Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Por que eu?
Por que eu?
Ela foi a primeira mulher a assumir publicamente que ...

Ver mais

Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro. Isca intelectual de Luciano Pires ...

Ver mais

O véinho
O véinho
Isca intelectual de Luciano Pires que pergunta: que ...

Ver mais

Pluralidade narrativa 2
Pluralidade narrativa 2
Revendo uma Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta ...

Ver mais

537 – VAMO, VAMO CHAPE
537 – VAMO, VAMO CHAPE
Podcast Café Brasil 537 - Vamo,vamo, Chape. Este é um ...

Ver mais

536 – A política da pós-verdade
536 – A política da pós-verdade
Podcast Café Brasil 536 - A política da pós-verdade. ...

Ver mais

535 – Hallelujah
535 – Hallelujah
Podcast Café Brasil 535 - Hallelujah. Poucos dias atrás ...

Ver mais

534 – Labfazedores
534 – Labfazedores
Podcast Café Brasil 534 - Labfazedores. Luciano Pires é ...

Ver mais

LíderCast 050 – Bia Pacheco
LíderCast 050 – Bia Pacheco
LiderCast 050 - Hoje vamos conversar com Bia Pacheco, ...

Ver mais

LíderCast 051 – Edu Lyra
LíderCast 051 – Edu Lyra
LiderCast 051 - Hoje conversaremos com Edu Lyra, um ...

Ver mais

LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
Lídercast 049 - Neste programa Luciano Pires conversa ...

Ver mais

LíderCast 048 – Jonas e Alexandre
LíderCast 048 – Jonas e Alexandre
LiderCast 048 - Hoje recebemos o Jonas e o Alexandre, ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Tempo de escolher
Tom Coelho
Sete Vidas
“Um homem não é grande pelo que faz, mas pelo que renuncia.” (Albert Schweitzer)   Muitos amigos leitores têm solicitado minha opinião acerca de qual rumo dar às suas carreiras. Alguns ...

Ver mais

O caso é o caso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista ...

Ver mais

SmartCamp: as startups transformam o mundo
Mauro Segura
Transformação
Vivemos o boom das startups no Brasil e no mundo. O que está por trás disso? Mauro Segura esteve no SmartCamp, que é uma competição global de startups, e fez um vídeo contando a sua experiência.

Ver mais

Desemprego zero
Tom Coelho
Sete Vidas
“O desemprego do homem deve ser tratado como tragédia e não como estatística econômica.” (Papa João Paulo II)   No início dos anos 1990, experimentei o sabor amargo do desemprego. Por opção, ...

Ver mais

Quem Escreve

Quem Escreve

Luciano Pires -

Todo escritor vive com um frio no estômago. Nestes tempos internéticos, o frio aparece no momento em que apertamos a tecla “enter” e lançamos nossos escritos ao mundo. Em segundos milhares de pessoas estarão lendo o que escrevemos. Nossas idéias serão apreciadas, desprezadas, amadas, odiadas, encaminhadas. Seremos julgados. Pessoas tirarão conclusões sobre nossos valores e convicções com base no que entenderem de nossos textos. E nunca sabemos por antecipação como nossos escritos serão entendidos.
Como a internet é a grande revolução das comunicações, em minutos começamos a receber os comentários dos leitores. Mas é difícil, viu? Tem que ter os pés no chão e uma imensa auto-estima. Quer um exemplo? Veja o e-mail que recebi esta semana, de um sujeito que não conheço: “Boa noite Luciano Pires…! O que penso do que escreves… Eu acho você um babaca atrasado e vive num mundo irreal, inesistente na tua fantasia… Segundo a tua própria visão… Eu não gasto tempo escrevendo babaquisses. Gastei agora. Luzardo”.
Como você reagiria? Imediatamente preparei-me para redigir um e-mail dizendo que um analfabeto funcional que escreve “inesistente” e “babaquisses” não pode mesmo gostar de meus textos. Mas lembrei-me de um ensinamento budista: devemos tratar elogios e críticas como presentes. Se você recebe um presente, mas decide não aceitá-lo, o que acontece? A pessoa que o entregou leva de volta…
Escolhi não aceitar o “presente” do tal Luzardo. A energia que eu gastaria para contestar o sujeito é a mesma (ou até maior) que gasto agora, ao escrever para vocês. Escolhi o mais produtivo. Deletei o e-mail e segui meu dia. Em seguida recebi outro e-mail, dessa vez era um ex- colega de trabalho: “Luciano, que saudades de quando trabalhávamos juntos. Aprendi muito com você, obrigado. Abraço. Edney” 
Esse e-mail eu aceitei como um presente que me energizou, motivou e iluminou. Até mesmo para escrever este texto.
Lembrei-me então de uma amiga contando que recebeu chamadas de um número desconhecido no celular. Ligou de volta, uma senhora atendeu e afirmou que deveria ser engano. No momento de desligar a senhora disse para minha amiga: “Espera! Você é muito simpática e preciso te dizer algumas coisas”. E começou a dizer que minha amiga – a quem ela não conhecia – era uma pessoa boa, veria seus sonhos seriam realizados, teria um ano especialmente bom, que tudo daria certo para ela e para sua família. A mulher desligou e minha amiga disse tudo: “Foi tão legal!” Ela ficou com uma sensação agradável ao receber tantas mensagens positivas de alguém que ela não conhece. Fiquei curiosíssimo. Quem seria aquela estranha que liga para números que não conhece e de graça, sem pedir nada em troca, sem nenhum interesse, diz coisas boas? É uma espécie de teleanjo interessado em surpreender com o bem numa sociedade onde a regra é surpreender com o mal.
Aquela mulher, como os leitores da internet, tem o poder de conectar-se com outras pessoas e oferecer-lhes um presente. Entre o elogio e a crítica, ela escolheu o elogio. E mudou o dia de minha amiga…
A interação proporcionada pela internet está criando um novo tipo de escritor, exposto – sem intermediários, filtros ou proteções –  aos comentários dos leitores. E isso é muito novo. Como outros escritores, também estou aprendendo a escrever nesse novo ambiente. E questiono: será que os leitores também estão aprendendo? Têm consciência de seu poder? Sabem o que é e para que serve um crítico?
Ezra Pound, poeta, músico e crítico estadunidense pré-internético é quem melhor definiu essa questão, ao dizer uma daquelas frases definitivas:
“O mau crítico se identifica facilmente quando começa por discutir o poeta e não o poema.”
Muito bem. Deixa eu escolher pra quem vou mandar um presente.