Artigos Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 06 Em seu dia a ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 05 Começo esta ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Especial é o seu bolso, não o cheque
Tom Coelho
Sete Vidas
“Você não fica rico com o que ganha; fica rico com o que poupa.” (Yoshio Teresawa)   Crédito de cheque especial lembra visita de parentes distantes. Eles chegam quase sem avisar para um ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Quem Escreve

Quem Escreve

Luciano Pires -

Todo escritor vive com um frio no estômago. Nestes tempos internéticos, o frio aparece no momento em que apertamos a tecla “enter” e lançamos nossos escritos ao mundo. Em segundos milhares de pessoas estarão lendo o que escrevemos. Nossas idéias serão apreciadas, desprezadas, amadas, odiadas, encaminhadas. Seremos julgados. Pessoas tirarão conclusões sobre nossos valores e convicções com base no que entenderem de nossos textos. E nunca sabemos por antecipação como nossos escritos serão entendidos.
Como a internet é a grande revolução das comunicações, em minutos começamos a receber os comentários dos leitores. Mas é difícil, viu? Tem que ter os pés no chão e uma imensa auto-estima. Quer um exemplo? Veja o e-mail que recebi esta semana, de um sujeito que não conheço: “Boa noite Luciano Pires…! O que penso do que escreves… Eu acho você um babaca atrasado e vive num mundo irreal, inesistente na tua fantasia… Segundo a tua própria visão… Eu não gasto tempo escrevendo babaquisses. Gastei agora. Luzardo”.
Como você reagiria? Imediatamente preparei-me para redigir um e-mail dizendo que um analfabeto funcional que escreve “inesistente” e “babaquisses” não pode mesmo gostar de meus textos. Mas lembrei-me de um ensinamento budista: devemos tratar elogios e críticas como presentes. Se você recebe um presente, mas decide não aceitá-lo, o que acontece? A pessoa que o entregou leva de volta…
Escolhi não aceitar o “presente” do tal Luzardo. A energia que eu gastaria para contestar o sujeito é a mesma (ou até maior) que gasto agora, ao escrever para vocês. Escolhi o mais produtivo. Deletei o e-mail e segui meu dia. Em seguida recebi outro e-mail, dessa vez era um ex- colega de trabalho: “Luciano, que saudades de quando trabalhávamos juntos. Aprendi muito com você, obrigado. Abraço. Edney” 
Esse e-mail eu aceitei como um presente que me energizou, motivou e iluminou. Até mesmo para escrever este texto.
Lembrei-me então de uma amiga contando que recebeu chamadas de um número desconhecido no celular. Ligou de volta, uma senhora atendeu e afirmou que deveria ser engano. No momento de desligar a senhora disse para minha amiga: “Espera! Você é muito simpática e preciso te dizer algumas coisas”. E começou a dizer que minha amiga – a quem ela não conhecia – era uma pessoa boa, veria seus sonhos seriam realizados, teria um ano especialmente bom, que tudo daria certo para ela e para sua família. A mulher desligou e minha amiga disse tudo: “Foi tão legal!” Ela ficou com uma sensação agradável ao receber tantas mensagens positivas de alguém que ela não conhece. Fiquei curiosíssimo. Quem seria aquela estranha que liga para números que não conhece e de graça, sem pedir nada em troca, sem nenhum interesse, diz coisas boas? É uma espécie de teleanjo interessado em surpreender com o bem numa sociedade onde a regra é surpreender com o mal.
Aquela mulher, como os leitores da internet, tem o poder de conectar-se com outras pessoas e oferecer-lhes um presente. Entre o elogio e a crítica, ela escolheu o elogio. E mudou o dia de minha amiga…
A interação proporcionada pela internet está criando um novo tipo de escritor, exposto – sem intermediários, filtros ou proteções –  aos comentários dos leitores. E isso é muito novo. Como outros escritores, também estou aprendendo a escrever nesse novo ambiente. E questiono: será que os leitores também estão aprendendo? Têm consciência de seu poder? Sabem o que é e para que serve um crítico?
Ezra Pound, poeta, músico e crítico estadunidense pré-internético é quem melhor definiu essa questão, ao dizer uma daquelas frases definitivas:
“O mau crítico se identifica facilmente quando começa por discutir o poeta e não o poema.”
Muito bem. Deixa eu escolher pra quem vou mandar um presente.