v=FkVedsrAMvE . É praticamente impossível saber se ele disse “vou cuspir” (futuro) ou “cuspi” (passado). Na dúvida, suprimi do texto o “premeditado” até que surja um vídeo não editado que mostre claramente a sucessão dos fatos.