Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Por que eu?

Por que eu?

Luciano Pires -

“… sim mas naquela época se falava em câncer gay, eu me lembro da propaganda onde aparecia AIDS e um carimbo: morte! Aí eu disse para ele:

– Eu faço o exame sim, eu sei quem eu sou.

Daí ele me olhou sério e disse assim:

– A senhora também pensa que AIDS tem alguma coisa ligada com moral e conduta?

Eu olhei para ele rindo:

– E não tem?

Ele disse:

– Não senhora.

Foi a primeira vez que alguém me disse que HIV ou AIDS não tinham relação nenhuma com moral e conduta. Mas eu achei graça daquilo tudo e ele me passou a requisição para o exame. Depois eu contei para o meu filho, dando risada e comentando que o médico me levou para outra sala, constrangido de falar na frente dele. E aí nós saímos rindo os dois. Naquela época eu não sabia de nada, de coisa nenhuma a respeito de HIV, que não fosse Cazuza. E eu fui fazer o exame no plano de saúde. Peguei no laboratório meu resultado, abri e lá estava escrito: reagente. E a gente se protege pra não sofrer…  Eu digo:

– Legal, reagente, meu organismo reagiu, não tenho nada.

Era o que eu queria. Saí caminhando. Era um dia lindo de sol e no meio do caminho eu disse:

– Só um pouquinho… mas se deu reagente é porque reagiu! E se reagiu é porque é positivo!

Aí eu parei, abri a bolsa, olhei de novo e as letras pequenas diziam: reagente = positivo.

Bom eu brinco que a sensação que eu tive é a de história em quadrinhos, eu passei a ter uma nuvem negra sobre minha cabeça, querendo entender como eu, que tinha tido três homens na minha vida, estava com HIV. Eu não era promíscua, eu não consegui entender isso… mas por que eu? Anos depois fui descobrir que essa é a pergunta que todos nós fazemos quando temos um diagnóstico positivo: por que eu? E aquela nuvem negra, aquela coisa, eu fiquei caminhando pelo meu bairro…

Aí fui para casa, peguei o telefone e liguei para o meu marido. Só consegui dizer:

– Carlos, eu estou com AIDS!

Eu nem sabia a diferença entre ter AIDS e HIV, na realidade eu estava só com HIV. Deu aquele silêncio do outro lado e ele só consegui dizer para mim:

– Tô indo para casa.

Aí meu gordo chega e eu esperando que ele me desse um abraço gostoso e dissesse: ‘vai passar’… Só que eu não contava com o desconhecimento que se tinha daquilo tudo e que ele também tinha medo. Isso eu gosto de falar, porque muita gente se separa por causa de uma situação dessas. A gente tem que deixar as coisas passarem. Ele entrou desesperado e disse:

– Eu sou filho único! A minha mãe não caminha, depende de mim para tudo! E agora eu vou morrer!

Na cabeça dele, ele estava infectado também. Ele olhou para mim e disse:

– Tu é uma assassina!

Pô ele sabia que eu não sabia de nada! Quando ele disse ‘tu é uma assassina’, minha filha saltou e começou a bater nele. Anos depois a gente ficou sabendo que ela quebrou três costelas dele. A gente nem imaginava nada daquilo, mas foi assim uma baixaria aquilo, um pavor…”

 

Tá pensando que é enredo de novela? Mexicana? Não. Essa é uma história real, contada por Bia Pacheco no LíderCast 50. Bia foi a primeira mulher a assumir publicamente que tinha o vírus da AIDS no Rio Grande do Sul, na década de 90. E sua história é um misto de emoções, tragédia e superação. Uma lição de vida que, nesta semana em que celebramos o Dia Mundial de Combate à Aids, convido você a ouvir clicando aqui: http://bit.ly/LiderCast50