Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Sobre Moral E Televisores

Sobre Moral E Televisores

Luciano Pires -

Meu texto Orgulho e Vergonha “causou”. Escrevi sobre o orgulho que tenho de pertencer à “zelite”. Orgulho do que conquistei com meu esforço honesto. Orgulho por ter educação superior, por ter em casa mais de dois aparelhos de televisão, por ter dado um automóvel a meu filho quando ele completou 18 anos, etc… Foi o que bastou para que os ideologicamente estressados invadissem minha caixa postal. Um esquerdopata escreveu dizendo que tudo que consegui foi explorando o trabalho dos pobres. Outro escreveu que tudo que conquistei com meu trabalho honesto ao longo de 25 anos não são direitos, mas privilégios. Um terceiro me pediu para parar com essa “hipocrizia”… Eu já esperava, pois sempre que escrevo denunciando a hipocrisia do discurso esquerdopata eles caem de pau. Mas desta vez senti uma diferença. A reação não foi apenas folclórica, orquestrada pelos perfeitos idiotas latino-americanos. Foi também fruto de um certo analfabetismo funcional, dos que lêem e não entendem o que lêem. Essas pessoas julgaram uma ofensa eu achar que sou bem sucedido. Enxergaram em meu texto apenas os televisores que tenho. Não conseguiram (ou não quiseram) entender que usei os aparelhos de televisão como exemplo para atacar uma certa pregação que começa com professores, passa por segmentos da mídia e servidores públicos, chega aos ministérios e termina no Presidente Lula. O discurso que prega que a culpa de nossas mazelas sociais é do “neoliberalismo”, do “governo militar”, do “imperialismo norte-americano”, da “escravidão”, de entidades inimputáveis, indefiníveis e intangíveis. A culpa é de ninguém. Ou do governo anterior. Ou melhor, “dazelite”. E que “zelite” é essa afinal? Se for a esportiva é Pelé, Romário, Oscar? Se for a artística é Fernanda Montenegro, Paulo Autran, Bibi Ferreira? Se for a endinheirada são os Diniz, os Moraes, os Safra? Se for a intelectual é Marilena Chauí? A jornalística é Alberto Dines, Mino Carta e os Frias? Se for a elite política é o Lula, o Gabeira, o FHC? Se for a “classe média” sou eu, você e seu vizinho? Afinal, que elite é essa na qual estou incluído e que está sendo sumariamente condenada a assumir a “culpa”?
Essa é a questão levantada em meu texto: ao culpar “azelite”, os esquerdopatas misturam o bom e o mau, o torto e o direito, o honesto e o desonesto. Livram-se da responsabilidade e nivelam tudo como ruim. Já ouvi esse fenômeno sendo chamado de “Complexo de Daslu”, uma doença que faz com que meia dúzia de ricos e celebridades seja considerada o paradigma “dazelite”. Um leitor, E. Barbosa, escreveu:


“Tenho orgulho sim de ter viajado por 30 dias à Europa, ter duas filhas formadas da USP. Uma delas é mestre em Engenharia, com curso no Japão e está fazendo doutorado. Outra é Bacharel em Educação Física. Sou de família humilde, mas enquanto outros ficavam no bilhar jogando eu saía da faculdade às 23 horas e as 04:10h pegava o ônibus para ir trabalhar em São Miguel. Detalhe, minha residência era em São Bernardo do Campo. Valeu a pena? Lógico que valeu, hoje vejo o resultado e posso me orgulhar de que tudo que consegui foi de forma honesta e com muito esforço.”


Pelo discurso esquerdopata o sr. Barbosa é “dazelite”. Cresceu explorando o trabalho dos mais pobres, é culpado por aquele mendigo ali na calçada e deve ter vergonha do que tem.
Outro leitor, o Marcio Estanqueiro, escreveu:


“O dinheiro em si não é nem bom nem mau. Tudo depende do uso que dele fazemos.(…)Para fazer boas escolhas econômicas – incluindo as escolhas das formas da utilização do dinheiro – todo indivíduo deve olhar para além da oferta e da procura e para além das tabelas de juros, na direção dos ensinamentos religiosos, filosóficos e da literatura. O principal fundador da moderna Economia, Adam Smith, foi um professor de filosofia moral. Para usarmos bem o dinheiro, precisamos entender (como fez Smith) que acima das leis da Economia, há as leis da moralidade.”


Pois é. O Estanqueiro deu a pista. A elite que deveria ser discutida é a elite moral. E nessa, para horror “deles”, eu me incluo com orgulho.
Mas infelizmente essa discussão está fora do alcance dos analfabetos funcionais e dos esquerdopatas rancorosos, que só conseguem ver os televisores que eu tenho.