Artigos Café Brasil
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Os Patrulheiros

Os Patrulheiros

Luciano Pires -

Recebi de um patrulheiro pelos direitos dos gays um e-mail ameaçando me cobrir de porrada. Afinal, escrevi que o Lacraia, que faz dupla com aquele ícone da MPB chamado Mc Serginho, era efeminado.
E os patrulheiros do PT? A cada vez que cometo a ousadia de criticar Lula ou seus companheiros, sou acusado de “preconceituoso” contra o humilde operário… Lula é um caso raro. Mais de trinta anos longe de um torno e levando uma vida de nababo continua “humilde operário”…
E os patrulheiros de “El comandante”? Vieram pra cima de mim, ferozes, quando insinuei que o regime político castrista é uma merda.
E o patrulheiro que trabalha numa fábrica de eletrodomésticos? Escreveu reclamando (é sério!) que ofendi os trituradores de lixo quando comparei a televisão com aquele precioso e tão útil equipamento.
Ah, teve também a advogada, ativista racial raivosa que me detonou quando chamei o Ministro Joaquim Barbosa de “negão”.
Mas um deles superou-se. Escrevi que fui com minha filha jogar veneno num formigueiro que estava destruindo nosso jardim e o cara acabou comigo. Era um ativista pelos direitos das formiga!.
Pois é… Ativistas. Militantes. Patrulheiros.


Comecei a pensar no assunto depois de ler duas notícias coincidentemente complementares. Primeiro sobre o lançamento do documentário “Simonal – Ninguém sabe o duro que dei”, de Claudio Manoel em parceria com Micael Langer e Cavilto Leal. O filme trata da carreira de Wilson Simonal, um dos maiores fenômenos da música popular brasileira. Tenho muitos leitores jovens, que desconhecem quem foi Simonal. Em vez de ficar falando, dou uma sugestão: vá até o Youtube, digite “Simonal” e procure a apresentação que ele fez ao lado da lendária diva do Jazz Sarah Vaughn em 1970. O endereço é este: http://br.youtube.com/watch?v=8Hc0FGmXONk .
Não é preciso dizer mais nada…


Simonal estava no auge da carreira, com seus trinta anos, quando descobriu que seu contador estava desviando dinheiro. Chamou uns “amigos” da polícia que deram uma dura no contador. Enquanto o sujeito apanhava, Simonal dizia algo como: “Toma cuidado comigo, pois sou amigo dos home!”. Ocorre que alguns dos policiais faziam parte do SNI – Sistema Nacional de Informação, a temida “polícia” política do regime militar. E a história se espalhou: Simonal, então, seria informante do SNI. O cantor, acusado de dedo-duro passou a ser patrulhado. Dezenas de músicos foram pressionados a não tocar mais com ele, que teve a carreira destruída em questão de dias. Simonal faleceu desgostoso aos 61 anos, em 25 de junho de 2000. Pouco depois os arquivos do SNI comprovaram que ele jamais foi informante da repressão. E a Comissão Nacional de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil reabilitou Simonal oficialmente em 2003.
Mas era tarde demais.


A campanha mais virulenta contra ele foi d’O Pasquim, o tablóide que marcou época no jornalismo brasileiro como peça de resistência ao regime militar dos Anos de Chumbo. O que nos leva à segunda notícia. O Ministério da Justiça acaba de autorizar o pagamento de uma indenização de mais de um milhão de reais e de uma pensão mensal vitalícia para os cartunistas Ziraldo e Jaguar, que dirigiam o Pasquim durante aqueles anos. A indenização é por prejuízos morais e financeiros causados pela censura e pelas prisões a que foram submetidos durante a repressão.
Millôr Fernandes, um dos fundadores do jornal, ao ficar sabendo, sacou esta: “Então eles não estavam fazendo resistência. Estavam fazendo previdência”.


Não pretendo discutir a legalidade ou moralidade da indenização. Quero apenas deixar no ar uma pergunta.
Quanto as patrulhas pagarão para a família de Wilson Simonal, a título de indenização por prejuízos morais e financeiros?
Ah, mas Simonal, como o jovem soldado que foi morto ou o sujeito que perdeu a perna no atentado a bomba dos ”revolucionários”, estava do “outro lado”. É “efeito colateral”.
Cega, a justiça não se aplica a eles.


Pronto! Virei patrulheiro.