Artigos Café Brasil
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

643 – Dominando a Civilidade
643 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

642 – A caverna de todos nós
642 – A caverna de todos nós
Olhe em volta, quanta gente precisando de ajuda, quanta ...

Ver mais

641 – O delito de ser livre
641 – O delito de ser livre
Na ofensiva contra a liberdade, fica cada vez mais ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

LíderCast 135 – Thalis Antunes
LíderCast 135 – Thalis Antunes
Gestor de Conteúdo da Campus Party, que tinha tudo para ...

Ver mais

LíderCast 134 – Diego Porto Perez
LíderCast 134 – Diego Porto Perez
O elétrico Secretário de Esportes do Governo de ...

Ver mais

LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
Empreendedores que criam no grande ABC uma agência de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Como ser um Diabo da Tasmânia
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
​​​Como disse certa vez o ex-ministro Pedro Malan, no Brasil até o passado é incerto. Mas o futuro não – ao menos em um caso: Há plena certeza que o tecido social esgarçou e vai rasgar. ...

Ver mais

O mundo platônico e suas consequências
Carlos Nepomuceno
Live de terça O mundo platônico e suas consequências Live de terçaO mundo platônico e suas consequênciasTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução
Alexandre Gomes
As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que ...

Ver mais

Live de terça – a liderança liberal
Carlos Nepomuceno
Live de terçaA liderança liberalTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O curso me ajudou a pensar o digital como meio e não fim". – JEAN ...

Ver mais

Cafezinho 134 – A Síndrome de Chico Buarque
Cafezinho 134 – A Síndrome de Chico Buarque
- Como é que um cara tão legal, tão sensível, tão ...

Ver mais

Cafezinho 133 – Rifa de CDs
Cafezinho 133 – Rifa de CDs
Uma forma de fazer uma corrente do bem, capaz de ...

Ver mais

Cafezinho 132 – Os cagonautas
Cafezinho 132 – Os cagonautas
Seu chefe é um cagonauta? Hummmm...tome cuidado, viu?

Ver mais

Cafezinho 131 – Compartilhe!
Cafezinho 131 – Compartilhe!
Seja a mídia que você quer ver no mundo

Ver mais

O valor da liberdade

O valor da liberdade

Luciano Pires -

Cena 1: no calor infernal de São Paulo, pifa o ar condicionado de meu carro. Sim, sou coxinha, elite branca, burguês que anda de carro com ar condicionado. Na oficina especializada pergunto quanto tempo leva para arrumar. A resposta, com uma imensa má vontade:

– Ah… um dia e meio só para achar o vazamento. E depois tem que arrumar. É difícil, tem carro que eu nem pego. Tem que deixar aí.

Levo noutro lugar:

– Xi… deve ser a rebimboca da parafuseta. Tem que trocar, o carro fica na oficina três dias, tem que arrancar o painel inteiro. Só de peça dá uns 2,5 mil.

Dei uma carga de gás e fui embora. Com o vazamento.

Cena 2: procuro um serviço de funilaria. Algum ogro abriu a porta do carro e bateu no meu para-lama traseiro, fazendo um dente. Um rápido exame e o comentário, com jeito cansado:

– Sei não, viu?  É chapa dupla, dá um trabalhão, tem que deixar aí para ver…

Tocodente.

Cena 3: em Porto Velho, vou palestrar no grande Teatro Municipal e descubro que nenhuma das exigências técnicas fora atendida. Não tinha o cabo para o laptop, a sala de projeção ficava no fim do mundo… Um horror. Vem o Andrei, responsável pelos equipamentos do teatro:

– Fique calmo que vamos dar um jeito!

E ele praticamente desmonta a estrutura de projeção, até conseguir ajeitar tudo de acordo. Fiquei pasmo. Raríssimas vezes encontrei gente com aquela disposição para fazer acontecer!

Cena 4: Enquanto o Andrei se desdobrava para desmontar o projetor, puxar cabos, etc, chega um sujeito da área de TI da prefeitura, mandado ao local para dar uma assistência. Chega de cara feia, má vontade, perguntando o que tinha pra fazer. Quando digo que estamos verificando, a resposta seca:

– Tem que ver aí, porque meu turno termina em 15 minutos.

Dispensei o sujeito.

Quatro situações nas quais eu tinha um problema para resolver. Em três delas, proficionais (sim! “profissionais” são outra coisa) deram a impressão de superestimar o problema (provavelmente para depois cobrar caro), chutaram prazos irreais ou deixaram claro que estavam ali a contragosto, de má vontade. O único que diante do problema optou por enxergar soluções sem pedir nada em troca, foi o Andrei. Com um baita sorriso no rosto.

E então, enquanto eu aguardava o momento da palestra, um sujeito me conta que coordena um grupo de presidiários que tem licença especial do juiz para trabalhar durante o dia, retornando para dormir no presídio. O Andrei é um deles, cumprindo pena por envolvimento com drogas.

Os três proficionais com emprego fixo, livres para ir e vir, demonstraram nenhum compromisso com a resolução de meus problemas. O presidiário não mediu esforços, não poupou energia e simpatia, assumiu a responsabilidade e deu um jeito de encontrar uma solução.

O natural não seria esperar o contrário?

Mandei um livro de presente para o Andrei. Imaginar que ele está lendo durante a noite, numa cela da prisão lá em Porto Velho, me causa certa angústia e uma certeza.

Só quem perde a liberdade sabe o valor que ela tem.