Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

O Plano

O Plano

Luciano Pires -


O PLANO


Li o documento oficial que o governo publicou sobre um plano para alavancar o crescimento do Brasil. Gostei muito de um trecho:
 
“Nada mais equivocado do que pensar que […] para promover o desenvolvimento teríamos de aumentar o déficit fiscal. Não o estamos aumentando, porque mobilizamos recursos da sociedade. […] que o controle da inflação e a execução de projetos seriam feitos em detrimento do social, quando, na verdade, está ocorrendo o oposto. Isso é visível, por exemplo, na área de saúde. Basta olhar os índices de queda da mortalidade infantil. Na área de educação, estamos nos preparando para tirar todas as crianças da rua e para lhes garantir acesso às escolas. Enfim, estamos redesenhando o País.
[…]Enfrentar os problemas estruturais e sociais do País com ações gerenciadas, em parceria com a iniciativa privada e com garantia efetiva de investimento. Esse é o princípio básico do Programa…”.

Propostas que causam impacto nas áreas da saúde, habitação, saneamento, emprego, água, turismo, agricultura, educação, comunicações, transportes e energia! Tudo que queríamos ouvir! E – detalhe – assisti junto com um pequeno grupo a apresentação do plano em alto estilo, pelo Vice Presidente da República, em seu gabinete! Eu estava em Brasília coordenando o lançamento de um projeto cultural da empresa em que trabalho – a Dana. Aproveitei a presença no Brasil de dirigentes da empresa e organizei as agendas combinando a inauguração do evento com uma visita de cortesia ao Vice Presidente da República. Ao final da reunião, ele nos levou para um canto onde havia um mapa do Brasil, cheio de indicações relacionadas ao tal plano. E foi nos explicando, entusiasmado, cada um dos projetos para reduzir custos na economia, propiciar o aumento da competitividade do setor produtivo e melhorar a qualidade de vida da população. Bem impressionados, concluímos que, se executado, o plano proporcionaria um salto imenso em direção ao futuro. Parabenizamos o Vice Presidente. Embora a oposição sustentasse que tudo não passava de jogada eleitoreira para a reeleição, era a primeira vez que eu via uma proposta tão ambiciosa, envolvendo vários ministérios, o núcleo do governo e a iniciativa privada. E havia uma sincera vontade de fazer acontecer. Saí de lá contente, esperançoso.
– Agora o Brasil vai!
Mas também saí com uma preocupação: temos capacidade para pôr em prática? Nada acontece, como magia, só porque o Presidente diz que vai acontecer, a imprensa publica e todo mundo fica na expectativa. Planejamento, reuniões e relatórios não podem ser confundidos com ação. E não me refiro a dinheiro, mas à capacidade de execução. Não existe milagre. Sem acompanhamento para assegurar que o que é dito é feito, e sem a eliminação dos que remam contra, por interesses e ignorância, tudo se transforma num caldo de conchavos políticos. Fico tenso…
Um plano dessa magnitude não pode ser realizado por gente pequena. Gente concentrada nas picuinhas. Gente contaminada por ideologias. Um plano como esse exige grandes homens e mulheres. Grandes demonstrações de generosidade. Fui dormir feliz com o plano, mas apreensivo.
Pois bem… Tudo que escrevi acima aconteceu em 1997, quando lancei em Brasília o projeto “Lampião – Uma Viagem pelo Cangaço”. O trecho que mencionei faz parte de um documento oficial do Planalto, que você encontra em
www.planalto.gov.br. O Vice Presidente era Marco Maciel e o plano que nos foi apresentado era o “Brasil em Ação”, que agrupava 42 ações: 16 na área social e 26 na área de infra-estrutura. Muito do que estava no plano foi feito, mas no caminho teve reeleição, crise asiática e russa, desvalorização da moeda e mais um monte de problemas. E o plano simplesmente desapareceu. Ou foi esquecido.
Dez anos se passaram. E agora é a vez do PAC – Plano de Aceleração do Crescimento. Tô com uma sensação de “já vi esse filme”… E medo de que a discussão fique restrita ao conteúdo, enquanto continuamos sem capacidade de execução.
Tomara que a história não se repita em ciclos.