Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Uma certa ideia de Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Uma certa ideia de Brasil Excelente retrospectiva de 2003 a 2018 “Precisamos ter uma ideia de como nos vemos como país, de nosso passado, nosso presente e nosso futuro.” Pedro Malan Este não é, ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Pinte o seu quintal e seja universal

Pinte o seu quintal e seja universal

Luciano Pires -

Recebi um e-mail de um leitor, o Victor, sobre o caso dos refugiados que chegam à Europa e que tem estarrecido o mundo a cada dia.

“Luciano, eu preciso conversar com você sobre os refugiados, não consigo mais ver notícias de tantos morrendo, a ponto de tragédias virarem números. Existe uma dor imensa quando vejo as fotos ou notícias dos acontecimentos, mas ao mesmo tempo vem a impotência, pois tudo parece tão pouco diante de algo tão grande.

Queria pedir sua opinião, sobre isso, pois acredito que falta debate sobre as possíveis soluções. Queria pedir que soltasse uma isca intelectual para que mais pessoas pensassem em como ajudar, pois sozinhos não podemos fazer a diferença, mas muitos pensando, quem sabe o que acontecerá.”

Respirei fundo antes de responder. E mandei:

Caro Victor, a situação é realmente desoladora, mas tem a mesma dinâmica daquela que envolve os fanáticos degoladores do Exército Islâmico. Se os Estados que estão sofrendo as consequências daqueles malucos decidissem mobilizar suas forças para acabar com eles, o problema seria resolvido. No entanto não querem, e jogam a bomba no colo da Europa. Logo mais os EUA vão entrar na dança e serão acusados pela esquerda planetária de imperialistas e aquele mimimi todo que você conhece.

A resolução do problema começa nos países onde ele se origina, e a questão não é falta de dinheiro, é política. Tenho dúvidas se é preciso um esforço mundial, para mim tem que ser primeiro um esforço regional. Cuidar dos refugiados é uma ação humanitária e urgente, mas só trata dos sintomas. A doença nunca acaba.

É uma pena falar assim, mas quem pode resolver o problema, os Estados, não quer! E as vítimas são os indivíduos.

Por outro lado, alguns indivíduos conseguem fazer alguma coisa. Quer um exemplo? Assista este vídeo, que mostra a missão de Phil Harvey. Cuidado, pois tem imagens com conteúdo sexual: https://www.youtube.com/watch?v=f0Dzfae7D_I

Veja o que fez um rapaz cheio de vontade de mudar o mundo, quebrando preconceitos e barreiras e causando impacto na vida de milhões de pessoas que vivem a milhares de quilômetros de sua casa, em outros continentes, outras culturas. O polêmico Phil Harvey é um exemplo do que pode ser feito, mas ele fez disso um propósito de vida e poucos conseguem chegar onde chegou.

Nós, como indivíduos independentes, podemos organizar doações ou até mesmo oferecer nossas casas para receber refugiados de outros países. Essas são ações preciosas, necessárias e provas de caráter e dignidade, mas fazem mais bem a quem doa do que a quem recebe, pois perdem-se, são extraviadas, não têm um sistema de logística, não chegam até quem precisa. Numa situação calamitosa de dimensões planetárias como essa que assistimos, como você mesmo disse, isso é muito pouco.

Veja bem: não acho que essas iniciativas não devam ser tomadas, mas questiono a eficiência. Os vários programas de erradicação da fome na África já mostraram que doações só atenuam temporariamente o problema e, mesmo assim, para poucos flagelados. Se a perspectiva de que você ajudou pelo menos um necessitado for suficiente, vá em frente, faça as doações e retorne para seu dia a dia, torcendo para que garrafa d’água que você doou chegue até a criança sedenta. Mas repito: isso é muito mais uma forma de aliviar a consciência do que ação efetiva.

Se você não está à frente de alguma organização que tem capacidade de mobilização social, se você é apenas um indivíduo indignado, minha recomendação é: pegue essa energia gerada pela indignação com a situação dos refugiados na Europa e aplique na esquina da sua casa. Use a indignação para causar impacto nas pessoas que estão a seu redor. Lute pelos que sofrem perto de você. A chance de fazer algo efetivo, de impactar de verdade nas vidas das pessoas que estão a seu alcance, sem intermediários, é muito maior.

Dos problemas europeus cuidam os europeus. Dos problemas africanos cuidam os africanos. Dos conflitos humanitários em larga escala, cuidam os Estados, é para isso que eles deveriam servir.

Estou sendo insensível? Não. Estou reconhecendo minha impotência diante de uma tragédia dessas dimensões e usando a lógica, pensando em termos de economia, de como aproveitar da melhor forma os poucos recursos dos quais posso dispor.

Seu esforço, como indivíduo é mais útil e efetivo aí, no seu quintal. A menos que você decida ser um Phil Harvey.

Mas, de novo, quantos conseguem?