Artigos Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 06 Em seu dia a ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 05 Começo esta ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 4 Você reparou ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Especial é o seu bolso, não o cheque
Tom Coelho
Sete Vidas
“Você não fica rico com o que ganha; fica rico com o que poupa.” (Yoshio Teresawa)   Crédito de cheque especial lembra visita de parentes distantes. Eles chegam quase sem avisar para um ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Recuperando do trauma

Recuperando do trauma

Luciano Pires -

Que dias… que dias! Não lembro de ter passado tanto tempo assistindo TV Câmara, TV Justiça, Globonews e acessando sites de noticiário político. A cada segundo é uma novidade, uma manobra, um susto. E os atos de loucura política acontecem em meio ao cenário de loucura econômica e ética. A imagem que faço é a do passageiro dentro do avião numa área de violenta turbulência, quando sua vida passa diante dos olhos e o pavor de que o avião caia repentinamente é real. Estamos nessa situação. Mas uma hora a turbulência passará e alguém terá de fechar os compartimentos de bagagem, recolher pertences caídos, acalmar os mais apavorados e retomar a rotina do voo de cruzeiro.

Uma hora o susto passa. E o que será que vem depois?

Os especialistas dizem que o primeiro estágio do processo de recuperação de situações traumáticas é religar o disjuntor. O corpo humano é como um sistema elétrico que, ao receber uma carga muito grande de energia, ativa seus disjuntores para se autoproteger. Numa situação traumática, perdemos de 50 a 90% da capacidade cerebral. É o momento de não tomar decisões importantes, aquelas do calor da hora, que serão invariavelmente instintivas, todas buscando nos livrar do perigo. E, mesmo fisicamente, saímos da normalidade. O que doía, para de doer, o que nunca doeu começa a doer. O sono fica irregular, o apetite aumenta ou cai…

– Pô, esse não sou eu!

Caiu o disjuntor. E ele é religado aos poucos, quando os sintomas começam a desaparecer após o trauma. Portanto, o primeiro estágio é reconhecer que os disjuntores caíram e precisam ser religados.

Num segundo estágio, vem a expressão dos sentimentos, para nos livrarmos da dor e da angústia. É quando falamos a respeito, botamos pra fora. Todo mundo tem uma história mais triste pra contar, sobre como sofreu com o trauma. Expressar esses sentimentos é como a válvula da panela de pressão… E a gente faz isso falando, escrevendo, desenhando, dançando, cantando.  E se passamos pelo trauma em grupo, é importante que cada um saiba ouvir a história do outro. Esse é um processo de alívio coletivo, e é importante saber que estamos lidando com ondas de emoções. Quanto mais deixamos que as ondas fluam, menos as chances delas se transformarem num tsunami.

Terceiro estágio: a ação construtiva.  Passou o susto, passou a onda? Disjuntor religado? Hora de partir para a ação. É o momento em que recuperamos a sensação de controle sobre nosso destino, deixando para trás o sentimento de impotência. É a hora de juntar os cacos, de mostrar que você se importa, de começar a reconstrução. É quando você pode fazer toda a diferença para alguém que está numa situação de ainda mais descontrole que a sua. E nesse momento, nenhum gesto, por mais insignificante que pareça, é pequeno. É hora de parar com o mimimi e partir para fazer a diferença.

O quarto estágio é o da reintegração. Estamos de volta à luta. É quando precisamos ficar de olho nas oportunidades criadas pela crise, pelo momento do trauma. Dependendo de como você encarar as coisas, a crise será uma professora fenomenal. Se você conseguir aprender com ela, sairá experiente, mais forte, mais esperto, mais conectado, com o couro endurecido. É por isso que os velhinhos de 60 anos se mostram relativamente calmos diante da crise, enquanto a garotada de 30 anos acha que o mundo vai acabar. A experiência cria a armadura emocional.

Os sustos e traumas destes dias intensos são um gigantesco processo de depuração. Estamos limpando o Brasil da sujeira evidente, varrendo a casa, botando o lixo pra fora. Depois vamos ter que passar aspirador nos cantos, tirar teias de aranha escondidas, jogar veneno nas traças e polir metais. Mas primeiro sai a sujeira grossa, o que será sempre traumático.

Quem escolhe sair do trauma por conta própria, religando os disjuntores, aprendendo com a experiência e abraçando as oportunidades, consegue olhar pra trás e se sentir mais forte para enfrentar o próximo. Ou até mesmo para evitar que o próximo aconteça.

E, como sempre escrevo, isso é uma escolha.