Artigos Café Brasil
O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O lado negro de fazer networking
Raiam Santos
Esses dias, eu tava assistindo uma entrevista entre o Brian Johnson do site Philosopher’s Notes e o Cal Newport. Cal Newport é um PhD pica das galáxias formado no MIT que hoje dá aula de ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

O coração da empresa
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se fôssemos bons em tudo não necessitaríamos trabalhar em equipe.” (Gisela Kassoy)   É comum qualificarmos as empresas como “organismos vivos”. E, sob esta ótica, comparar seu funcionamento ...

Ver mais

O surfista

O surfista

Luciano Pires -

Uma notícia me chamou a atenção hoje: de nada adiantou o protesto contra o Uber feito por dezenas de taxistas no Rio de Janeiro, que bloquearam diversos pontos da cidade recentemente, inclusive agindo com violência contra quem tentava romper as barricadas. Na semana seguinte, uma juíza decidiu que o aplicativo continuará funcionando até que a atividade seja regulamentada oficialmente pelo Poder Público do Estado.

Para a juíza, o fato de que os táxis, além de se beneficiarem da mesma tecnologia do Uber através de apps como Easy Taxi e 99, possuem a alternativa de conquistar clientes nas ruas. Um motorista do Uber não pode fazer o mesmo. “Trata-se da concorrência assimétrica, identificada nos setores de telecomunicações, energia e portos, que admite e estimula a concorrência entre os distintos regimes”, disse a juíza.

Enquanto isso as manifestações contra o Uber continuam por todo país. Aliás, em várias cidades do planeta.

Três anos atrás, se você dissesse “Uber”, “Waze” ou até mesmo “Netflix”, quase ninguém saberia do que você estava falando. Hoje, para algumas pessoas como eu, a vida sem esses aplicativos está se tornando impensável, tipo “como é que eu vivia sem isso?”.

Essas tecnologias disruptivas (que rompem, alteram, inovam) chegam para tomar conta por uma razão fundamental: facilitam as vidas dos usuários e criam valor de uma forma visível e imediata. E é impossível contê-las, mesmo com a força da lei. Essas tecnologias são como aquelas plantinhas que nascem em qualquer rachadura do concreto. Quando a vida se manifesta, é impossível pará-la.

Foi assim com os programas que baixam músicas pela internet: quando surgiram, a indústria fonográfica caiu matando com ajuda da justiça, mas era suspender um para surgirem quatro ou cinco no minuto seguinte. E a indústria não encontrou outra saída a não ser partir na direção que os sistemas disruptivos apontavam. Hoje os sistemas de venda de música online atropelaram todos os outros e os CDs estão se tornando peças de museus.

Ontem chamei um Uber e me surpreendi quando chegou um carro preto com placas vermelhas. Perguntei ao motorista, Vagner, o que era aquilo e ele me disse:

Eu sou Uber, sou Táxi Comum, sou 99, sou Easy Taxi, sou qualquer sistema de transporte que o senhor conhece. Tudo regularizado, com as licenças necessárias. Trabalho com qualquer um.

– Mas você tem taxímetro?

– Tenho e uso conforme o chamado que atendo. Comigo não tem tempo quente.

– Pô, mas você gastou dinheiro pra ter tudo isso, não é?

– É. Mas eu acredito que vou compensar com o volume de trabalho que eu consigo. Posso pegar até cliente na rua. E não corro risco de ser atacado pelos que não querem o Uber, afinal, sou um taxista regularizado.

Confesso que não entendi muito bem, não sei se um carro preto com placas vermelhas pode ter taxímetro, mas uma coisa ficou na minha mente desde ontem: no meio do tiroteio o Vagner fez sua escolha, em vez de optar por um lado ou outro, abraçou tudo aquilo que todos os lados têm de melhor.

Em vez de nadar contra a onda, o Vagner está surfando nela.

Isso é ser disruptivo.