Artigos Café Brasil
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

O Tiozinho

O Tiozinho

Luciano Pires -

O TIOZINHO

Sábado, 25 de junho, completo 49 anos de idade. A cada manhã diante do espelho, custo a acreditar que estou prestes a me tornar um cinqüentão. Mas os cabelos brancos, as rugas e a olheira não deixam dúvidas. Virei um tiozinho.
Meio século de vida aumenta as dores nas costas, diminui a audição, a vista enfraquece… Fisicamente, envelhecer é uma merda.
Mas pra compensar (será?), mentalmente fiquei mais rico. Estou me tornando o mala que, pra cada assunto, tem uma história antiga pra contar.
E hoje tomo decisões com uma facilidade que não tinha aos trinta anos. É o benefício da vivência, da experiência. Tenho mais jogo de cintura para lidar com os idiotas, por exemplo. Se antigamente eu me incomodava com eles, hoje simplesmente deixo pra lá. Não tenho tempo a perder com imbecilidades.
Crianças…Tomaram outro significado. Não são mais aqueles pentelhos barulhentos. Agora são explosões de energia, cujo som traz alegria à minha vida. Mas… Minhas crianças agora têm 21 e 15 anos. Não são mais crianças, justamente no momento em que sinto que preciso de crianças por perto.
Acho que entrei na fase pré-avô…
O mundo tomou outros significados. O preto e branco passou a ter tons de cinza. Não tenho mais posições radicais, compreendo que nada é definitivo, nada é totalmente bom nem totalmente ruim. E não existem deuses sobre a face da terra. Os homens e mulheres, não importa em que posição, são iguais a mim: cheios de defeitos. Incapazes de resolver os grandes problemas da humanidade ou do vizinho.
Não existem mais heróis. Nem santos.
Pois é…
Sou um brasileiro chegando aos cinqüenta. Minha geração, de certa forma, perdeu o bonde. Éramos jovens demais em 1968 para participar das mudanças do mundo. Amadurecemos entre o amor livre e a Aids. Fomos crianças quando quase não havia televisão. Achávamos que no ano 2000 estaríamos vivendo em outros planetas. Vimos o computador nascer. Incorporamos o automóvel em nossas vidas desde pequenos. Adotamos o controle remoto e o celular com dificuldade…
Minha geração é a da perplexidade.
E é assim, perplexo, que no ano que vem chegarei aos cinqüenta.
Por enquanto, posso assegurar que jamais estive tão ativo. Construí uma rede de amigos pela Internet, cujo alcance e tamanho, desconheço. Mas que a cada dia, a cada semana, me dá o prazer de perceber que, do lado de lá deste teclado, existe inteligência.
Muito bem.
Amanhã a casca do Lucianinho fica mais velha. Mas o moleque continua lá, doidinho pra sacanear os cinqüentões.
Vida longa ao moleque.
E tiozinho, é a mãe.