Artigos Café Brasil
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Sem Rodas

Sem Rodas

Luciano Pires -

Tente imaginar um lugar onde não existam rodas. Isso mesmo, rodas. Não tem carro, não tem caminhão, não tem moto nem bicicletas. Nem mesmo carroças e carros-de-boi. Conseqüentemente, nem a imprensa especializada…
É possível existir um lugar assim?

É. E eu estive lá. Passei 20 dias no último mês de abril, percorrendo a Trilha do Everest, no Nepal. Desses, 15 dias foram em alta montanha, num ambiente tão íngreme que o único meio de transporte são os pés ou as patas. Andei por caminhos onde uma roda, qualquer que seja, não tem como girar livremente, em razão das pedras soltas, do barro, da neve, da água…e das trilhas apertadas onde só dá para passar uma pessoa (ou um Yak) de cada vez.

Motores? Só dos helicópteros e aviões. O resto vai tudo, eu disse TUDO, nas costas dos carregadores e dos Yaks que percorrem aquelas montanhas diariamente. A gente assiste os carregadores franzinos levando caixas de cerveja, placas de amianto, mantimentos, armários de aço, telhas, combustível, o que possa ser imaginado, nas costas. Só de ver o volume das cargas que eles carregam já dá um bico de papagaio nos estrangeiros que penam para subir aquelas encostas com suas mochilas modernas e anatômicas.

E foi lá, nas alturas de Gorak Shep, a caminho do Campo Base do Everest, que me “” caiu a ficha”” . Percebi que havia ali uma outra sociedade, que desconhece a indústria automotiva e vive sua vida sem dela sentir falta.

Toda a economia gira em torno do turismo, dos milhares de trekkers, alpinistas e turistas que todo ano atiram-se às montanhas em busca de um contato mais próximo com a natureza. Ou de desfrutar a beleza incomparável das neves eternas do Himalaia. Ou da luz espiritual. Ou do desafio físico de transpor aquelas trilhas íngremes.

São milhares de pessoas que saem do conforto de seus lares e família e metem-se num ambiente onde passam dias sem tomar banho, sem usar um banheiro decente, sem comer direito, sofrendo com os males da altitude e arriscando suas vidas acima dos 5 mil metros.

Não importa porquê estão lá, todos surpreendem-se com a SIMPLICIDADE daquela sociedade. Ali, tudo é básico. Tudo é simples. Como era no interior do Brasil dos anos 50. Não vi ninguém estressado, ninguém com pressa ( até porquê, pressa acima dos 5 mil metros só nos filmes de Hollywood ). Não vi os jornais com manchetes diárias mostrando os políticos e executivos dizendo que o país vai acabar no mês que vem. Nem TV tinha por lá.

A maior preocupação era saber se o estoque de merda seca de Yak ia ser suficiente para os aquecedores naquela noite fria…

Como é que pode um país existir sem indústria automobilística? Sem as grandes montadoras para dar impulso à todos os setores da economia?
Não pode.

O Nepal não deve existir. Aquilo deve ser um rascunho de país, esperando que os americanos ou europeus façam uma tremenda terraplenagem e que estradas sejam construídas para levar não milhares, mas milhões de turistas até o Campo Base do Everest.
Já pensou o potencial de venda de veículos e autopeças para as milhares de frotas de perueiros e de ônibus que vão circular pelas cênicas rodovias do Himalaia ?

Aí as pessoas que andavam a pé, que carregavam os pesos nas costas, passarão a andar de carro. E a carregar pesos nas caçambas. A merda seca de Yak perderá espaço para outros materiais mais nobres, agora acessíveis. Novas empresas nascerão. Ninguém mais precisará se matar subindo a pé as encostas. Chegarão indústrias, chegarão escolas.
E o Nepal vai virar um país. Porquê chegaram as rodas.

As rodas tornam tudo mais rápido, mais confortável. As rodas ocupam mais espaço. Permitem que os motores sejam espalhados pra todo lado. Permitem que mais gente desloque-se pra lá e pra cá. Aceleram o progresso. Facilitam a vida. Dão impulso à economia.

Com as rodas, a indústria automotiva ganhará peso. E com ela chegarão os executivos, que vão ficar estressados, que vão acabar-se diante das projeções chutadas de resultados e de prestações de contas às matrizes.
Aí eles juntarão um dinheirinho e sairão de férias. Irão para um país distante de um continente misterioso, onde possam ficar 15 dias passando frio, andando a pé, comendo mal, sem ar pra respirar e correndo risco de vida. E voltarão satisfeitos, engrandecidos, escrevendo artigos pra dizer como foi bom.

E lá em cima, atirados numa barraca, observando um céu estrelado como nunca viram, distantes dos apagões, do painel do congresso, imóveis pelo frio e pela falta de ar, concluirão:
– Graças a Deus aqui não tem rodas!

Vai entender…