Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Quem Escreve

Quem Escreve

Luciano Pires -

Todo escritor vive com um frio no estômago. Nestes tempos internéticos, o frio aparece no momento em que apertamos a tecla “enter” e lançamos nossos escritos ao mundo. Em segundos milhares de pessoas estarão lendo o que escrevemos. Nossas idéias serão apreciadas, desprezadas, amadas, odiadas, encaminhadas. Seremos julgados. Pessoas tirarão conclusões sobre nossos valores e convicções com base no que entenderem de nossos textos. E nunca sabemos por antecipação como nossos escritos serão entendidos.
Como a internet é a grande revolução das comunicações, em minutos começamos a receber os comentários dos leitores. Mas é difícil, viu? Tem que ter os pés no chão e uma imensa auto-estima. Quer um exemplo? Veja o e-mail que recebi esta semana, de um sujeito que não conheço: “Boa noite Luciano Pires…! O que penso do que escreves… Eu acho você um babaca atrasado e vive num mundo irreal, inesistente na tua fantasia… Segundo a tua própria visão… Eu não gasto tempo escrevendo babaquisses. Gastei agora. Luzardo”.
Como você reagiria? Imediatamente preparei-me para redigir um e-mail dizendo que um analfabeto funcional que escreve “inesistente” e “babaquisses” não pode mesmo gostar de meus textos. Mas lembrei-me de um ensinamento budista: devemos tratar elogios e críticas como presentes. Se você recebe um presente, mas decide não aceitá-lo, o que acontece? A pessoa que o entregou leva de volta…
Escolhi não aceitar o “presente” do tal Luzardo. A energia que eu gastaria para contestar o sujeito é a mesma (ou até maior) que gasto agora, ao escrever para vocês. Escolhi o mais produtivo. Deletei o e-mail e segui meu dia. Em seguida recebi outro e-mail, dessa vez era um ex- colega de trabalho: “Luciano, que saudades de quando trabalhávamos juntos. Aprendi muito com você, obrigado. Abraço. Edney” 
Esse e-mail eu aceitei como um presente que me energizou, motivou e iluminou. Até mesmo para escrever este texto.
Lembrei-me então de uma amiga contando que recebeu chamadas de um número desconhecido no celular. Ligou de volta, uma senhora atendeu e afirmou que deveria ser engano. No momento de desligar a senhora disse para minha amiga: “Espera! Você é muito simpática e preciso te dizer algumas coisas”. E começou a dizer que minha amiga – a quem ela não conhecia – era uma pessoa boa, veria seus sonhos seriam realizados, teria um ano especialmente bom, que tudo daria certo para ela e para sua família. A mulher desligou e minha amiga disse tudo: “Foi tão legal!” Ela ficou com uma sensação agradável ao receber tantas mensagens positivas de alguém que ela não conhece. Fiquei curiosíssimo. Quem seria aquela estranha que liga para números que não conhece e de graça, sem pedir nada em troca, sem nenhum interesse, diz coisas boas? É uma espécie de teleanjo interessado em surpreender com o bem numa sociedade onde a regra é surpreender com o mal.
Aquela mulher, como os leitores da internet, tem o poder de conectar-se com outras pessoas e oferecer-lhes um presente. Entre o elogio e a crítica, ela escolheu o elogio. E mudou o dia de minha amiga…
A interação proporcionada pela internet está criando um novo tipo de escritor, exposto – sem intermediários, filtros ou proteções –  aos comentários dos leitores. E isso é muito novo. Como outros escritores, também estou aprendendo a escrever nesse novo ambiente. E questiono: será que os leitores também estão aprendendo? Têm consciência de seu poder? Sabem o que é e para que serve um crítico?
Ezra Pound, poeta, músico e crítico estadunidense pré-internético é quem melhor definiu essa questão, ao dizer uma daquelas frases definitivas:
“O mau crítico se identifica facilmente quando começa por discutir o poeta e não o poema.”
Muito bem. Deixa eu escolher pra quem vou mandar um presente.