Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Pedrinhas no lago.

Pedrinhas no lago.

Luciano Pires -

Em minha palestra TUDO BEM SE ME CONVÉM, recorro a uma frase de Aristóteles: “Não se pode conceber o muitos sem o um.” Olho para um grupo de pessoas e não consigo ver uma massa uniforme, o que vejo são vários “eus”, cuja soma de escolhas e atitudes determinará o “nós”.

E às vezes é um desses “eus” que faz a diferença.

No livro Staring at the Sun, o professor de psiquiatria da Universidade de Stanford, Irvin Yalom, escreve que cada um de nós cria, geralmente sem ter consciência, círculos concêntricos de influência que podem afetar outras pessoas por anos ou até gerações. Nosso impacto e influência sobre uma pessoa pode ser passado para outras, da mesma forma que as ondas formadas por uma pedra atirada num lago vão crescendo, crescendo, perdendo a força até desaparecer, mas continuando microscopicamente.

Dê uma olhada nos grandes movimentos de mudança que aconteceram na história. Não precisa ir muito longe, fique aqui no Brasil. Por exemplo, um sujeito chamado César Zama, médico, político e escritor brasileiro de quem você provavelmente nunca ouviu falar. Em 1890, durante a elaboração da primeira constituição republicana, César defendeu o voto universal para que as mulheres pudessem participar da política. Deve ter sofrido um bocado, ouvido um monte de gente dizendo para esquecer, que nada ia mudar, mas aos poucos outros abnegados foram aderindo e um dia, em 1933, 23 anos depois da morte de César Zama, as mulheres ganharam o direito de votar. Tudo começou lá atrás, com a ação individual de um não cético que lançou uma pedrinha no lago: ploc!

É assim que a maior parte das grandes mudanças acontece, a partir da iniciativa de poucas pessoas, gente que a maioria cética ou ignorante chama de “bobos” ou “loucos”. São conspiradores aqui, formadores de opinião ali, indignados acolá, altruístas alhures, gente que começa lutas impossíveis e vai aos poucos influenciando os demais.

São os mais ativos que convencem os menos ativos, quase sempre num trabalho de formiguinha, jogando pedrinha após pedrinha no lago.

Vejo pelo meu trabalho no Café Brasil. Recebi várias mensagens após os dois programas sobre a importância do voto, dizendo que o ouvinte mudou de opinião após me ouvir, decidiu não anular seu voto e está usando o programa para convencer outras pessoas a mudar também. Joguei a pedrinha no lago e as ondas chegaram neles, que estão propagando para outros, e assim vai. Mas alguém jogou uma pedrinha antes de mim e as ondas me atingiram… Percebe? É assim que acontece.

Você que está decepcionado com as pessoas que pregam a não ação ou preferem se dedicar ao entretenimento xinfrim, deixando de lado aquilo que verdadeiramente importa, refina suas amizades. Deixe os idiotas pra lá. Procure gente que valoriza o pensamento, que puxa para cima. E jogue muitas pedrinhas no lago. Quem não gostar, não merece.

Você que não enxerga uma luz no final do túnel: desistir só é opção para os fracos. Os fortes são mais chatos que os idiotas, insistem, escolhem o menos ruim agora para escolher outro menos ruim depois, e outro menos ruim em seguida, num processo de depuração que um dia chegará ao bom. E jamais param de jogar pedrinhas no lago.

Ploc!

Pronto. Joguei mais uma.