Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Que curso fazer?

Que curso fazer?

Luciano Pires -

Com alguma regularidade sou perguntado por jovens e seus pais sobre que curso fazer, que escola buscar, que carreira abraçar. As pessoas me vêem palestrar e acham que minha experiência pode ajudar de alguma forma. É sempre uma responsabilidade imensa, pois naquele momento posso estar influenciando as escolhas e o futuro das pessoas. Dá medo.

A maioria absoluta quer cursar publicidade e propaganda, talvez pelo “glamour” que o estereótipo do publicitário criativo, rico e poderoso tem no imaginário dos jovens, não é?

Respondo: se você tem condições, busque a melhor escola disponível, mesmo que custe mais caro, que exija mais, que seja mais complicada. Ah, mas toda escola é igual! Não é. Nem dentro nem fora da sala de aula. Na escola você começa a construir os relacionamentos que serão úteis no futuro em termos profissionais e quanto melhor a escola, mais chance de construir amizades profissionalmente importantes. Mas por questões de grana, tempo e disponibilidade física nem sempre é possível ter acesso à melhor escola. Nesse caso, estude na disponível, mas seja o melhor aluno da escola! Apareça dentro e fora de sala de aula, isso coloca você acima da mediocridade e ajuda a sair atrás de uma bolsa de estudos para uma pós numa escola mais representativa, por exemplo.

Publicidade e propaganda é um ramo complicado, especialmente para os jovens que estão no interior do Brasil. Mercado pequeno, paga pouco, é um problema. E fazer escolhas de carreira aos 18 anos de idade é outro problema. Falta experiência, maturidade e visão de mundo.

Eu então sugiro um plano estratégico de longo prazo: cursaria Administração de Empresas e em seguida partiria para uma pós graduação em publicidade e propaganda. Dessa forma eu teria um diploma que permite atuar em qualquer frente, com um mercado amplo à disposição e não apenas na limitada área de publicidade e propaganda. Mesmo que a princípio eu não conseguisse trabalhar com o que amo, com o tempo estaria mais estabilizado, mais maduro e poderia fazer um plano para me encaminhar para a área desejada, com uma pós graduação.

Mas levei uns 20 anos para chegar a essa conclusão, viu? E só depois de experimentar as dificuldades de ser um bicho-marketing dentro de uma empresa de engenheiros, economistas e administradores. Sempre fui visto como um estranho por não “falar a língua deles”, o que dificultou o desenvolvimento de minha carreira. Sempre me senti o mocinho no meio dos índios. Tivesse eu um diploma de administrador de empresas e a coisa mudaria de figura… Eu “seria um deles”, falaria o idioma deles, usaria os argumentos deles e exporia minhas idéias de forma que eles compreendessem, afinal eram eles os donos do dinheiro. Eu falaria a língua dos índios, sacou?

E essa estratégia não vale só para publicidade e propaganda, mas para diversas outras áreas.

Mas esse é um pensamento de longo prazo, difícil de ser engolido pela ansiedade da juventude que deve achar horrível estudar numa área fora de seu amado objetivo imediato.

Olha, se eu pudesse voltar no tempo faria exatamente assim.

Mas esse sou eu.

Luciano Pires