Artigos Café Brasil
O Irlandês
O Irlandês
O Irlandês é um PUTA filme, para ser degustado. Se você ...

Ver mais

Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Café Brasil 694 – Maus Professores – Revisitado
Café Brasil 694 – Maus Professores – Revisitado
Você é dos que acham que o mundo vai de mal a pior nas ...

Ver mais

693 – O influencer e o manipulator
693 – O influencer e o manipulator
Existe uma disciplina chamada Psicologia Social, que é ...

Ver mais

692 – Jabustiça
692 – Jabustiça
Justiça... onde é que a gente encontra a justiça? Nos ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
Luciano Pires: Bom dia, boa tarde, boa noite. ...

Ver mais

LíderCast 179 – Varlei Xavier
LíderCast 179 – Varlei Xavier
Professor, que levou a figura do palhaço para a sala de ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Números reveladores
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Números reveladores “Para aumentar a performance de um país, é preciso investir na base, pensar em políticas e estratégias para que os mais vulneráveis aprendam. Não adianta fazer com que ...

Ver mais

Petróleo e pedras
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem acompanha corridas – de carro ou moto – pelo mundo sabe que os veículos elétricos estão na moda; desde o motociclismo de alta performance até disputas dignas de Fórmula 1. Meu ...

Ver mais

A dubladora
Chiquinho Rodrigues
Eu e esta minha imensa boca estamos sempre nos metendo em grandes confusões simplesmente porque eu não penso antes de falar. Te conto: Tenho uma amiga que tem uma das profissões mais ingratas e ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Função da Gramática (parte 7)
Alexandre Gomes
A função fundamental da Gramática é ESTABELECER LEIS para RELACIONAR SÍMBOLOS de modo a expressar um PENSAMENTO. Uma frase expressa um pensamento de várias formas: numa declaração, numa pergunta, ...

Ver mais

Cafezinho 236 – Farinha Pouca
Cafezinho 236 – Farinha Pouca
Separe os temas importantes e urgentes para este ...

Ver mais

Cafezinho 235 – Pedrinha no Lago
Cafezinho 235 – Pedrinha no Lago
Pronto. Joguei mais uma.

Ver mais

Cafezinho 234 – Oportunismo Disciplinado
Cafezinho 234 – Oportunismo Disciplinado
Foi o “oportunismo disciplinado” que me transformou no ...

Ver mais

Cafezinho 233 – Na raiz dos problemas
Cafezinho 233 – Na raiz dos problemas
"Época triste esta nossa, quando é mais fácil quebrar ...

Ver mais

#ORGULHOEVERGONHA

#ORGULHOEVERGONHA

Luciano Pires -

Elaboro este texto no dia 9 de Julho de 2014, quarta feira das cinzas, tentando aplacar os sentimentos desta manhã de ressaca dos 7 x 1 que a Alemanha aplicou na Seleção Brasileira em eliminatória da Copa do Mundo. Não apenas pelo jogo, que é inexplicável, mas pelo momento que vivemos no país.

Escrevi muito tempo atrás e repito: a Copa no Brasil seria exatamente como o Carnaval na Marquês de Sapucaí, no dia do evento fazemos o maior espetáculo da terra, quebra um carro aqui, cai um destaque ali, mas no geral é maravilhoso. Dois dias depois as fantasias desmancham, as cores desbotam, os brilhos esmaecem, a cola solta, a tinta descasca, os ferros enferrujam e o que não é descartável fica empilhado num terreno baldio, deteriorando. E a turma vai pagando as contas até recomeçar tudo no ano que vem.

Antes da Copa vimos manifestações por todos os lados pregando o desastre, dizendo que tudo daria errado. Matérias pelos jornais estrangeiros dando conta dos perigos de vir ao Brasil, da prostituição, da miséria, da corrupção, dos desmandos. Por ver nas críticas, várias delas injustas, um fundo de verdade, senti vergonha.

Passada a Copa os estrangeiros retornam para suas casas deslumbrados com o Brasil, com a festa, com nossa simpatia, nosso sol, praias, educação e alegria. Os estádios ficaram lindos, os jogos foram emocionantes, com talento e drama na medida exata (até os 7 x 1, pelo menos). A Copa do Mundo no Brasil, assim como o desfile das escolas na Marquês de Sapucaí, foi um sucesso. E isso me enche de orgulho.

Mas quando penso na prioridade que demos à Copa enquanto problemas fundamentais continuam de lado, sinto vergonha.

E o espetáculo da torcida e dos jogadores no momento do hino? Como não se arrepiar, não se emocionar, não cantar junto? Me deu orgulho!

Mas acabou, hoje é quarta feira das cinzas do Massacre do Mineirão. Os 7 x1 foram o tapa que o mocinho dá na mocinha descontrolada para ela acordar para a realidade.

E agora? Não tem juiz pra botar a culpa. Não tem gramado pra botar a culpa. Não tem onde botar a culpa, a não ser em nós mesmos. É hora de retornar à realidade, aos problemas que todos conhecemos, e agora com os 7 x 1 nas costas. Que vergonha.

Mas o Massacre do Mineirão pode ser pedagógico: talvez – eu disse talvez – extrapole o futebol e contribua para acabar com a arrogância, o “jeitinho”, o “a gente se vira”, o “na hora dá certo”. Para mostrar que é impossível levar um sonho adiante sem gente capaz de colocar em prática um plano. Mostrar que o “mais ou menos” é pouco, que talento é fundamental, mas sem disciplina e aplicação fica dependendo da sorte. E que talvez Deus não seja só brasileiro.

– Mas gente, Copa do Mundo é só futebol, que é só um jogo!

Verdade. Mas a Copa do Mundo no Brasil foi também uma metáfora sobre orgulho e vergonha.

Lembro-me então que um leitor chamado Claudio, ao comentar um artigo em que eu falava do orgulho e da vergonha de ser brasileiro, soltou esta pérola: “… se tenho orgulho ou vergonha do meu país? Acho que tenho vergulho. Ou orgonha. Vale ter vergonha e orgulho ao mesmo tempo?”

Vergulho e orgonha… Taí. Tenho orgonha de ser brasileiro.

E se tivéssemos conquistado o hexa eu teria vergulho.

O que, no fim, dá na mesma.

Luciano Pires