Artigos Café Brasil
O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O lado negro de fazer networking
Raiam Santos
Esses dias, eu tava assistindo uma entrevista entre o Brian Johnson do site Philosopher’s Notes e o Cal Newport. Cal Newport é um PhD pica das galáxias formado no MIT que hoje dá aula de ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

O coração da empresa
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se fôssemos bons em tudo não necessitaríamos trabalhar em equipe.” (Gisela Kassoy)   É comum qualificarmos as empresas como “organismos vivos”. E, sob esta ótica, comparar seu funcionamento ...

Ver mais

O Papa É Pop?

O Papa É Pop?

Luciano Pires -

“Cultura Popular ou Cultura Pop é a cultura vernacular – isto é, do povo – que existe numa sociedade moderna. O conteúdo da cultura popular é determinado, em grande parte, por quem dissemina o material cultural, como por exemplo o cinema, a televisão e as editoras, bem como os meios de distribuição de notícias.”


Conforme essa definição, que encontrei na internet, Madonna é pop. Michael Jackson é pop. O Big Brother Brasil é pop. Mas para mim, existe o “pop” e o pop. Lembro-me de um filme pop, chamado “Austin Powers”, em que o Mike Miers interpreta um agente secreto engraçadíssimo em busca de seu “mojo”, que havia perdido. “Mojo” seria um charme mágico que o tornava irresistível. “Mojo” era sua capacidade de ser pop, da forma que eu entendo o pop. Veja que interessante: Bill Clinton é pop. George Bush não é. João Paulo II é pop. Bento XVI não é. Steve Jobs, da Apple, é pop. Bill Gates não é. Chacrinha é pop. Faustão não é. Che Guevara é pop. Hugo Chavez não é. John Lennon é pop. Britney Spears não é. Marília Gabriela é pop. Jô Soares não é. Harley Davidson é pop. Honda não é. Fernando Gabeira é pop. Aldo Rabelo não é. Mikhail Gorbachev é pop. Vladimir Putin não é. Mario Covas e Jânio Quadros são pops. Alckmin e Serra não são. Juscelino Kubitscheck é pop. Lula não é… Deu pra sacar onde quero chegar? Pra mim, para alguém “ser pop” tem que ter mais que super visibilidade na mídia. Tem que ter o “mojo”. Mais um quê de irreverência. Tem que dar um frio no estômago da gente. Passar a sensação de que vai “aprontar” alguma. Significa romper com as regras, desobedecer ao bom senso, repudiar o consenso. Criar tendências. Para o bem ou para o mal. O verdadeiro pop é irresistível. No entanto, existem milhares de “pops” falsos por aí, ícones artificialmente criados pela mídia, que não têm aquele charme mágico. Que desaparecem assim que se apagam os refletores. O mesmo vale para entidades. E para temas. Se não tiver o “charme”, não é pop. Em recente evento sobre educação no Chile, terminei minha palestra e passei a uma seção de perguntas e respostas. Um dos questionamentos dizia que o tema de minha palestra  – o impacto da mídia na educação e o papel dos professores como agentes da alfabetização para a mídia – já era tema discutido nas universidades, mas que ninguém dava bola para isso. E eu respondi: “Essa discussão tem que sair do ambiente acadêmico! Tem de se tornar pop”. E a turma fez cara de persiana. Sim. Qualquer tema que mereça ser discutido a ponto de mobilizar a sociedade, tem de ser pop. A discussão sobre violência no Brasil não é pop. A discussão sobre educação no Brasil não é pop. A discussão sobre política no Brasil não é pop. Qual discussão é pop? A superficial, aquela que nos é impingida pela mídia com objetivos claramente comerciais, para conseguir audiência e aumentar o valor do aluguel dessa audiência aos patrocinadores. Por exemplo: a carne rasgada e queimada, a criança trucidada, a bala perdida, a família chacinada… Tudo isso é transformado em pop pela mídia, que reduz a discussão às conseqüências da violência, achando que está produzindo uma discussão pop. Mas é um pop falso. Igual ao “pop” de George Bush ou de Bento XVI: imposto mais pela imponência do cargo e das conseqüências de suas atitudes do que pelo charme mágico que o torna popular.
Muito bem. Bush vem aí. O Papa vem aí. E quase 50 mil brasileiros vão morrer este ano, vítimas da violência urbana. Esses três temas vão preencher páginas e páginas de revistas e jornais. Vão ocupar horas e horas de rádio e televisão. Vão atrapalhar o trânsito. Vão prender nossa atenção. E você, embalado pelo barulho e animado pelo rebanho, terá a sensação de ter participado de um momento pop! Mas não se engane. Depois que você xingar ou aplaudir o Bush, depois que você rezar ou ignorar o Papa, depois que você assinar o abaixo-assinado ou participar da passeata “pela paz”, pergunte: “o que é que ficou diferente?”
E é aí que está… Só o verdadeiro pop inspira mudanças em nossa vida.