Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
O princípio de Eisenhower
O princípio de Eisenhower
Isca intelectual de Luciano Pires para quem tem ...

Ver mais

Os monstros da negatividade
Os monstros da negatividade
Num momento de mudança, tudo que não preciso são os ...

Ver mais

Recuperando do trauma
Recuperando do trauma
Isca intelectual de Luciano Pires. Uma hora a ...

Ver mais

A Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil
Para quem está acostumado com a briga de rua em que se ...

Ver mais

509 – O tênis e o frescobol
509 – O tênis e o frescobol
Podcast Café Brasil 509 - O tênis e o frescobol. ...

Ver mais

508 – A dissonância cognitiva
508 – A dissonância cognitiva
Podcast Café Brasil 508 - A dissonância cognitiva. Você ...

Ver mais

507 – Amizades desfeitas
507 – Amizades desfeitas
Podcast Café Brasil 507 - Amizades desfeitas. Vale a ...

Ver mais

506 – O espelho
506 – O espelho
Podcast Café Brasil 506 - O espelho. Aquela votação ...

Ver mais

LíderCast 026 – Paulo Rabelo de Castro
LíderCast 026 – Paulo Rabelo de Castro
LíderCast 026 com Paulo Rabelo de Castro, que sonha com ...

Ver mais

LíderCast 025 – Sandro Magaldi
LíderCast 025 – Sandro Magaldi
Hoje converso com Sandro Magaldi, que está à frente do ...

Ver mais

LíderCast – Temporada III
LíderCast – Temporada III
Lançamento da terceira temporada do LíderCast, com ...

Ver mais

LíderCast 016 – Ozires Silva 1
LíderCast 016 – Ozires Silva 1
Hoje no LíderCast a primeira parte da entrevista com ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Ser e estar
Tom Coelho
Sete Vidas
“Às vezes penso, às vezes sou.” (Paul Valéry)   Tenho observado com cautela o comportamento das pessoas e suas atitudes na vida em sociedade. E seja no ambiente corporativo, familiar, ...

Ver mais

Convergências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Convergências Roteiro para preparação de palestra sobre os desafios da profissão de Economista “Quando não se faz o que gosta o máximo que se pode ser é mediano” Tibless[1] Graças, em parte, ao ...

Ver mais

Os Preocupados
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Incrível como contestadores abnegados, preocupadíssimos com a população em geral e seu sagrado bem estar, brotaram do chão nas últimas semanas. Aqui e no exterior. Devem ser patriotas ...

Ver mais

O caminho do meio
Tom Coelho
Sete Vidas
“Todas as coisas já foram ditas. Mas como ninguém escuta, é preciso sempre recomeçar.” (André Gide)   Equilíbrio. Talvez esta seja a palavra mais adequada para nortear a vida de qualquer ...

Ver mais

Ostracismo social

Ostracismo social

Luciano Pires -

Em 2013, o senador Paraguaio Victor Bogado foi acusado de contratar Gabriela Quintana como babá, recebendo salário mensal equivalente a R$ 8.200. Metade do valor saía da folha de pagamentos do Legislativo e metade do caixa da Itaipu Binacional, cujo controle é partilhado entre as empresas estatais de energia Eletrobras e Andes.

Gabriela passou a ser conhecida como a “babá de ouro” do senador paraguaio. Quando o Ministério Público decidiu processar o Senador, 23 de seus 45 colegas votaram contra a retirada da imunidade parlamentar, o que causou indignação nacional. E a reação popular foi ótima: o ostracismo social.

Diversas empresas publicaram anúncios pedindo a renúncia dos 23 que confundiam imunidade com impunidade, e cartazes com seus nomes foram afixados na entrada de postos de gasolina, shopping centers e cinemas, informando que não eram bem-vindos. As senadoras Blanca Fonseca e Zulma Gómez foram impedidas de entrar em restaurantes e o senador Óscar Daher foi expulso de uma pizzaria aos gritos de “fora ladrão”. Até os táxis aderiram! Em Santa Catarina, onde os políticos paraguaios costumam passar as férias de verão, alguns hotéis expuseram cartazes com os dizeres: “Os 23 não são bem-vindos.”

A pressão foi tanta que os senadores voltaram atrás e autorizaram o processo contra o criador da “babá de ouro”.

Viu que genial? “Ostracismo social”, sem precisar botar fogo em ônibus, sair na porrada com a polícia, invadir prédios públicos…. apenas a reação legítima da sociedade contra quem não demonstra dignidade no exercício de seu mandato, chamando-os pelos nomes que ele têm.

Contei essa história numa de minhas palestras e a reação que ouvi de várias pessoas foi a esperada: “No Brasil isso não dá certo. Ninguém vai se importar.”

Ninguém vai se importar…

No país do “tudo bem se me convém”, do “jeitinho”, onde é normal, esperado e tolerado que pessoas eleitas – as “otoridades” – metam a mão no dinheiro público, parece que estamos inertes, reféns de um conformismo. E quando alguma reação aparece, é sempre contra entidades inimputáveis, contra o capitalismo, contra o imperialismo, contra a injustiça, contra alguns maus que nunca têm nome nem rosto. Ou cara.

Não funciona.

Se queremos botar ordem na bagunça, temos que apontar os responsáveis, dizer seus nomes em voz alta, pregar um cartaz com suas fotos na porta de entrada, chamá-los pelo que são de verdade: ladrões, oportunistas, aproveitadores, desonestos.

Ostracismo social é o nome do jogo.

Até para quem não tem vergonha.