Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

O propósito

O propósito

Luciano Pires -

Em Julho de 2014 a tradicional revista mensal norte americana Ladies’ Home Journal, com 131 anos de idade, publicará sua última edição. A revista continuará apenas na internet, mais um sinal da mudança dos tempos. Ao ler a notícia me lembrei de um “causo”.
 
Conheci a Ladie´s Home Journal através de um de seus editores, Edward Bok, que escreveu um livro chamado “The Americanization of Edward Bok”. Nele ele conta a história de seu avô, que viveu na Dinamarca e foi designado pelo rei para liderar um grupo de soldados no combate a piratas que infernizavam uma região da costa dinamarquesa. Bok instalou seu quartel general numa ilhota desolada e, após alguns anos de luta, conseguiu dizimar os piratas. Agradecido, o rei perguntou a Bok o que ele gostaria de receber como retribuição, e ouviu atônito o pedido: um pedaço de terra na tal ilha desolada. Ninguém entendeu, pois a ilha era um pedaço de nada, sem qualquer estrutura, como alguém poderia querer viver ali? E Bok respondeu: “Quero plantar árvores, quero tornar a ilha um lugar bonito”. Enlouquecera? Além da desolação, a ilha era constantemente assolada por temporais e fortes ventos! Ele seria incapaz de plantar qualquer coisa ali!
 
Diante da insistência, o rei concedeu o pedido e Bok se mudou para a ilha, construiu uma casa e chamou sua esposa. Por anos os dois, laboriosa e persistentemente, plantaram árvores, grama e arbustos pela ilha. Gradualmente a vegetação tomou conta e, numa manhã, eles acordaram com o canto de pássaros. Até então, jamais havia aparecido um pássaro por lá! Com o tempo a ilha se tornou um lugar aprazível, que hoje é visitado por milhares de turistas. Ao morrer, o velho Bok pediu que inscrevessem em sua lápide: “Faça o mundo um pouco mais bonito e melhor porque você viveu nele.”
 
Muitos anos depois, Edward Bok, o neto, aos 50 anos de idade se aposentou da Ladies’ Home Journal e, um dia, viajando pela Flórida, ao conhecer um lugar chamado Iron Mountain, o ponto mais alto da Flórida, teve uma ideia: por que não repetir o feito de seu avô? Ele então comprou o terreno e transformou a área no Mountain Lake Sanctuary, em Lake Wales, Florida. Ao morrer, deixou a propriedade para o estado da Flórida. Hoje o local é uma atração turística também conhecida como Bok Tower Gardens, que você pode conhecer no boktowergardens.org.
 
Na lápide de Edward Bok, o neto, está escrito “Faça o mundo um pouco mais bonito e melhor porque você viveu nele.”

Conto essa história para celebrar os 10 anos de lançamento de meu livro Brasileiros Pocotó que floresceu para dar no que hoje é o Café Brasil, minha vida, meu propósito, o que sou. Em 2004 eu tinha 48 anos de idade e a intenção de ajudar a desemburrecer o Brasil e fazer o mundo um pouco mais bonito e melhor, sabe porquê?
 
Porque vivo nele.
 
Dez anos depois constato que não é fácil, todo dia é uma luta, às vezes dá desânimo, sensação de impotência e vontade de desistir. Mas aí ouço o canto de uns passarinhos…
 
“Fazer o mundo um pouco mais bonito e melhor porque você viveu nele.”
 
Obrigado por compartilhar do mesmo propósito.

 

Luciano Pires