Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Seis dicas para o Eureka
Seis dicas para o Eureka
Isca intelectual de Luciano Pires sobre a maquininha de ...

Ver mais

A arte suave
A arte suave
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre uns lutadores, ...

Ver mais

A vida como processo
A vida como processo
Isca intelectual de Luciano Pires. A vida é um ...

Ver mais

Canalhas…ou estúpidos?
Canalhas…ou estúpidos?
Isca Intelectual de Luciano Pires lembrando que a ...

Ver mais

527 – Os X Men
527 – Os X Men
Podcast Café Brasil 527 - Os X men. O autismo é um ...

Ver mais

526 – Um jeito brasileiro de ser
526 – Um jeito brasileiro de ser
Podcast Café Brasil 526 - Um jeito brasileiro de ser. ...

Ver mais

525 – Empreende Dor
525 – Empreende Dor
Podcast Café Brasil 525 - Empreende Dor. ...

Ver mais

524 – O dia seguinte
524 – O dia seguinte
Podcast Café Brasil 524 - O dia seguinte. Pronto. ...

Ver mais

LíderCast 043 – Claudio Tomanini
LíderCast 043 – Claudio Tomanini
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

LíderCast 042 – Roberto Tranjan
LíderCast 042 – Roberto Tranjan
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

LíderCast 041 – Cassio Politi
LíderCast 041 – Cassio Politi
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

LíderCast 040 – Leo Lins
LíderCast 040 – Leo Lins
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Não estou ofendido.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Por Adalberto Piotto O advogado do ex-ministro Palocci, José Roberto Batochio, disse que lhe causou indignação o nome dado à operação da Polícia Federal que prendeu seu cliente, o ex-ministro de ...

Ver mais

Faltam heróis
Tom Coelho
Sete Vidas
“A escolha dos heróis diz muito sobre a sociedade que os escolhe.” (Ricardo Bonalume Neto)   Quem é Neymar Jr.? Para o mundo do futebol, é o maior jogador brasileiro da atualidade, com ...

Ver mais

Tudo o que foi feito poderia ter sido feito. E teve suas razões perenes ou temporárias
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Por Adalberto Piotto Bom senso pode ser agregado ao analisarmos o caso da prisão de Guido Mantega? Então, aos fatos: 1- Há que se compreender que, na avaliação inicial do MPF e do juiz Sergio ...

Ver mais

Tempos contemporâneos
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tempos contemporâneos  Novos horizontes e campos de ação na economia “O governo chinês priorizou a Economia Criativa no último Plano Quinquenal e está fazendo um esforço enorme para transformar a ...

Ver mais

Ostracismo social

Ostracismo social

Luciano Pires -

Em 2013, o senador Paraguaio Victor Bogado foi acusado de contratar Gabriela Quintana como babá, recebendo salário mensal equivalente a R$ 8.200. Metade do valor saía da folha de pagamentos do Legislativo e metade do caixa da Itaipu Binacional, cujo controle é partilhado entre as empresas estatais de energia Eletrobras e Andes.

Gabriela passou a ser conhecida como a “babá de ouro” do senador paraguaio. Quando o Ministério Público decidiu processar o Senador, 23 de seus 45 colegas votaram contra a retirada da imunidade parlamentar, o que causou indignação nacional. E a reação popular foi ótima: o ostracismo social.

Diversas empresas publicaram anúncios pedindo a renúncia dos 23 que confundiam imunidade com impunidade, e cartazes com seus nomes foram afixados na entrada de postos de gasolina, shopping centers e cinemas, informando que não eram bem-vindos. As senadoras Blanca Fonseca e Zulma Gómez foram impedidas de entrar em restaurantes e o senador Óscar Daher foi expulso de uma pizzaria aos gritos de “fora ladrão”. Até os táxis aderiram! Em Santa Catarina, onde os políticos paraguaios costumam passar as férias de verão, alguns hotéis expuseram cartazes com os dizeres: “Os 23 não são bem-vindos.”

A pressão foi tanta que os senadores voltaram atrás e autorizaram o processo contra o criador da “babá de ouro”.

Viu que genial? “Ostracismo social”, sem precisar botar fogo em ônibus, sair na porrada com a polícia, invadir prédios públicos…. apenas a reação legítima da sociedade contra quem não demonstra dignidade no exercício de seu mandato, chamando-os pelos nomes que ele têm.

Contei essa história numa de minhas palestras e a reação que ouvi de várias pessoas foi a esperada: “No Brasil isso não dá certo. Ninguém vai se importar.”

Ninguém vai se importar…

No país do “tudo bem se me convém”, do “jeitinho”, onde é normal, esperado e tolerado que pessoas eleitas – as “otoridades” – metam a mão no dinheiro público, parece que estamos inertes, reféns de um conformismo. E quando alguma reação aparece, é sempre contra entidades inimputáveis, contra o capitalismo, contra o imperialismo, contra a injustiça, contra alguns maus que nunca têm nome nem rosto. Ou cara.

Não funciona.

Se queremos botar ordem na bagunça, temos que apontar os responsáveis, dizer seus nomes em voz alta, pregar um cartaz com suas fotos na porta de entrada, chamá-los pelo que são de verdade: ladrões, oportunistas, aproveitadores, desonestos.

Ostracismo social é o nome do jogo.

Até para quem não tem vergonha.