Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 109 – Zeitgeist Tropical
Cafezinho 109 – Zeitgeist Tropical
E hoje? Qual é o zeitgeist do Brasil?

Ver mais

Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
O Ismo Quântico é o fenômeno que acontece quando o ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Sexta Feira 13 e o impeachment

Sexta Feira 13 e o impeachment

Luciano Pires -

Quem assistiu Sexta Feira 13 sabe como funcionam os filmes de horror produzidos em série: Jason Voorhees, o monstro, mata um monte de gente até ser derrotado. Mas quando achamos que está tudo bem e o mocinho beija a mocinha, Jason levanta e ataca outra vez para ser morto pelo mocinho mais uma vez. E no próximo filme ele volta. Mais forte.

Publiquei esta semana em meu Facebook um artigo de Dora Kramer chamado “Calma no Brasil” em que ela defende que “a interrupção de um mandato de um presidente da República não é assunto a ser tratado à luz de vontades. Requer consistência, fundamento, seriedade.”. E manifestei que fazia minhas as palavras dela.

Pronto! Em segundos chegaram dezenas de comentários de gente furiosa, me condenando por não querer tirar a Dilma de lá, por “jogar água na fervura”, por proteger o PT e outras acusações sempre embasadas na emoção. Mas em questões políticas eu não me baseio em emoção, veja só:

O Jurista Ives Gandra publicou um artigo sobre seu parecer de que há elementos suficientes para começar um processo de impeachment contra Dilma Rousseff, baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente. Pronto, todo mundo ficou assanhado. Mas poucos repararam na forma como ele encerra o artigo: “Não deixei, todavia, de esclarecer que o julgamento do ‘impeachment’ pelo Congresso é mais político que jurídico, lembrando o caso do Presidente Collor, que afastado da presidência pelo Congresso, foi absolvido pela Suprema Corte.”.

Impeachment é política, não é matemática, muito menos emoção. Fernando Collor, além de perder todo apoio, tinha contra si um PT raivoso e um PSDB muito diferente desse saco de bundões de hoje. Caiu, pois havia forças muito maiores que as que o apoiavam.

Não é o caso de Dilma que, apesar de parecer sozinha, tem sim o apoio do PT com todos seus tentáculos. E seu marqueteiro.

Se o pedido de impeachment não for embasado com consistência, fundamento e seriedade em provas concretas e não apenas em indícios, o PT e seus serviçais terão munição para começar uma guerra política, com Dilma (e Lula, é claro) como mártir e você como golpista. E terão dezenas de milhões de brasileiros com eles. Quase conseguiram isso com o Mensalão, mesmo com a tonelada de provas em mãos! Imagine com um processo baseado em indícios…

Um processo baseado na omissão, imperícia, imprudência ou negligência da presidente vai gerar discussões por anos a fio e o que sairá daí é imprevisível. E cá entre nós, em termos de organização política o PT dá de relho em todo mundo. Estamos diante da possibilidade de repetir o que aconteceu na Venezuela, quando um movimento afoito derrubou Hugo Chávez, que voltou em seguida com mais força e transformou o país num inferno.

Jason ressuscitou. Mais forte.

Quem leu o texto de Dora Kramer sem derrubar o disjuntor, leu isto: “Se mais adiante vierem a aparecer fatos que indiquem a responsabilidade da presidente em quaisquer crimes serão outros quinhentos”. Taí. Não é para não ir às ruas, não é para ficar de braços cruzados esperando, não é para poupar o PT. É para focar a energia onde o resultado é certo,  na pressão para a revelação de provas concretas, para a aceleração das investigações, para o surgimento de fatos indiscutíveis que não deem aos estrategistas do PT, que são muito melhores que eu, você e todos os opositores juntos, tudo que eles querem para iniciar sua “guerra santa”.

Todo esse barulho, gritaria, emoção é lindo de ver, serve como instrumento de pressão e cria um clima importante, mas só os bobinhos acham que impeachment é decidido nas ruas.

Não é.

Meu imperativo categórico é tirar o PT do poder, mas quero fazer direito, com fogo, água, serra elétrica e estaca.

Ou o Jason volta. Mais forte.

Quer que eu desenhe?