Artigos Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Os monstros da negatividade

Os monstros da negatividade

Luciano Pires -

Nesta manhã de 12 de maio de 2016, minutos após a notícia do afastamento de Dilma Rousseff pelo Senado, me sinto num daqueles diálogos:

– Bom dia!

– Bom dia pra você, pra mim tá uma merda!

– Você está bonita hoje!

– Eu não estava bonita ontem?

Imagino que todo brasileiro esteja descontente com os caminhos que o país tomou até aqui. Imagino que ninguém esteja satisfeito com os números da economia ou dos indicadores sociais. Entendo que ninguém se conforma com os 11 milhões de desempregados. Compreendo que todos estejam indignados com as comprovações da corrupção em todos os setores. Acredito que todos os brasileiros querem mudança, aliás, urgem por mudanças. Não dá para continuar como está.

E então nos mobilizamos, vamos às ruas, demonstramos que quem quer a mudança é a maioria, todos os passos que a lei exige são seguidos, direito de defesa é dado a todos os acusados em todas as etapas do processo e, por decisão da maioria, a mudança acontece.

E o que vejo, especialmente nas mídias sociais, é a quantidade assustadora de gente com pensamento negativo sob todas as formas, imputando motivações e intenções negativas a qualquer um que se diz esperançoso, manifestando incredulidade com qualquer um que decida participar da mudança, pessimistas apostando que nada dará certo, desconfiança, má vontade, aversão a risco e frustração. Embora a gente tenha de lidar de quando em quando com essas pessoas negativas, elas têm de lidar consigo mesmas todo o tempo. E isso é uma fonte inesgotável de angústia. No fundo os monstros da negatividade pensam assim:

– Se as pessoas agissem como eu quero, aí sim as coisas andariam bem.

Sentiu a arrogância dos que se sentem acima dos demais, capazes de entender o que os outros não entendem, de enxergar o que outros não enxergam, certos de que são capazes de prever o futuro pessimista que os ignorantes que acham que “agora vai” não têm?

Os que assaltam as áreas de comentários com suas ideias negativas são incapazes de perceber sua atitude destrutiva no momento em que precisamos nos unir para construir. As coisas não estão indo do jeito que a pessoa quer e como ela não tem maturidade para compreender esse sentimento interno de frustração, nem para comunica-lo de forma produtiva, faz o que aprendeu quando criança: chora. Esperneia. Birra. Foi o que sobrou para os que experimentam a angústia de não ter controle sobre sua vida. Para os que precisam admitir a consciência de sua impotência.

E o pior: quem está pessimista em relação a seu futuro, jamais conseguirá contribuir para o sucesso dos outros. Aliás, culpar esses outros, o sistema, as elites, os elementos externos, é o que existe em comum nos monstros da negatividade.

Para quem está em outra vibe, apostando na mudança, aceitar os negativos esperando que, com o tempo, mudarão de visão, é uma atitude passiva que alimenta o monstro da negatividade, que se sentirá justificado, ficará mais forte e violento, apostando que em algum momento dirá o “eu avisei!”. E inconscientemente, até mesmo trabalham para isso!

Apenas reconhecer e tolerar o direito do outro de ser negativo, não muda nada.

O que fazer então?

Bem, primeiro cuidar de sua armadura emocional para não se contaminar com os negativos. Proteger sua energia, sua motivação para mudar.

Depois demonstrar sua segurança, deixar claro que você escolheu outro caminho e – se possível – explicar a razão. Mostrar que você prefere aceitar os riscos e ter a chance de acertar a permanecer no ressentimento passivo. O negativo não sabe mais que você, não pode adivinhar o futuro, só pode se alimentar de suas angústias e gerar energia negativa para que as coisas não mudem.

“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra disso? Essa frase arrogante foi dita por um monstro da negatividade. Não quero gente assim por perto. Não preciso de gente assim por perto. Neste momento, quero gente positiva, que contamina os outros com sua energia boa. Gente que fará bem para mim.

Entendido? Neste texto falei como agirei de dentro pra fora para participar do momento de mudança do Brasil e vencer os monstros da negatividade.

Agora preciso trabalhar.

Tem mais um monte de bandido pra botar na cadeia.