Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Sobre fascismo e a arte de comer picanha
Sobre fascismo e a arte de comer picanha
Isca intelectual sobre quem perde conteúdo excelente ...

Ver mais

Fale da trave
Fale da trave
Isca intelectual de Luciano Pires sobre a dificuldade ...

Ver mais

As lágrimas do milionário
As lágrimas do milionário
As lágrimas do milionário. Isca intelectual de Luciano ...

Ver mais

O agora
O agora
O agora. isca Intelectual de Luciano Pires sobre uma ...

Ver mais

522 – Folha seca
522 – Folha seca
Podcast Café Brasil 522 - Folha seca. Você certamente ...

Ver mais

521 – A cultura do confronto
521 – A cultura do confronto
Podcast Café Brasil 521 - A cultura do confronto. Nossa ...

Ver mais

520 – Cabeça fechada
520 – Cabeça fechada
Podcast Café Brasil 520 - Cabeça Fechada. Você tem ...

Ver mais

519 – Café com coach
519 – Café com coach
Podcast Café Brasil 519 - Café com coach. Luciano Pires ...

Ver mais

LíderCast 038 – Barbara Stock
LíderCast 038 – Barbara Stock
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

LíderCast 037 – Ricardo Marques
LíderCast 037 – Ricardo Marques
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

LíderCast 036 – Rodrigo Buchiniani
LíderCast 036 – Rodrigo Buchiniani
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

LíderCast 035 – Nono Figueiredo
LíderCast 035 – Nono Figueiredo
Bem-vindo, bem-vinda a mais um LíderCast. Hoje converso ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

O dilema dos millenials
Mauro Segura
Transformação
Uma pesquisa mostrou que 2 entre cada 3 millennials (também chamada de geração Y) pensam em deixar o emprego nos próximos três anos. Como funciona a cabeça dessa turma que pensa em transformar o ...

Ver mais

Tempo perdido
Tom Coelho
Sete Vidas
“Todos os dias, quando acordo, não tenho mais o tempo que passou.” (Renato Russo)   O que você pode fazer em duas horas? Assistir a um filme no cinema ou no conforto de seu lar. ...

Ver mais

Divorciados da história
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Por Adalberto Piotto   Recentemente, fui convidado a falar sobre a realidade brasileira. Nada desse rame-rame político dos jornais, mas análise aprofundada de nossa sociedade. Foram dois eventos, ...

Ver mais

Legado olímpico deficitário nem sempre é ruim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Legado olímpico deficitário nem sempre é ruim  Antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, publiquei um artigo bem amplo intitulado Olímpicas expectativas, em que analisava diversos ...

Ver mais

Ostracismo social

Ostracismo social

Luciano Pires -

Em 2013, o senador Paraguaio Victor Bogado foi acusado de contratar Gabriela Quintana como babá, recebendo salário mensal equivalente a R$ 8.200. Metade do valor saía da folha de pagamentos do Legislativo e metade do caixa da Itaipu Binacional, cujo controle é partilhado entre as empresas estatais de energia Eletrobras e Andes.

Gabriela passou a ser conhecida como a “babá de ouro” do senador paraguaio. Quando o Ministério Público decidiu processar o Senador, 23 de seus 45 colegas votaram contra a retirada da imunidade parlamentar, o que causou indignação nacional. E a reação popular foi ótima: o ostracismo social.

Diversas empresas publicaram anúncios pedindo a renúncia dos 23 que confundiam imunidade com impunidade, e cartazes com seus nomes foram afixados na entrada de postos de gasolina, shopping centers e cinemas, informando que não eram bem-vindos. As senadoras Blanca Fonseca e Zulma Gómez foram impedidas de entrar em restaurantes e o senador Óscar Daher foi expulso de uma pizzaria aos gritos de “fora ladrão”. Até os táxis aderiram! Em Santa Catarina, onde os políticos paraguaios costumam passar as férias de verão, alguns hotéis expuseram cartazes com os dizeres: “Os 23 não são bem-vindos.”

A pressão foi tanta que os senadores voltaram atrás e autorizaram o processo contra o criador da “babá de ouro”.

Viu que genial? “Ostracismo social”, sem precisar botar fogo em ônibus, sair na porrada com a polícia, invadir prédios públicos…. apenas a reação legítima da sociedade contra quem não demonstra dignidade no exercício de seu mandato, chamando-os pelos nomes que ele têm.

Contei essa história numa de minhas palestras e a reação que ouvi de várias pessoas foi a esperada: “No Brasil isso não dá certo. Ninguém vai se importar.”

Ninguém vai se importar…

No país do “tudo bem se me convém”, do “jeitinho”, onde é normal, esperado e tolerado que pessoas eleitas – as “otoridades” – metam a mão no dinheiro público, parece que estamos inertes, reféns de um conformismo. E quando alguma reação aparece, é sempre contra entidades inimputáveis, contra o capitalismo, contra o imperialismo, contra a injustiça, contra alguns maus que nunca têm nome nem rosto. Ou cara.

Não funciona.

Se queremos botar ordem na bagunça, temos que apontar os responsáveis, dizer seus nomes em voz alta, pregar um cartaz com suas fotos na porta de entrada, chamá-los pelo que são de verdade: ladrões, oportunistas, aproveitadores, desonestos.

Ostracismo social é o nome do jogo.

Até para quem não tem vergonha.