Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

“Seu” Pasquim

“Seu” Pasquim

Luciano Pires -

 

“SEU” PASQUIM

O Pasquim foi um jornal que por treze anos revolucionou o jornalismo brasileiro. Era feito por gente brilhante como Ziraldo, Henfil, Jaguar, Ivan Lessa, Millôr Fernandes…

Eu ficava na banca de jornais esperando a chegada do meu Pasquim, toda semana. Naquele pequeno grande jornal havia idéias, opiniões, conteúdo que explicitava, para um quase adolescente de Bauru, um Brasil muito diferente daquele que eu vivia. Colecionei o jornal por um tempo, até que um dia ele acabou. Para tristeza da gente. Sou um órfão do Pasquim…

Pois bem. Acaba de ser lançado um livro, Antologia do Pasquim. Era tanta minha pressa que deixei de ir até minha livraria favorita, onde o atendente sabe das novidades, me conduz a descobertas, liga para dizer que chegou coisa nova. Parei na primeira loja que encontrei, de uma das grandes redes de livrarias e fui direto para as pilhas de novidades. Olhei, olhei e não achei. Recorri a um dos atendentes. De avental, com um olhar distante. Cabelinho “fashion” educado e prestativo. Perguntei:

– Estou procurando o livro “Antologia do Pasquim”…

E então o mundo ficou em câmera lenta. Enquanto eu dizia a frase, sílaba por sílaba, fui reparando na expressão do rapaz.
-… an…to..lo..gi…a…….do….pas….qui…mmmm……

O rosto dele foi mudando… A expressão de “pois não”, passou a espanto. Depois, a dúvida. E então, a horror. As sobrancelhas elevando-se, as narinas abrindo-se, a boca descendo e tomando aquele formato de quando dizemos “uuuuu”… Tudo em câmera lenta…

Não sei se foi por causa da “antologia” ou do “Pasquim”. O rapaz balbuciou alguma coisa e enquanto nos encaminhávamos ao terminal de consulta, fez a pergunta reveladora:

– Foi ele mesmo que escreveu?

– Ele quem?

– O “seu” Pasquim?

Santa Graúna! O moleque pensou que Pasquim era o nome do escritor! Em sua televisiva cabecinha, o único pasquim possível era o Marcos Pasquim, o ator de novelas da Globo…
Mas o Pasquim (o jornal) acabou vinte anos atrás! O atendente da livraria não tem obrigação de saber de sua existência.
Será?
Eu até poderia dar um desconto, afinal duvido que se ensine algo sobre o Pasquim nas escolas. Mas a Antologia do Pasquim está lá, entre os “dez mais vendidos” que a revista Veja publica toda semana e que é a grande referência das redes de livrarias e da massa de leitores do Brasil.
Bem feito. Quem mandou eu sair pra comprar em qualquer lugar?
E mais uma vez vi um retrato do Brasil na minha frente. O profissional encarregado de orientar os leitores na compra de livros, não sabe sobre livros.
Imaginei que se eu pedisse “Apocalípticos e Integrados”, de Umberto Eco, sairia da loja com um gibi. E se pedisse “Psicologia de Massas do Fascismo”, de Wilhelm Reich, com um livro de culinária.
Agradeci e me mandei. Mas ainda pude ouvir quando o rapaz ofereceu:

– Senhor, tem o Pasquim aqui na revista Caras. Serve?
Pai nosso, que estais no céu…