Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

2016 – Que ano!
2016 – Que ano!
Hora de parar e olhar pra trás pra ver o quanto ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Que grandeza…
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de ...

Ver mais

Vendedores debruçados ou conversando
Suely Pavan Zanella
Iscas Comportamentais
Isca intelectual de Suely Pavan que tenho observado uma postura comum em lojas e supermercados: vendedores debruçados em balcões ou reclamando pelos corredores.

Ver mais

Saindo da zona da indiferença.

Saindo da zona da indiferença.

Luciano Pires -

Em artigo recente, tratei da Zona da Indiferença, aquele lugar onde as pessoas cruzam os braços e agem como se nada fosse com elas. Se você não leu, recomendo que leia. Está aqui: http://bit.ly/1oeotKt.

Pois bem, como fazer quando você perceber que está lá, de braços cruzados, na Zona da Indiferença? Será fácil sair dela? Tudo começa com uma palavrinha em desuso: integridade. Vamos à Wikipédia?

“Integridade vem do latim integritate, é a capacidade de alguém ou algo ser íntegro, de conduta reta, pessoa de honra, ética, educada, briosa, pundonorosa (!), cuja natureza de ação nos dá uma imagem de inocência, pureza ou castidade. O que é íntegro é justo e perfeito, é puro de alma e de espírito. Um ser humano íntegro não se vende por situações momentâneas, infringindo as normas e leis, prejudicando alguém por um motivo fútil e incoerente.”

O indivíduo íntegro é aquele que se apega a seus valores, que não entra na boiada e vai pra lá ou pra cá só porque todo mundo está indo. Agindo assim ele não acaba com a zona cinza, mas faz com que ela fique menor ao não aderir ao relativismo moral que impregna estes tempos. Não gosto, não aceito, não quero, não concordo, não transijo. Isso é integridade. Mas cuidado. Valores morais sem repertório geram gente teimosa.

Repertório. Se sou íntegro com relação a meus valores morais, quanto mais rico meu repertório, mais chances tenho de fazer as reflexões e negociações internas que levam às escolhas que me tirarão da zona da indiferença. Especialmente quando estou no meio da boiada.

Vamos ao tigre que pegou o braço do menino?

A turma que filmou o garoto e não fez nada, sabia muito bem discernir o certo do errado, mas ao fazer uma reflexão baseada em seu pobre repertório, concluiu que “se me envolver, vou me incomodar”. E só não cruzaram os braços por estarem segurando um celular. O “vou me incomodar” foi mais forte que seus valores morais e a consequencia foi o menino sem braço.

Mas e se você não consegue se apegar a seus valores e não tem certeza da riqueza de seu repertório? Ainda existe uma saída: buscar um mentor, uma mentora, aquela pessoa mais experiente que pode jogar alguma luz sobre as opções de escolhas. Alguém em quem você confia e que talvez consiga ajudar a separar o preto do branco. Ou o verde do vermelho, antes que um paladino do politicamente correto venha me encher o saco.

Mas quem garante que seu mentor ou mentora não é apenas um idiota experiente? Teus valores e repertório. Percebeu? São eles que orientarão a escolha do mentor! É um círculo vicioso, que só é transformado em virtuoso por quem está sempre aprendendo, evoluindo, refletindo.

Então vamos lá: quando você se encontrar na Zona da Indiferença, a culpa é só sua que não teve repertório para sair de lá e que não se manteve íntegro com relação a seus valores morais. A menos que eles, os valores, sejam isso mesmo: que se danem, não vou me incomodar. E é bom procurar alguém que o ajude a enxergar a situação de outro ângulo, o tal mentor. Mas que seja um mentor do bem, não apenas bem intencionado.

Agora que você já sabe, vamos ao primeiro exercício.

Olhe para seus braços. Estão cruzados?

Aí é ruim.