Artigos Café Brasil
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Os Porta-Vozes

Os Porta-Vozes

Luciano Pires -

No programa do Jô a senadora petista Ideli Salvatti, perguntada sobre a  incoerência do PT, que sempre combateu a CPMF e agora a defende, respondeu que é assim mesmo, que a oposição tem que dificultar. Mesmo contra os interesses do país… Enquanto falava, Ideli ostentava aquele sorriso sarcástico dos que só têm compromisso com o cinismo.

Ideli é uma porta-voz. Faz parte de uma máquina empenhada em dividir o Brasil em dois e colocar um lado contra o outro, espalhando a discórdia, a inveja e o ódio. Tudo em nome da “justiça social”. Já vimos esse filme na Alemanha, China, Vietnan e em tantos outros países onde grupos iluminados decidiram que sabiam como tornar a sociedade mais justa. O resultado foi um punhado de mortos. Só uns 200 milhões…

Quando eu tinha nove anos, um de meus melhores amigos era o Bóia, meu vizinho, filho de uma família de japoneses cujo pai era mecânico de automóveis. A família morava nos fundos da oficina, uma autêntica “boca de porco” – como a maioria das oficinas no começo da década de sessenta. Eu era de classe média – o equivalente à classe B de hoje – com pai executivo e mãe professora. O Bóia era o que hoje consideramos classe C. E éramos excelentes amigos. Eu vivia na casa dele. Não me lembro de jamais ter algum problema pela diferença de classes.
Me lembro também de nossa empregada, a Maria. Sua família vivia na roça em Jacuba, próximo a Iacanga, perto de Bauru. E lembro-me de ir com ela passar o final de semana por lá, dormindo na casa humilde, almoçando e jantando com eles. E eu era o filho do patrão. Nenhum problema.
Na escola eu dividia a sala de aula com garotos de todas as classes sociais. A percepção do Brasil que me acompanhou durante aquele período de infância e juventude foi a do país cordial, tolerante, bem humorado e com um futuro brilhante. E mesmo com todos os problemas de país subdesenvolvido, era um Brasil feliz. Essas lembranças representam um ideal de país que já vivi, mas que parece não existir mais.
Recentemente, saindo com a família de um jantar numa churrascaria, comecei a conversar com um dos manobristas sobre futebol e política, enquanto aguardava o carro. Um papo natural, bem ao estilo dos brasileiros. Aquele manobrista sabia que eu havia gastado o equivalente a seu salário mensal no jantar. Mas naquele momento éramos apenas dois brasileiros conversando animadamente. O abismo social não impedia a cordialidade e o respeito entre nós.
A mesma cordialidade e respeito que existia entre eu, o Bóia e a Maria.
Mas a turma que se intitula “porta-voz” dos oprimidos não admite essa cordialidade. Nas situações que descrevi, nunca vê dois brasileiros. Vê um explorador e um explorado. Quer que eu me sinta culpado.

Uma pregação que se quer marxista, socialista, esquerdista ou revolucionária – mas que na verdade só é burra – está dividindo o país em duas classes: a “elite” e os oprimidos. E dizendo a elas que não “se misturem”. Na verdade, que se odeiem. Essa pregação doentia rotula-me de elite, dando conotação de ofensa ao termo. E diz que sou responsável pela miséria.
Para os “porta-vozes”, os miseráveis e oprimidos têm o direito de colocar um revólver na minha cabeça e levar meu relógio. E a culpa será minha.
Os “porta-vozes” são uma minoria instalada nos partidos políticos, nos órgãos governamentais, nos sindicatos, nas escolas, nas empresas, nas igrejas, em seu condomínio. Uma minoria ideologicamente confusa e míope, a serviço de uma estratégia de poder. Uma minoria capaz de mobilizações, e que acaba influenciando a maioria silenciosa…
Quem foi que deu a essa turma a licença para ser “porta-voz” do ódio? A que objetivos serve essa doutrinação? Qual é a percepção de país que esses porta-vozes lutam para criar na cabeça dos meninos e meninas de nove anos de hoje? Será aquela do Brasil cordial que eu, o Bóia e a Maria tínhamos? Ou será a do Brasil no qual devo ter medo do Bóia e da Maria e eles devem me odiar?

Dispenso os “iluminados” que acham que podem mudar o mundo. Prefiro continuar humildemente não fazendo aos outros o que não gostaria que fizessem comigo.
Se 180 milhões de brasileiros agirem assim, vamos colocar o Brasil nos trilhos. Sem precisar do cinismo dos “porta-vozes”.