Artigos Café Brasil
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

575 – As horas
575 – As horas
Quem segue o Café Brasil sabe da fascinação que temos ...

Ver mais

Café Brasil Curto 20 – Acho por acho
Café Brasil Curto 20 – Acho por acho
Não queira ser mestre sem antes ser discípulo.

Ver mais

Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Aceitemos a luz. E paremos com essa bobagem do "sempre ...

Ver mais

574 – Os agoristas
574 – Os agoristas
Café Brasil 574 - Os agoristas. Vivemos no presente, ...

Ver mais

LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 – Waldey Sanches - Waldey Sanches é um ...

Ver mais

LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 – Raquel e Leo Spencer – A Raquel e o ...

Ver mais

LíderCast 075 Renato Seraphin
LíderCast 075 Renato Seraphin
Renato Seraphin é presidente da Albaugh, uma empresa do ...

Ver mais

LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 – Camila Achutti é uma jovem e muito bem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

37 não é febre
Tom Coelho
Sete Vidas
“Nada mais comum do que julgar mal as coisas.” (Cícero)   “Filha, leve um agasalho, pois vai esfriar.” “Querido, lembre-se de seu guarda-chuva; parece que vai chover…” “Não vá tomar ...

Ver mais

Lições de viagem 10
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 10 Itália  Penso che un sogno così non ritorni mai più mi dipingevo le mani e la faccia di blu poi d’improvviso venivo dal vento rapito e incominciavo a volare nel cielo ...

Ver mais

Gente do bem
Tom Coelho
Sete Vidas
“Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos, 12:21)   Em meio ao trânsito desordenado, um motorista gentilmente cede-me passagem. Visito um ex-professor na faculdade ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2017
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2017 Memoráveis citações “Quando foi criada a Faculdade de Ciências Econômicas da USP, em 1945, eu decidi fazer Economia. Fiquei muito feliz com a Economia, me ajustei ...

Ver mais

Obrigado Senhor!

Obrigado Senhor!

Luciano Pires -

Cena 1: Na abertura de minha palestra TUDO BEM SE ME CONVÉM, mostro um lance da Copa do Mundo de 2014, no jogo de abertura contra a Croácia, quando o centroavante Fred se joga dentro da área e cava um pênalti. O lance é exibido sob vários ângulos e em câmera lenta, deixando claro que não foi pênalti. Mas o juiz foi enganado pelo jogador e marcou a falta. Gol  do Brasil e primeira vitória naquela Copa de triste memória.

Deixo para o final o melhor do lance, a imagem de Fred, com os dedos levantados para o céu, agradecendo a Deus pela jogada…

– Obrigado Senhor, por ter me ajudado a dar um beiço no juiz. Eu fingi direitinho, ele caiu, e nós vamos ganhar o jogo. Obrigado Senhor!

Afinal, vale gol de pênalti que não foi? Vale gol de mão? Não? Mas a Argentina tem um título de Campeã do Mundo com um gol de mão vergonhoso do Maradona, pô!

Vale tudo para atingir seu propósito?

Cena 2: No filme SICÁRIO, com Emily Blunt e Benício del Toro, que concorre ao Oscar este ano, há uma cena semelhante às que aparecem em dezenas, milhares de outros filmes: o bandido em sua mansão, jantando placidamente com a família e curtindo sua riqueza, sem se importar que para isso tenha destruído outras famílias. Para ele não existem questões morais, manda quem pode, quem tem mais força, obedece quem tem juízo. Aquele bandido conquistou seu propósito: garantir uma vida confortável para sua família, sem se questionar moralmente sobre o que ou como fazer para chegar lá. Para o bandido, não existe certo e errado, existe sucesso ou fracasso. E ele é temido, idolatrado e protegido pela mesma sociedade que oprime.

Cena 3: ouvi num talk show norte americano uma comentarista falando sobre a corrida presidencial dos Estados Unidos, na qual Donald Trump que, durante muito tempo foi uma piada, despontou como um provável candidato dos republicanos à sucessão de Barak Obama. Perguntada sobre como é que um candidato desbocado, preconceituoso, beligerante e grosseiro conseguiu aquele sucesso, ela respondeu de forma simples e brilhante:

– O povo não está se importando com o que Trump diz ou deixa de dizer, pensa ou deixa de pensar. O que  importa é que ele é um vencedor. É isso que as pessoas querem: um vencedor.

E é por isso que, em sendo escolhido candidato, Trump receberá mais de 50 milhões de votos.

Cena 4: Na primeira temporada da série Game Of Thrones, Tyrion Lannister, o anão, está sob custódia de Lady Arryn, que vai condená-lo pelos crimes cometidos. Ele, com uma boa lábia, a convence de que deve ser julgado numa luta. Se perder, será condenado. Se ganhar, será libertado. Quando ela concorda, ele espertamente chama um voluntário para lutar em seu lugar. O mercenário Bronn se apresenta e parte para a luta contra o melhor cavaleiro de Lady Arryn, Vardis Egen. Mas em vez de lutar, Bronn se esquiva o tempo todo, cansando o cavaleiro com a sua armadura, até matá-lo. Quando Bronn olha para Lady Arryn, ela diz:

– Você não luta com honra!

E Bronn responde:

– Não.

E aponta o cadáver do cavaleiro, dizendo:

– Ele lutou…

 

Percebeu? Quando as pessoas não se importam com o que você diz ou faz, desde que você seja um vencedor, esse se torna o padrão moral e ético da sociedade, não interessa que partido, cor ou religião você tenha.

E se é assim, fica fácil justificar o Fred, que cava o pênalti e agradece a Deus…

Qualquer semelhança não é mera coincidência.