Artigos Café Brasil
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Aceitemos a luz. E paremos com essa bobagem do "sempre ...

Ver mais

574 – Os agoristas
574 – Os agoristas
Café Brasil 574 - Os agoristas. Vivemos no presente, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 18 – O problema são os outros
Café Brasil Curto 18 – O problema são os outros
Mude essa sua visão preconceituosa, desconfiada e ...

Ver mais

Café Brasil Curto 17 – Cadê elas?
Café Brasil Curto 17 – Cadê elas?
Sem mulheres será muito difícil implementar as mudanças ...

Ver mais

LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 – Waldey Sanches - Waldey Sanches é um ...

Ver mais

LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 – Raquel e Leo Spencer – A Raquel e o ...

Ver mais

LíderCast 075 Renato Seraphin
LíderCast 075 Renato Seraphin
Renato Seraphin é presidente da Albaugh, uma empresa do ...

Ver mais

LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 – Camila Achutti é uma jovem e muito bem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

37 não é febre
Tom Coelho
Sete Vidas
“Nada mais comum do que julgar mal as coisas.” (Cícero)   “Filha, leve um agasalho, pois vai esfriar.” “Querido, lembre-se de seu guarda-chuva; parece que vai chover…” “Não vá tomar ...

Ver mais

Lições de viagem 10
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 10 Itália  Penso che un sogno così non ritorni mai più mi dipingevo le mani e la faccia di blu poi d’improvviso venivo dal vento rapito e incominciavo a volare nel cielo ...

Ver mais

Gente do bem
Tom Coelho
Sete Vidas
“Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos, 12:21)   Em meio ao trânsito desordenado, um motorista gentilmente cede-me passagem. Visito um ex-professor na faculdade ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2017
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2017 Memoráveis citações “Quando foi criada a Faculdade de Ciências Econômicas da USP, em 1945, eu decidi fazer Economia. Fiquei muito feliz com a Economia, me ajustei ...

Ver mais

O Papa É Pop?

O Papa É Pop?

Luciano Pires -

“Cultura Popular ou Cultura Pop é a cultura vernacular – isto é, do povo – que existe numa sociedade moderna. O conteúdo da cultura popular é determinado, em grande parte, por quem dissemina o material cultural, como por exemplo o cinema, a televisão e as editoras, bem como os meios de distribuição de notícias.”


Conforme essa definição, que encontrei na internet, Madonna é pop. Michael Jackson é pop. O Big Brother Brasil é pop. Mas para mim, existe o “pop” e o pop. Lembro-me de um filme pop, chamado “Austin Powers”, em que o Mike Miers interpreta um agente secreto engraçadíssimo em busca de seu “mojo”, que havia perdido. “Mojo” seria um charme mágico que o tornava irresistível. “Mojo” era sua capacidade de ser pop, da forma que eu entendo o pop. Veja que interessante: Bill Clinton é pop. George Bush não é. João Paulo II é pop. Bento XVI não é. Steve Jobs, da Apple, é pop. Bill Gates não é. Chacrinha é pop. Faustão não é. Che Guevara é pop. Hugo Chavez não é. John Lennon é pop. Britney Spears não é. Marília Gabriela é pop. Jô Soares não é. Harley Davidson é pop. Honda não é. Fernando Gabeira é pop. Aldo Rabelo não é. Mikhail Gorbachev é pop. Vladimir Putin não é. Mario Covas e Jânio Quadros são pops. Alckmin e Serra não são. Juscelino Kubitscheck é pop. Lula não é… Deu pra sacar onde quero chegar? Pra mim, para alguém “ser pop” tem que ter mais que super visibilidade na mídia. Tem que ter o “mojo”. Mais um quê de irreverência. Tem que dar um frio no estômago da gente. Passar a sensação de que vai “aprontar” alguma. Significa romper com as regras, desobedecer ao bom senso, repudiar o consenso. Criar tendências. Para o bem ou para o mal. O verdadeiro pop é irresistível. No entanto, existem milhares de “pops” falsos por aí, ícones artificialmente criados pela mídia, que não têm aquele charme mágico. Que desaparecem assim que se apagam os refletores. O mesmo vale para entidades. E para temas. Se não tiver o “charme”, não é pop. Em recente evento sobre educação no Chile, terminei minha palestra e passei a uma seção de perguntas e respostas. Um dos questionamentos dizia que o tema de minha palestra  – o impacto da mídia na educação e o papel dos professores como agentes da alfabetização para a mídia – já era tema discutido nas universidades, mas que ninguém dava bola para isso. E eu respondi: “Essa discussão tem que sair do ambiente acadêmico! Tem de se tornar pop”. E a turma fez cara de persiana. Sim. Qualquer tema que mereça ser discutido a ponto de mobilizar a sociedade, tem de ser pop. A discussão sobre violência no Brasil não é pop. A discussão sobre educação no Brasil não é pop. A discussão sobre política no Brasil não é pop. Qual discussão é pop? A superficial, aquela que nos é impingida pela mídia com objetivos claramente comerciais, para conseguir audiência e aumentar o valor do aluguel dessa audiência aos patrocinadores. Por exemplo: a carne rasgada e queimada, a criança trucidada, a bala perdida, a família chacinada… Tudo isso é transformado em pop pela mídia, que reduz a discussão às conseqüências da violência, achando que está produzindo uma discussão pop. Mas é um pop falso. Igual ao “pop” de George Bush ou de Bento XVI: imposto mais pela imponência do cargo e das conseqüências de suas atitudes do que pelo charme mágico que o torna popular.
Muito bem. Bush vem aí. O Papa vem aí. E quase 50 mil brasileiros vão morrer este ano, vítimas da violência urbana. Esses três temas vão preencher páginas e páginas de revistas e jornais. Vão ocupar horas e horas de rádio e televisão. Vão atrapalhar o trânsito. Vão prender nossa atenção. E você, embalado pelo barulho e animado pelo rebanho, terá a sensação de ter participado de um momento pop! Mas não se engane. Depois que você xingar ou aplaudir o Bush, depois que você rezar ou ignorar o Papa, depois que você assinar o abaixo-assinado ou participar da passeata “pela paz”, pergunte: “o que é que ficou diferente?”
E é aí que está… Só o verdadeiro pop inspira mudanças em nossa vida.