Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

Café Brasil 584 – O muitos e o um
Café Brasil 584 – O muitos e o um
Que loucura é essa na qual embarcamos? As pessoas estão ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Irmãos cara de pau
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Tudo bem, o Brasil todo tá cansado de saber que ministério é apenas moeda de troca política; bons tempos em que servia só para alavancar os assuntos, prioridades e planejamento de cada pasta. ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

Cafezinho 17 – Oportunismo disciplinado
Cafezinho 17 – Oportunismo disciplinado
Oportunismo disciplinado. Mais que os 60% de ...

Ver mais

Sobre Relevância

Sobre Relevância

Luciano Pires -

Então vem o terremoto do Haiti e morre Zilda Arns. A mesma comunidade (jovem, muito jovem) do Twitter que havia passado dois dias discutindo a morte de Brittany Murphy, jovem e obscura atriz de séries e filmes B, ficou repleta de gente dizendo “Zilda quem?”. De onde concluí: a definição de “relevância” – numa sociedade em que Zilda Arns perde para Brittany Murphy Tom Jobim perde para o Latino Paulo Autran perde para Marcos Pasquim e Machado de Assis perde para Paulo Coelho – é relativa.

Re-le-vân-cia. O dicionário diz que “relevante” é “aquilo que é importante”. Mas nada é relevante por si só. As coisas tornam-se relevantes, quer ver?

Você certamente conhece aquele cerimonial da tripulação nos aviões antes da decolagem, explicando como usar o cinto de segurança e as máscaras de oxigênio, não é? Mas só quem viaja pouco de avião (e as crianças) presta atenção naquilo. Quem viaja muito já viu tantas vezes que nem repara mais. Para essas pessoas o cerimonial pré-decolagem não tem mais relevância.

Mas agora imagine que o piloto anuncie pelo sistema de som que as condições meteorológicas estão ruins, mas que ele vai “tentar decolar” mesmo assim… Você tem alguma dúvida de que todo mundo prestará atenção nas instruções da tripulação, mesmo que sejam as mesmas de sempre?

Um caixa de banco que atende bem, por exemplo, num contexto onde todos atendem direitinho, não é relevante. Isso é o que se espera dele, é previsível, embora seja artigo raro nesta sociedade do mau humor. Mas se todos os outros caixas atenderem mal, aquele que cumpre sua obrigação torna-se relevante.

Pois é… Quando o contexto muda, coisas com as quais ninguém se importava ganham relevância.

Mas o contexto apenas cria o ambiente. Quem dá relevância é você. Um saleiro pra mim é relevante na hora do almoço. Pra minha esposa não é. Colocar a camiseta do Timão pra assistir um jogo pela televisão é relevante para meu filho. Para mim, não é. Fazer chapinha antes de sair de casa é relevante para minha filha. Para minha sobrinha, não é.

Relevância depende, portanto, do contexto e dos valores e convicções que determinam nossas escolhas.

Portanto, escolher (conscientemente ou por ignorância) que a morte de Brittany Murphy é mais relevante que a de Zilda Arns não indica que você é uma pessoa boa ou ruim. Mas dá uma pista sobre suas prioridades e visão de mundo. Você é o resultado de suas escolhas, alguém disse um dia.

E se só o que é relevante impacta em nossas ações, então é necessário prestar muita atenção às coisas às quais escolhemos dar relevância.

Vou contar como eu faço. Ao longo do dia dou duas ou três paradinhas em meus afazeres para rever as coisas que considerei relevantes. Então reflito sobre o que ganhei ou perdi dedicando tempo e recursos a essas escolhas. E a partir das conclusões a que chego, priorizo minhas “relevâncias”.

Não sei se você faz o mesmo conscientemente. Esse tem sido um processo de aprendizado extremamente valioso para refinar minha capacidade de julgamento e tomada de decisão.

Aliás, mais que valioso. Relevante.