Artigos Café Brasil
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

674 – Balde de Caranguejos
674 – Balde de Caranguejos
O termo “mentalidade de caranguejo” é utilizado em ...

Ver mais

673 – LíderCast 12
673 – LíderCast 12
Mais uma temporada do LíderCast, agora é a 12. Mais um ...

Ver mais

672 – A mão invisível do mercado
672 – A mão invisível do mercado
Você certamente já ouviu falar de livre mercado, aquele ...

Ver mais

Café Brasil 671 – Antifrágil
Café Brasil 671 – Antifrágil
Um dos livros sumarizados no Café Brasil Premium foi o ...

Ver mais

LíderCast 161 – Murilo Gun
LíderCast 161 – Murilo Gun
Criador, inovador, pensador, provocador. Uma figura ...

Ver mais

LíderCast 160 – Parker Treacy
LíderCast 160 – Parker Treacy
Norte americano do setor automotivo ­financeiro, ...

Ver mais

LíderCast 159 – Paulo Ganime
LíderCast 159 – Paulo Ganime
Jovem deputado federal pelo partido Novo, engenheiro e ...

Ver mais

LíderCast 158 – Georgios Frangulis
LíderCast 158 – Georgios Frangulis
Fundador e CEO da Oakberry Açaí Bows, que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que a autenticidade radical do Bolsonaro faz tanto sucesso hoje em dia…
Carlos Nepomuceno
https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157497430623631

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – CONCLUSÃO – LINGUAGEM (parte 12)
Alexandre Gomes
Chegamos ao final deste segundo capítulo do TRIVIUM! O que tentei apresentar para você foram as minhas impressões do material original. Tem muito mais no livro, que não consegui trazer para estas ...

Ver mais

Entre Tabata e Ciro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Tabata Amaral é deputada federal por São Paulo, filiada ao PDT, partido de esquerda que já abrigou, entre outros, Leonel Brizola e Dilma Rousseff, só para mencionar a que ponto baixo pode chegar ...

Ver mais

Resumos das aulas do COF e temas diversos
Eduardo Ferrari
Resumos de aulas do COF
Bom dia, Boa Tarde, Boa noite! Vida longa ao Café Brasil e à Confraria! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao Luciano Pires pelo espaço e a oportunidade de publicar alguns dos meus resumos. ...

Ver mais

Cafezinho 196 – O sequestro do belo
Cafezinho 196 – O sequestro do belo
Reduzir tudo isso à uma questão de simpatia por ...

Ver mais

Cafezinho 195 – No mundo da lua
Cafezinho 195 – No mundo da lua
Colocar o homem na lua custou mais de 20 bilhões de ...

Ver mais

Cafezinho 194 – O banco
Cafezinho 194 – O banco
E aquele monte de dinheiro à minha disposição? Esqueça. ...

Ver mais

Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Cafezinho 193 – A zona do equilíbrio
Quer saber? Antes de ser do meretrício, as zonas eram ...

Ver mais

O Vampiro

O Vampiro

Luciano Pires -


O VAMPIRO


 Lá estava eu, caminhando pela avenida Paulista em meio a três mil pessoas, num domingo friorento, na passeata do Dia pela Dignidade Nacional. Muita emoção, discursos inflamados e um clima de indignação genuína (opa!) no ar. Lá pelas tantas, o carro de som começa a tocar “Pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré. Os cinqüentões foram invadidos pelas lembranças de um tempo em que tinham mais cabelo e menos barriga e saiam às ruas combatendo a repressão. E então alguém começa a gritar:


– O povo. Unido. Jamais será vencido!


Como uma onda, o grito toma conta da multidão. E logo estamos todos, a plenos pulmões, enchendo a Avenida Paulista com o grito indignado:


– O POVO! UNIDO! JAMAIS SERÁ VENCIDO!


Foi emocionante. Não nego que meus olhos ficaram marejados e eu torci para estar participando do começo de um movimento capaz de provocar mudanças. Voltei para casa esperançoso, liguei a televisão e… Nada. Nadica. Néris de pitibiribas. Descobri que o evento do qual participei e que mobilizou milhares de pessoas em várias cidades do Brasil, simplesmente não aconteceu. Foi uma ilusão. A Fátima Bernardes não falou dele. Nem o Bonner. Nem o Bial… E se não deu na Globo, não aconteceu!


Mas pouco tempo depois, ouço outra vez o grito popular:


– O POVO! UNIDO! JAMAIS SERÁ VENCIDO!


Desta vez foi o MLST – Movimento pela Libertação dos Sem Terra, invadindo a Câmara em Brasília e proporcionando um deprimente espetáculo de manipulação popular, ódio e intolerância. Eram apenas 500 pessoas. Na verdade, 50 arruaceiros conduzindo uma manada que provavelmente não sabia o que estava fazendo. Os “inocentes úteis” dos anos sessenta e setenta revividos. E deu em todos os jornais. Em todas as rádios. Em todas as televisões…


Me senti um bocó de mola, ouvindo os invasores da Câmara gritando as mesmas palavras de ordem que eu gritei na Paulista. Eu, bobão, em meio a milhares de amadores, num evento que não aconteceu. Eles, profissionais, com apenas 500 pessoas, promovendo um evento que ocupa todos os espaços da mídia. Ambos tinham objetivos claros e organização. Mas um foi sucesso de mídia. E o outro, um fiasco.


Afinal, qual a diferença entre os “amadores” da Avenida Paulista e os profissionais do MLST? Pense um pouco…


Minha amiga, meu amigo, a diferença foi o… Sangue. Sangue.


A manifestação que seguiu as regras da civilidade, não chamou nenhuma atenção da mídia. A mídia não está interessada no conteúdo, mas na forma. A manifestação pacífica e ordeira foi invisível.


O outro evento, no entanto, selvagem, agressivo, quebrou as regras e a lei. Derramou sangue. E, do jeitinho que seus organizadores queriam, tornou-se visível e conquistou espaço nobre nas televisões, jornais e revistas.


Conclusão?


A mídia é um vampiro. Precisa de sangue. Ama o sangue. Vive de sangue.


A mídia, sem qualquer responsabilidade com a cidadania, não percebe que fechando os olhos aos movimentos legítimos e ordeiros para dar espaço apenas à anarquia, está passando uma mensagem perigosa:


– Quer ser ouvido? Traga-me sangue!


A mídia promove o sangue.


– Ah, mas sempre foi assim…


Sempre foi?


Então torça para que esse sangue nunca seja de alguém que você conhece.