Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Quero meu vermelho de volta.

Quero meu vermelho de volta.

Luciano Pires -

E São Paulo amanhece com alguns monumentos emporcalhados com tinta, entre eles o Monumento às Bandeiras, escultura de Victor Brecheret em frente ao Parque do Ibirapuera. Alguém despejou latas de tinta azul e amarela na base e um vistoso vermelho em cima. Serviço de estúpidos.

Recebi no celular a foto do monumento vandalizado enquanto estava na estrada. Era uma imagem de uma tela de TV, cheia de brilhos, onde só consegui ter certeza do vermelho.  E publiquei um post no Facebook (http://bit.ly/2dCeF4D) :

“Bom dia? Este é o Monumento às Bandeiras, em frente ao Parque do Ibirapuera. Amanheceu assim: lambuzado de tinta vermelha. Que doença é essa?”

Pronto! Vieram os comentários se queixando de que, cego para outras cores por meu ódio ao PT, só vi a cor vermelha. E também os comentários de quem viu naquele vermelho, um partido. Como se fizesse alguma diferença a cor com a qual os babacas emporcalharam o monumento! Mas para a maioria dos que comentaram meu post, mais importante que discutir o vandalismo é discutir a motivação ideológica dos pichadores. E, é claro, a minha, o daltônico político que só vê a cor vermelha.

O vermelho é a cor da energia, da paixão e da ação. É uma cor quente, associada à nossas necessidades físicas e vontade de viver. O vermelho energiza, excita as emoções e motiva para a ação, é a cor da sexualidade, estimula paixões, amor e sexo pelo lado positivo, e vingança e ódio pelo lado negativo. Mas esse é o vermelho do mundo físico, relacionado às sensações provocadas em nossos olhos pela propriedade dos objetos de refletir a luz. Rosas vermelhas, sol amarelo, céu azul, folhas verdes, nuvens brancas. O vermelho é uma cor linda, que adoro.

Mas há outro vermelho, o da cor política. Parece que a coisa vem da idade média, quando os navios em combate usavam uma flâmula longa e vermelha, significando a luta até a morte. Não é difícil imaginar que a inspiração veio do vermelho do sangue que corre em nossas veias, que ocupa nosso coração, que irriga nosso cérebro. Ao que consta, foi na revolução francesa, sempre ela, em 1789 que a bandeira vermelha passou a representar os ideais do que viriam a ser o socialismo e comunismo. E no Brasil, você sabe quem herdou o vermelho como cor política.

Voltando então ao que realmente interessa: ao substituir a cor que a reflexão das luzes produz em nossos olhos, pela cor política, a ação dos vândalos cai para segundo plano e passamos a discutir as motivações políticas. E aí, meu caro, cabe tudo. Não tem gente que defende como ação legítima botar fogo em orelhão e quebrar bancos da praça?

Pois é. Hoje em dia, quem sai com uma camisa vermelha porque gosta do vermelho, tem de tomar cuidado. Sua intenção de enviar vibrações de energia para as pessoas será interpretada como um manifesto político. E eu, que já tive calça vermelha, camisa vermelha, meia vermelha, gravata vermelha, não tenho mais. A coisa está tão louca que recentemente fiz um gráfico com um quadrilátero com dois lados, um vermelho, outro verde e fui questionado sobre a razão de justamente “aquele” lado ser vermelho. E se o vermelho estivesse do outro lado, eu seria questionado igual.

A reação ao meu post me deu certeza de que o PT e suas franjas não roubaram de nós apenas dinheiro, orgulho, esperança, empregos ou dignidade.

Roubaram até a cor vermelha.

Quero meu vermelho de volta.