Artigos Café Brasil
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Motivação é uma intenção pessoal, engajamento é um ...

Ver mais

O véinho

O véinho

Luciano Pires -

Meu amigo, minha amiga, não fique nervoso ou nervosa. Isto aqui é só uma reflexão.

O Brasil é um susto por dia. Ou por hora.  Esta semana foi uma loucura… Dois ex-governadores do Rio na cadeia, invasão da Câmara, quebra-quebra na Alerj, ameaças de rasteira na Lava Jato… E no meio dessa loucura aparece uma tese que vem sendo tratada em vários meios, a de que uma possível queda de Michel Temer abriria possibilidade de FHC assumir um mandato-tampão, em eleição indireta pela Câmara.  Sim, você leu certo, Fernando Henrique Cardoso.

Muita gente acha a ideia absurda, mas eu não. Digamos que Temer caísse lá para março/abril. Não acho que vá acontecer, mas digamos que aconteça. Fosse FHC eleito, teria um mandato-tampão de 1 ano e 9 meses aproximadamente, tempo minúsculo para o tamanho das reformas necessárias. Mas pode ser justamente essa sua força. Você goste ou não dele, FHC, nos altos escalões de Brasília, talvez seja o único com capital político para costurar os acordos que terão de ser feitos para aprovar as medidas cruciais que precisamos. Seria irônico… o cara que conduziu as costuras do Plano Real que colocou o Brasil nos trilhos, voltar às costuras para consertar a obra do PT e Cia (inclusive a “oposição”).

Pronto. Derrubei o disjuntor de um monte de gente.

Pare. Respire. Conte até dez. Deixa pra lá o que escrevi e vamos ao que interessa de verdade, quero propor outra discussão: que merda de geração é essa que precisa recorrer a FHC, um véinho, para botar ordem na casa? Será que não conseguimos produzir uma só liderança capaz de pegar o bastão e conduzir o país de volta aos trilhos?

Como pode um país com mais de 200 milhões de habitantes não conseguir produzir líderes capazes de chegar lá?

Olha, produzir líderes brilhantes, consegue sim, aos montes. Mas com capacidade de chegar lá, são outros quinhentos.

O sistema para “chegar lá”, um monstro criado pela Frankenstênica Constituição Cidadã de 1988, não privilegia mentes brilhantes, mas interesses, conchavos e conveniências. Se o candidato for brilhante, melhor ainda, mas isso não é mandatório. Taí Dilma Rousseff para comprovar…

O resultado estamos vendo nas ruas do Rio de Janeiro, com gente desesperada diante da possibilidade de ver seus caraminguás serem ainda mais reduzidos, ou até eliminados em nome de consertar a barbeiragem que alguns fizeram. Já não é mais questão de intelectuais, militantes, artistas ou festeiros pedindo justiça social nas ruas, é luta pelo prato de comida. Já assistimos esse filme. Começa com meia dúzia de intelectuais, depois estudantes e artistas, aí sindicatos e chega no povo, o povo real mesmo, aquele pessoal que até então assistia e sofria as manifestações pela televisão ou dentro do busão parado enquanto pneus queimam.

Intelectuais, artistas, estudantes e até sindicatos são levados no bico por papo furado e uns troquinhos aí, tá tudo certo se sobrar algum pra eles. Mas o povo não. O povo precisa de mais que blábláblá. Precisa de gente capaz de fazer as escolhas, determinar as prioridades, separar o que é urgente do que é importante e, mais que tudo, com compromisso com o país.

Cadê?

Não tem. Chama o véinho

Que geração é essa?