Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Onde está a graça?

Onde está a graça?

Luciano Pires -

Lá vou eu me incomodar. Mas eu gosto…

Antes de escritor, palestrante, radialista ou consultor, sou um cartunista. Essa é minha raiz, é a base sobre a qual me formei. Cartunistas são críticos sociais, que têm um olhar treinado para a piada. Se você me perguntar qual é minha missão eu digo: é a busca sistemática, organizada e contínua pela piada. Há muito ampliei meu conceito de “cartum”, saindo do desenho para tratar um texto, um vídeo, um podcast e até mesmo uma palestra como um grande cartum. Sou um cartunista que também desenha.

Quando consigo que meu leitor, ouvinte ou espectador esboce um sorriso, abro uma avenida para seu coração. E planto lá uma isca intelectual.

Publiquei esta semana um post, que também considero um cartum, no Facebook. Tratava dos acontecimentos ocorridos no Congresso, quando Renan Calheiros mandou esvaziar as galerias. Diante do título de uma reportagem “Segurança dá gravata em senhora de 79 anos” e a foto do ocorrido, o cartunista montou a imagem mental de um ringue do MMA com o segurança deitado no chão dando um mata leão, aquela gravata fortíssima que faz o adversário desmaiar, na velhinha. Uma cena ridícula, absurda e exagerada. E por isso mesmo, um ótimo cartum.

Então comecei a burilar o post. Como usar a imagem do mata leão sem incorrer numa inverdade? Fui à procura do termo adequado e encontrei o “prepara”. “Segurança prepara mata leão em senhora de 79 anos.” É menos enfático, traz menos certezas, mas continua exagerado, levando a atitude truculenta do segurança para o campo do ridículo.

Próximo passo: pesquisar quem era aquela senhora. O nome dela é Ruth Gomes de Sá, e estava num grupo de oposição que protestava contra as manobras do governo para dar um nó na Lei de Diretrizes Orçamentárias. Essa descoberta me deu o gancho para a super provocação do post. Será que a OAB soltaria uma nota indignada? A ministra dos direitos humanos idem? O Coletivo Amplo Geriátrico das Amigas da LDO (a sigla é ótima) faria um evento em desagravo? Claro que não. Só se dona Ruth fosse ligada a algum movimento social das esquerdas. Não é assim que sempre acontece? O vitimismo seletivo?

E o post ficou assim:

“Segurança do Congresso prepara um mata-leão numa senhora de 79 anos que ontem protestava contra manobra governista. Ficou por isso mesmo. Agora imagine se essa senhora fosse da esquerda…”

Exagerado, ridículo, excessivo… um cartum.

Mas por que não apenas mostrar a foto e relatar o fato? Porque aí não seria um cartum, uma provocação. Seria apenas mais um post igual às centenas que você viu por aí.

Publiquei e esperei pelas reações, que é quando me divirto. O post teve até agora 2152 curtidas, 224 comentários, mais de 1700  compartilhamentos. Muita gente apenas liberou sua indignação, mas outros tantos pensaram, exatamente minha intenção. E logo chegaram os que leem o que escrevo, interpretam como querem ou podem, transferem para mim a conclusão que tiram e me atacam pela conclusão. O sujeito lê “segurança prepara um mata leão” e entende “segurança aplica um mata leão”. Cai o disjuntor e ele vem comentar que aquilo não é um mata leão. Outro vem questionar: como sei que a senhora não é de esquerda? Focados no acessório, deixam de lado o principal: a truculência e o vitimismo seletivo.

Bote na cabeça: não sou aquele desocupado que passa pelo Facebook pra dar uma especulada. Meus posts, assim como meus textos, podcasts e palestras, são parte da minha profissão. Antes de publicar, penso e repenso: como dar um nó na cabeça das pessoas? Como num cartum, não coloco nada por acaso. A ironia é pensada, o exagero é pensado, a ilustração é pensada, as reticências são pensadas. Tudo feito para incomodar, para provocar uma reação. Se você não achou graça, se foi contra ou a favor, não importa, desde que não fique indiferente… e pense!

Por isso tome cuidado. Quem lê e não pensa, corre o risco de fazer papel de bobo.

E aí diverte o cartunista.