Artigos Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

545 – Explicando Política Para Crianças – Revisitado
545 – Explicando Política Para Crianças – Revisitado
Podcast Café Brasil 545 - Explicando Política Para ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 4 Você reparou ...

Ver mais

Videocast Nakata T2 01
Videocast Nakata T2 01
Videocast Nakata Temporada 2 - Epsódio 1. Quem é você, ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Finanças pessoais em equilíbrio
Tom Coelho
Sete Vidas
“A parte mais sensível do corpo humano é o bolso.” (Delfim Netto)   Administrar finanças pessoais pouco difere de gerenciar o caixa de uma empresa ou mesmo de um país. Mudam apenas a ...

Ver mais

O Tempo dos Chefes Maus
Suely Pavan Zanella
Iscas Comportamentais
O TEMPO DOS CHEFES MAUS Suely Pavan Zanella Cursos e mais cursos sobre Liderança e Gestão de Pessoas. MBAs e Coachs sobre o tema. Livros de diferentes tipos sobre o assunto. 29.400.000 resultados ...

Ver mais

Raciocínios perigosos

Raciocínios perigosos

Luciano Pires -

Em 1946 o deputado Edmundo Barreto Pinto deixou-se fotografar para a revista O Cruzeiro vestindo um fraque e cuecas samba-canção. Prometeram que a foto seria publicada apenas da cintura para cima. Não foi. E o deputado perdeu o cargo por falta de decoro parlamentar.

Outra cueca, esta mais recente: o senador Eduardo Suplicy desfilou pelos corredores do Congresso usando uma cueca vermelha por cima do terno, numa brincadeira promovida pelo programa Pânico Na TV. A coisa pegou mal, o deputado pediu e a reportagem não foi ao ar no programa. Mas a foto apareceu em vários jornais e revistas. E como neste novo milênio estamos muito mais tolerantes, a coisa ficou por isso mesmo, sem maiores consequências.

Mas mostrando que a tolerância só vale para os homens, vimos o caso da Geysi que foi à universidade com um vestido curtíssimo. A moça foi cercada por centenas de estudantes, xingada e ameaçada. Vídeos mostrando o acontecido foram parar no Youtube, dali para os jornais, revistas e televisão e pronto. Geysi Arruda, a moça do microvestido, foi expulsa da universidade e depois readmitida e o Brasil parou para discutir o assunto. Sorte dela, que apareceu em dezenas de programas de televisão e revistas masculinas, fez uma repaginação, virou destaque da escola de samba Gaviões da Fiel e está curtindo o “ser celebridade” tão caro a estes novos tempos.

Cuecas e microvestidos ocupando o imaginário popular parecem banalidades, não é?  Não são. O lance das cuecas e do vestido curto não é a doença. É o sintoma.

A cueca de 1946 mostrou a doença da quebra de confiança, uma promessa não cumprida causando uma vítima, o deputado. A cueca de 2009 mostrou a doença do vale tudo para uns segundinhos de exposição na mídia. E o microvestido de 2009 exibiu a doença da intolerância que pensávamos já estar ultrapassada.

Mas quero mesmo é fazer umas perguntinhas marotas… Quero saber os porquês de cada um desses “escândalos”.

Em 1946, foi por causa do deputado que vestiu a cueca ou do jornalista que o enganou? Em 2009 foi por causa do senador que vestiu a cueca ou do pessoal do Pânico que o induziu? E no caso da universidade? Foi por causa da moça que usou o vestido curto ou da intolerância dos agressores?

Parece lógico, não é? Se o deputado e o senador não tivessem concordado em vestir as cuecas, nada teria acontecido. Se a Geysi não tivesse colocado o vestido provocante, nada teria acontecido. Portanto a culpa é deles.

Mas cuidado! Esse raciocínio é perigoso. Ele também serve para desculpar o MST que invade e depreda a fazenda cujas terras “são da união e foram invadidas pela Cutrale”. Serve para desculpar a torcida uniformizada que trucida o torcedor do time contrário que “tava provocano nóis”. Serve para inocentar o sujeito que rouba o celular que “tava largado no banco.”. Serve para aliviar a culpa do assassino conforme a qualificação da vítima. Serve para justificar o estupro da moça de minissaia. Serve para desculpar a mentira e a corrupção, pois “no governo anterior era até pior”.

Nestes tempos de novilíngua, de “mentiras simbólicas” e de gente ideologicamente estressada, cuidado com o julgamento dos outros.

Antes do “como”, preocupe-se em saber os porquês.

 

Luciano Pires