Artigos Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

OrgulhoDeSerCorrupto

OrgulhoDeSerCorrupto

Luciano Pires -

#OrgulhoDeSerCorrupto

O Trust Barometer é uma pesquisa realizada anualmente pela empresa Edelman, que tem como objetivo avaliar o índice de confiança da população nas instituições. A edição mais recente foi aplicada em 28 países, contou com 33 mil entrevistas e foi completada no final de 2016.

No texto de apresentação da pesquisa os organizadores dizem que 2016 foi um ano atípico, quando 5 dos 10 mandatários ou partidos das nações mais importantes foram depostos ou derrotados (Brasil,  Itália, Coréia do Sul, Inglaterra e Estados Unidos). Falam dos escândalos de corrupção no Brasil e concluem que 2/3 dos países pesquisados hoje são “distrusters” ou “desconfiados”, o que aponta para uma profunda crise de confiança em escala global.

Era de se esperar, não é?

E eles concluem dizendo que “conforme a confiança nas instituições decai, os conceitos básicos de justiça, valores compartilhados e igualdade de oportunidades que tradicionalmente são sustentados pelo ‘sistema”, não são mais garantidos. Observamos uma profunda desilusão da esquerda e da direita, que compartilham uma oposição à globalização, inovação, desregulação e instituições multinacionais. Há um desespero crescente em relação ao futuro, uma falta de confiança na possibilidade de uma vida melhor para nossas famílias.”

A pesquisa apontou que apenas 15% da população acredita que o presente sistema está funcionando, contra 53% que acreditam que não e 32% que não tem certeza.  E esse descrédito é o campo fértil para o surgimento de movimentos populistas que se alimentam do medo. Perto da metade do que a pesquisa classifica como “público informado”, adultos entre 25 e 64 anos de idade com educação superior, entre os 25% de melhor renda e que consomem as mídias, afirma ter perdido a fé no sistema.

A confiança na imprensa caiu em 82% dos países pesquisados, estando no ponto historicamente mais baixo em 17 deles.

Dois terços da população perdeu a fé na capacidade de seus líderes de resolver os problemas que se apresentam. E leia isto: “ Uma pessoa comum tem hoje tanta credibilidade quanto um acadêmico ou um técnico especialista, e mais credibilidade que um CEO ou representante do governo, o que implica numa mudança do eixo da comunicação, que agora é horizontal, de indivíduo para indivíduo, evidenciando a dispersão da autoridade em direção aos amigos e à família.”

Os números do Brasil são especialmente preocupantes na pesquisa, cujo resumo pode ser visto aqui: http://www.edelman.com/executive-summary/ .

Muito bem. Essa pesquisa da Edelman me voltou à memória ontem, quando vi em todos os canais de televisão a imagem de Emilio Odebrecht contando como sua empresa se envolveu no maior escândalo de corrupção da história da humanidade, ao comprar parlamentares, manter relações espúrias com o poder central e, em certa medida, definir nos porões dos palácios os rumos de nosso país nos últimos 30 anos.

Vimos ontem um dos maiores empresários do país, à frente de uma das maiores construtoras do mundo, apoiado pelo filho e por agentes do governo, enquanto encoberto pela imprensa, exibindo seus valores morais tortos, sua falta de compromisso com seu país, com seus conterrâneos, comigo, com você.

E ele fez isso sorrindo.

Foi como se eu tomasse uma bofetada.

O resumo dos depoimentos de Odebrecht é: “tudo bem se me convém”, a frase que, em 2009, sugeri que substituísse o “Ordem e Progresso” de nossa bandeira.

E eu estava certo.

Neste Brasil confuso, perdido, aviltado, onde a confiança morreu, eles ostentam o orgulho de serem corruptos.

E conseguem fazê-lo sorrindo.