Artigos Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 06 Em seu dia a ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 05 Começo esta ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Especial é o seu bolso, não o cheque
Tom Coelho
Sete Vidas
“Você não fica rico com o que ganha; fica rico com o que poupa.” (Yoshio Teresawa)   Crédito de cheque especial lembra visita de parentes distantes. Eles chegam quase sem avisar para um ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Oito ou oitenta

Oito ou oitenta

Luciano Pires -

Recebo um recado muito interessante de um ouvinte lá do Pará. Olhe só:

“Boa tarde Luciano, sou um ouvinte assíduo do seu podcast, o Café Brasil, e há algum tempo escutei um comentário seu a respeito da culpa do patrocinador do entretenimento pocotó, tal como o Big Brother. Todavia, sou um patrocinador desses eventos, sou um empresário dono de supermercado e não escolho outras mídias por um motivo simples, elas não trazem retorno similar. Então eu lhe pergunto: como você vê a situação do empresário que possui recursos limitados e precisa escolher certo? No meu caso em particular, possuo verba limitada e ação limitada, pois sou uma empresa tradicional, daquelas que o cliente vem e faz a feira do mês. Já pensei em atitudes como sopão ou patrocínio de eventos locais, entretanto, além de não dar o retorno igual à mídia pocotó, elas não são sustentáveis, não é um marketing social verdadeiro, pois a meu ver, quando eu me retirar, o projeto morre. Essa é a situação que me deparo, como ser lucrativo e ao mesmo tempo ser responsável.”

Respondi assim: “Compreendo perfeitamente seu dilema. Quando estive à frente do departamento de MKT de uma multinacional tive o mesmo dilema. Sofria quando tinha que autorizar propostas de veiculação nas mídias pocotós que os especialistas das agências de propaganda traziam. Como resolvi isso? Defini um dia que alocaria x% da verba em projetos de desenvolvimento cultural, que eu sabia que dariam pouco ou até nenhum retorno direto. Se a verba para os pocotós subia, o valor absoluto representado por aqueles x% também subia. E assim consegui patrocinar dezenas de projetos legais, lancei autores, distribuí conteúdos, lancei livros, CDs, sites, etc.

Quando visito meus potenciais patrocinadores costumo dizer: “Em vez de investir R$ 4 milhões na Rede Globo, invistam R$ 3,8 milhões. E botem R$ 200 mil no Café Brasil, pô!” Esses 200 mil não farão nenhuma diferença na campanha deles, mas podem ser o futuro do Café Brasil.

Veja este exemplo bobo: se sua verba é R$ 10.000, dedique R$ 500 para um projeto que valha a pena. Encontre uma ONG ou algo parecido e aproxime-se deles. 12 meses de R$ 500 serão R$ 6.000… E projetos que custam 10 mil podem ser feitos com 9,5 mil… E assim vai. Não resolve o problema, mas esses 5% que são pouco para você, talvez sejam tudo que aquela ONG precisa.

Neste mundo de extremos, é comum achar que é tudo ou nada, que é oito ou oitenta, mas não precisa ser assim. Quem pensa dessa forma só lidará com confrontos, gastando mais energia que o necessário.
Comece com oito. Ele pode ser oitenta pra muita gente.”

Ele agradeceu e seguimos em frente.

Acho que vai acontecer alguma coisa lá em Paragominas…

Luciano Pires