Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Pluralidade narrativa

Pluralidade narrativa

Luciano Pires -

Numa viagem aos EUA, no começo dos anos 1990, comprei um DVD da banda Kiss, acústico, que marcava o retorno do grupo com seus integrantes originais. O show é ótimo! Fiquei tão interessado que fui pesquisar e encontrei um sujeito que tinha o material bruto da gravação, antes da edição final. Eram dois ou três DVDs com algumas horas de duração, mostrando os erros, as paradas, as retomadas, regravações, etc. Comprei.

Quando recebi os discos, corri assistir e realmente é inusitado. Quem é fã da banda vai se lambuzar! Mas… chega uma hora em que enche o saco. Paradas, espera para regular uma luz, mudança de câmeras, gente andando pra lá e pra cá. É legal de ver, mas tem que ter tempo e ser muito fã. Não tem a dinâmica, o ritmo, do DVD pronto. Não é uma história sendo contada, mas um ajuntamento de – para ficar na moda – narrativas plurais. Sem alguém para ordenar aquilo tudo numa história, selecionando os melhores ângulos, as melhores cenas, as melhores interpretações, os melhores cortes, é algo insuportavelmente chato, que a gente vai adiantando no controle remoto.

O que nos leva ao grande dilema destes tempos plurais: precisamos das pessoas que botam ordem nas narrativas, mas cansamos delas. Elas escolhem os melhores ângulos e interpretações do ponto de vista delas, e assim nos mostram não aquele show bruto, mas o show montado por elas. A narrativa delas. Muita gente está cansada disso, se sente enganada, manipulada, sonegada de uma parte da realidade.

Tente imaginar a estória do Chapeuzinho Vermelho, por exemplo. Todo mundo a conhece do ponto de vista de um narrador, no caso da versão clássica dos Irmãos Grimm. Mas como seria do ponto de vista da menina? Da Vovó? Do Caçador? E por fim, do Lobo? Seria a mesma história? Quem seria o vilão? Quais os motivos de cada um? Quem está certo?

Isso me ocorre neste momento em que discutimos a aparição de uma “nova narrativa”, especialmente com o surgimento do grupo Mídia Ninja e sua “pluralidade narrativa”. O Ninja significa “Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação” e o que eles fazem é espalhar em meio às manifestações, por exemplo, dezenas de indivíduos com equipamentos de filmagem que capturam a ação de ângulos diversos e, aparentemente sem edição, colocam no ar pela internet. Assim é possível assistir cenas que a televisão não mostra. É mais ou menos como contar a história do Chapeuzinho Vermelho com as imagens capturadas pelas câmeras de diversos narradores, inclusive a menina, a vovó, o caçador e o lobo, localizados em pontos distintos ao longo da trama. Essas imagens brutas iriam ao ar ao mesmo tempo e caberia ao telespectador montar a narrativa que lhe interessasse. Ou ainda, é como os DVDs com as imagens brutas do show do Kiss, mostrando a movimentação dos câmeras, as ordens do diretor, o público se ajeitando, as expressões de cada músico, os erros de gravação. Extremamente rico em conteúdo, mas sem ritmo.

Tem gente que aposta que esse é o futuro da imprensa. Eu vou esperar para ver. Não importa se é o narrador, a chapeuzinho, a vovó, o caçador ou o lobo mau, acho que ainda precisamos de alguém que nos conduza pela narrativa. Mas talvez eu esteja apenas ultrapassado, sem perceber que temos que desenvolver outro olhar, capaz de interpretar a pluralidade narrativa, tudo ao mesmo tempo agora.

Pode ser. Mas acho que é aí que o lobo pega.

Luciano Pires