Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
A rã e o escorpião
A rã e o escorpião
Isca intelectual de Luciano Pires, dizendo que é como ...

Ver mais

Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Metamorfose ambulante
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou. Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor.” (Raul Seixas)   Foram necessários 18 séculos para que a teoria geocêntrica, segundo a qual a Terra ...

Ver mais

A verdade inconveniente da política atual
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o risco imediato para o futuro do mundo não é a desgraça do populismo: é o casamento incestuoso entre a degradação da política de hoje com a ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Obrigado Senhor!

Obrigado Senhor!

Luciano Pires -

Cena 1: Na abertura de minha palestra TUDO BEM SE ME CONVÉM, mostro um lance da Copa do Mundo de 2014, no jogo de abertura contra a Croácia, quando o centroavante Fred se joga dentro da área e cava um pênalti. O lance é exibido sob vários ângulos e em câmera lenta, deixando claro que não foi pênalti. Mas o juiz foi enganado pelo jogador e marcou a falta. Gol  do Brasil e primeira vitória naquela Copa de triste memória.

Deixo para o final o melhor do lance, a imagem de Fred, com os dedos levantados para o céu, agradecendo a Deus pela jogada…

– Obrigado Senhor, por ter me ajudado a dar um beiço no juiz. Eu fingi direitinho, ele caiu, e nós vamos ganhar o jogo. Obrigado Senhor!

Afinal, vale gol de pênalti que não foi? Vale gol de mão? Não? Mas a Argentina tem um título de Campeã do Mundo com um gol de mão vergonhoso do Maradona, pô!

Vale tudo para atingir seu propósito?

Cena 2: No filme SICÁRIO, com Emily Blunt e Benício del Toro, que concorre ao Oscar este ano, há uma cena semelhante às que aparecem em dezenas, milhares de outros filmes: o bandido em sua mansão, jantando placidamente com a família e curtindo sua riqueza, sem se importar que para isso tenha destruído outras famílias. Para ele não existem questões morais, manda quem pode, quem tem mais força, obedece quem tem juízo. Aquele bandido conquistou seu propósito: garantir uma vida confortável para sua família, sem se questionar moralmente sobre o que ou como fazer para chegar lá. Para o bandido, não existe certo e errado, existe sucesso ou fracasso. E ele é temido, idolatrado e protegido pela mesma sociedade que oprime.

Cena 3: ouvi num talk show norte americano uma comentarista falando sobre a corrida presidencial dos Estados Unidos, na qual Donald Trump que, durante muito tempo foi uma piada, despontou como um provável candidato dos republicanos à sucessão de Barak Obama. Perguntada sobre como é que um candidato desbocado, preconceituoso, beligerante e grosseiro conseguiu aquele sucesso, ela respondeu de forma simples e brilhante:

– O povo não está se importando com o que Trump diz ou deixa de dizer, pensa ou deixa de pensar. O que  importa é que ele é um vencedor. É isso que as pessoas querem: um vencedor.

E é por isso que, em sendo escolhido candidato, Trump receberá mais de 50 milhões de votos.

Cena 4: Na primeira temporada da série Game Of Thrones, Tyrion Lannister, o anão, está sob custódia de Lady Arryn, que vai condená-lo pelos crimes cometidos. Ele, com uma boa lábia, a convence de que deve ser julgado numa luta. Se perder, será condenado. Se ganhar, será libertado. Quando ela concorda, ele espertamente chama um voluntário para lutar em seu lugar. O mercenário Bronn se apresenta e parte para a luta contra o melhor cavaleiro de Lady Arryn, Vardis Egen. Mas em vez de lutar, Bronn se esquiva o tempo todo, cansando o cavaleiro com a sua armadura, até matá-lo. Quando Bronn olha para Lady Arryn, ela diz:

– Você não luta com honra!

E Bronn responde:

– Não.

E aponta o cadáver do cavaleiro, dizendo:

– Ele lutou…

 

Percebeu? Quando as pessoas não se importam com o que você diz ou faz, desde que você seja um vencedor, esse se torna o padrão moral e ético da sociedade, não interessa que partido, cor ou religião você tenha.

E se é assim, fica fácil justificar o Fred, que cava o pênalti e agradece a Deus…

Qualquer semelhança não é mera coincidência.