Artigos Café Brasil
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Cafezinho 69 – Quatro Formas de Gastar Dinheiro
Cafezinho 69 – Quatro Formas de Gastar Dinheiro
Gastar nosso dinheiro conosco; nosso dinheiro com ...

Ver mais

O Taxista De Araxá

O Taxista De Araxá

Luciano Pires -



O TAXISTA DE ARAXÁ


Ilustração por Eldes – www.eldes.com



Recentemente fui para Araxá, num evento da Associação Brasileira da Indústria de Massas. Conheci o Tropical Grande Hotel, inaugurado em 1944 por Getúlio Vargas. Fiquei deslumbrado ao entrar no grande saguão do hotel, com aquela arquitetura dos anos 30. Uma pérola, esquecida, e praticamente fora do circuito turístico brasileiro.



Na volta para o aeroporto, uma surpresa. No trajeto, o taxista me falou de sua vida. Com 46 anos de idade, aparenta 56, e me sensibilizou ao dizer:



“Doutor, a primeira vez que calcei um sapato foi aos dezesseis anos. Quando garoto, na roça, eu ouvia a campainha de uma bicicleta e ficava imaginando se um dia teria uma. Pois saí da roça e fui cuidar da vida, com uma mão na frente e outra atrás. Trabalhei muito, honestamente. Hoje tenho três carros e este celular. Cada vez que o celular toca, eu choro. Ao lembrar de onde vim e até onde cheguei”.



Nas últimas semanas tenho vivido as contradições de ser brasileiro. Fui ao Rio de Janeiro palestrar na nova sede do SESC, vizinha da Cidade de Deus, aquela do filme que fez sucesso. Na entrada do belo conjunto de prédios do SESC, uma grande maquete do complexo escolar que estão construindo ao lado. Coisa de primeiro mundo. Uma escola de nível médio com tudo aquilo que estamos acostumados a ver nos filmes estadunidenses. Ali, no Rio, ao lado da Cidade de Deus…



Depois, em Águas de São Pedro, palestrei no Encontro Estadual de Supervisores do Magistério. Mais de trezentas pessoas discutindo os meios de elevar o nível da cultura e da educação brasileira. Ninguém conformado…



Em seguida, Aracajú, na reunião anual da Fundação Brasil Criativo. Mais de 400 pessoas discutindo como melhor utilizar os processos criativos no nosso dia a dia, na educação e no trabalho. E já era o sétimo encontro em Aracajú!



A próxima palestra foi na APAS, a feira da Associação Paulista de Supermercados em São Paulo. Centenas de estandes, mais de 60 mil visitantes, a economia brasileira em todo seu esplendor num evento de primeiro mundo.



Depois, Rio Claro, palestrar para mais de 500 pessoas num evento organizado para proporcionar àquela comunidade o contato com novas idéias, novos processos.



Em seguida foi a Bienal do Livro, no Rio. Meu texto “Mar de Letras” já disse o que vi e senti ali.



Pois é…



Nas últimas semanas conheci projetos brasileiros capazes de orgulhar qualquer cidadão de primeiro mundo. Conheci pessoas interessadas em fazer acontecer. E tive a certeza que olhar o Brasil pela ótica dos políticos, da mídia interessada nos deslizes e daqueles que desertaram da luta, é burrice.



Só um olhar me interessa. O das pessoas que estão fazendo acontecer, num movimento silencioso que aos poucos vai moldando uma nova cultura, um novo Brasil.



O Brasil do taxista de Araxá.