Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
O Ismo Quântico é o fenômeno que acontece quando o ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Paladinos De Fraldas

Paladinos De Fraldas

Luciano Pires -


PALADINOS DE FRALDAS

Você já reparou nos promotores do Ministério Público? Fico sempre impressionado: são praticamente meninos e meninas! Jovens e com a imensa responsabilidade de acabar com a farra da corrupção que assola o país.  Lembrei-me então que Luiz Carlos Cruz, que é professor da UNIP, escreveu uma resposta a um artigo meu, enfocando justamente a atuação dos jovens promotores:

“Estou acreditando fortemente na criançada que está surgindo por aí com o seu diploma debaixo do braço, que viu seus pais levando porradas dos nossos governantes, e que acabaram por perder tudo, quase que a dignidade também. Com essa perda, essa criançada com 10 ou 15 anos à época viu os seus sonhos correrem entre os dedos, deixaram de vestir roupas de grife, os pais acabaram se separando. E agora, é o reverso da moeda, vão indiciar mesmo, vão atrapalhar mesmo e não vão permitir que ninguém fique impune, pois precisam lavar a alma e limpar o que foi feito com suas famílias.”

Uma visão instigante. Entende que a solução está nas mãos dos jovens, das novas gerações que são o resultado dos anos de chumbo, da velha república, da nova república e dos processos envelhecidos e tortos que descambaram no circo Brasil que hoje assistimos.
Diferente do esperado, esses jovens não cresceram tortos. Cresceram formando uma idéia clara do que é certo e o que é errado. E então vemos um garoto, que ainda não chegou aos trinta, colocando o velho político na cadeia…
Tenho reparado isso em meus filhos. Aos 22 e 16 anos, demonstram indignação com algumas coisas que, para mim, já são normais. E constato, constrangido, que entrei no jogo, perdi a sensibilidade – ou deixei de evoluir – para certas coisas que deveriam me indignar e, não raro, caio na velha ”sempre foi assim”…
Mas meus filhos não deixam barato. De uma simples lata de refrigerante jogada na praia até a mais profunda indignação ao ver senhores de terno discutindo aos berros na Câmara, reparo neles uma paciência menor que a minha. Uma consciência de que essas coisas não podem continuar.
Por exemplo, quando eu tinha a idade deles, era normal dizer que ia “caçar passarinhos”. Pois na cabeça deles, hoje, a idéia de matar um passarinho causa imediata repulsa e indignação. E eles é que estão certos!
Pois isso me traz uma esperança. A de que essa garotada que hoje começa a alcançar posições de poder, filhos de quem tem cinqüenta, sessenta anos, está mais treinada, mais preparada, mais antenada para valores que nós, seus pais, deixamos para trás.
Nosso sofrimento transformou-se em lição para eles. Nossa indignação serviu de motivação para eles. Nossos erros forjaram os acertos deles.
Tudo que fizemos de torto serviu para mostrar-lhes o direito.
No entanto… Continuamos negando-lhes o espaço para que se manifestem. Continuamos prendendo-os em cubículos para que decorem fórmulas. Continuamos alimentando-os de banalidades…
Encastelados em nossa “experiência”, continuamos a achar que nada temos a aprender com eles.

Ô tio! Acorda…