Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

LíderCast 174 – Eduardo Albano
LíderCast 174 – Eduardo Albano
Diretor de conteúdo da Ubook, plataforma que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Sem enredo
Chiquinho Rodrigues
Ainda bem que o U2 pegou um avião e foi pra puta-que-pariu! Eu já não aguentava mais, cara! Te juro que se eu visse o Bono Vox mais uma vez no Jornal Nacional ou na droga de um palanque qualquer ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

O véinho

O véinho

Luciano Pires -

Meu amigo, minha amiga, não fique nervoso ou nervosa. Isto aqui é só uma reflexão.

O Brasil é um susto por dia. Ou por hora.  Esta semana foi uma loucura… Dois ex-governadores do Rio na cadeia, invasão da Câmara, quebra-quebra na Alerj, ameaças de rasteira na Lava Jato… E no meio dessa loucura aparece uma tese que vem sendo tratada em vários meios, a de que uma possível queda de Michel Temer abriria possibilidade de FHC assumir um mandato-tampão, em eleição indireta pela Câmara.  Sim, você leu certo, Fernando Henrique Cardoso.

Muita gente acha a ideia absurda, mas eu não. Digamos que Temer caísse lá para março/abril. Não acho que vá acontecer, mas digamos que aconteça. Fosse FHC eleito, teria um mandato-tampão de 1 ano e 9 meses aproximadamente, tempo minúsculo para o tamanho das reformas necessárias. Mas pode ser justamente essa sua força. Você goste ou não dele, FHC, nos altos escalões de Brasília, talvez seja o único com capital político para costurar os acordos que terão de ser feitos para aprovar as medidas cruciais que precisamos. Seria irônico… o cara que conduziu as costuras do Plano Real que colocou o Brasil nos trilhos, voltar às costuras para consertar a obra do PT e Cia (inclusive a “oposição”).

Pronto. Derrubei o disjuntor de um monte de gente.

Pare. Respire. Conte até dez. Deixa pra lá o que escrevi e vamos ao que interessa de verdade, quero propor outra discussão: que merda de geração é essa que precisa recorrer a FHC, um véinho, para botar ordem na casa? Será que não conseguimos produzir uma só liderança capaz de pegar o bastão e conduzir o país de volta aos trilhos?

Como pode um país com mais de 200 milhões de habitantes não conseguir produzir líderes capazes de chegar lá?

Olha, produzir líderes brilhantes, consegue sim, aos montes. Mas com capacidade de chegar lá, são outros quinhentos.

O sistema para “chegar lá”, um monstro criado pela Frankenstênica Constituição Cidadã de 1988, não privilegia mentes brilhantes, mas interesses, conchavos e conveniências. Se o candidato for brilhante, melhor ainda, mas isso não é mandatório. Taí Dilma Rousseff para comprovar…

O resultado estamos vendo nas ruas do Rio de Janeiro, com gente desesperada diante da possibilidade de ver seus caraminguás serem ainda mais reduzidos, ou até eliminados em nome de consertar a barbeiragem que alguns fizeram. Já não é mais questão de intelectuais, militantes, artistas ou festeiros pedindo justiça social nas ruas, é luta pelo prato de comida. Já assistimos esse filme. Começa com meia dúzia de intelectuais, depois estudantes e artistas, aí sindicatos e chega no povo, o povo real mesmo, aquele pessoal que até então assistia e sofria as manifestações pela televisão ou dentro do busão parado enquanto pneus queimam.

Intelectuais, artistas, estudantes e até sindicatos são levados no bico por papo furado e uns troquinhos aí, tá tudo certo se sobrar algum pra eles. Mas o povo não. O povo precisa de mais que blábláblá. Precisa de gente capaz de fazer as escolhas, determinar as prioridades, separar o que é urgente do que é importante e, mais que tudo, com compromisso com o país.

Cadê?

Não tem. Chama o véinho

Que geração é essa?