Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Quando eu crescer

Quando eu crescer

Luciano Pires -

Meu filho completou 26 anos! E durante aquelas viagens no tempo que – a cada aniversário – os pais fazem com seus bebês, revivi o momento em que, aos 19 anos de idade, diante do vestibular, ele teve que escolher o que seria “quando crescesse”. Até então eu havia dito que era cedo para definir o futuro, mas que ele deveria conversar com profissionais, visitar pessoas, fazer testes de aptidão, usar todos os recursos para avaliar as oportunidades de carreira profissional.

É claro que ele não fez nada daquilo. Seguiu o coração e um dia disse:

– Pai, tá decidido. Quero fazer Artes Plásticas.

Hein? Artes plásticas? Visualizei-o com trinta e cinco anos, cara de cinquenta, barbudo, de papete e bolsa a tiracolo, vendendo pulseirinhas na praia… Meu filho, pô! Meu investimento! Artista plástico? No Brasil? O coitado vai passar fome!

– Artes plásticas? Você tem certeza?
– Tenho, pai. É isso que quero fazer.

Enquanto eu segurava pelos cabelos a mãe dele, que havia saltado pela janela do segundo andar, contei até dez e disse o melhor que pude:

– Muito bem. Se é isso que você quer, vamos encarar. Não tenho a menor idéia se daqui a cinco ou dez anos você será artista, gerente de banco, dono de Pet Shop ou executivo de multinacional, mas uma coisa eu sei: você vai ter que cursar a melhor escola de artes plásticas do Brasil.

Ao transitar do emocional para o racional durante aquele “contei até dez”, me lembrei de um caro amigo, o Sidney, que se formou engenheiro químico e nunca mais olhou para uma tabela periódica. Foi trabalhar em vendas, transformando-se num grande executivo global, presidente de empresas multinacionais.
Recordei-me de outro amigo, o Marco, que se formou em agronomia e nunca trabalhou no ramo. Hábil em economia e finanças, tornou-se consultor especializado em franquias e venda e aquisição de empresas. E um dia me disse:

– Luciano, foi minha formação em agronomia que permitiu que eu tivesse uma visão de negócios completamente diferente dos outros consultores.

Lembrei-me também do suporte que recebi de meu pai em 1974 quando, aos 18 anos de idade, decidi sair de Bauru para estudar Comunicação Visual na capital. Até hoje não consigo explicar para minha mãe que raio de profissão é essa, mas foi com um diploma de “comunicador visual” que construí uma bem sucedida carreira de vinte e seis anos como executivo de uma multinacional de autopeças. Algo que nunca imaginei aos 19 anos…

Respeitando a carreira que escolhi seguir, meu pai preocupou-se em garantir que eu tivesse a melhor formação possível. Ele sabia que o resto viria como conseqüência.  

Muito bem. O Dani formou-se em artes plásticas na melhor escola e hoje, aos 26 anos de idade, trabalha com produção de vídeos, dando vazão à criatividade, atendendo clientes de grandes corporações e fazendo planos.

Quer saber? Não há o que pague o orgulho que sinto por ter apoiado seus sonhos.

Luciano Pires