Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
A rã e o escorpião
A rã e o escorpião
Isca intelectual de Luciano Pires, dizendo que é como ...

Ver mais

Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A verdade inconveniente da política atual
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o risco imediato para o futuro do mundo não é a desgraça do populismo: é o casamento incestuoso entre a degradação da política de hoje com a ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Que grandeza…
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de ...

Ver mais

O naufrágio e o mensalão

O naufrágio e o mensalão

Luciano Pires -

O ano de 2012 está sendo especialmente didático. Começou com uma tragédia quando o navio italiano Costa Concordia bateu numa rocha junto à ilha italiana de Giglio no dia 13 de janeiro. A colisão abriu um imenso buraco no casco e o navio encheu de água e virou. O comandante, apontado como o responsável pelo acidente por fazer uma manobra imprudente, abandonou a embarcação logo após o impacto, deixando a tripulação e os mais de quatro mil passageiros para trás. 32 pessoas morreram. Na sequência todos os noticiários reproduziram o diálogo que o Gregorio Maria De Falco, Comandante da Capitania do Porto de Livorno, manteve por telefone com o Capitão do navio, Francesco Schettino, que estava dentro de um dos barcos, fugindo. Aos berros o Comandante Gregorio mandava o capitão retornar para o navio:

– Vada a bordo, cazzo!

O diálogo foi celebrado em todo mundo, especialmente pela forma crua e impactante da violenta dura que deixou o capitão fujão sem palavras. No dia seguinte havia um clamor nacional na Itália: “Comandante Gregorio para primeiro ministro!”. Gregorio Maria De Falco passou a ser tratado como um herói nacional.

Agora o Brasil. Nestes últimos dias ocorreu o momento mais importante do julgamento do Mensalão, com a condenação dos graúdos réus políticos: José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares. A figura principal do julgamento foi o Ministro Joaquim Benedito Barbosa Gomes, relator do processo, que trazia consigo o incômodo de ter sido indicado para o STF pelo ex-presidente Lula, maior interessado na absolvição dos réus.

Joaquim Barbosa cumpriu seu papel: foi duro, severo e combativo, deixando claro que houve corrupção. A maior parte da imprensa tentou em muitos momentos demonstrar que havia uma divisão no STF, com a turma do Joaquim de um lado e a turma do Lewandowski de outro, mas isso jamais houve. Os réus foram condenados respectivamente por 8 x 2, 9 x 1 e 10 x 0, e Joaquim Barbosa passou a ser aplaudido nos Shopping Centers e restaurantes. Por onde passa é celebrado como o mais novo herói nacional, o homem que bravamente mostrou ao país que corrupto tem que ser tratado como corrupto, não importa a patente.

Muito bem… Sabe o que é que o Comandante De Falco e o Ministro Joaquim Barbosa tem em comum? Apoiados em seus valores morais, ambos defenderam em público suas convicções, aquilo que acharam certo. Até no berro, se preciso. E a platéia caiu a seus pés.

O que ambos fizeram foi apenas cumprir com sua obrigação! Mas acontece que estamos tão perdidos, tão desesperadamente em busca de líderes, de modelos, de gente que não esteja moralmente de cabeça para baixo, que “apenas cumprir com a obrigação” tem mesmo que ser comemorado como uma grande vitória!

E se a obrigação for cumprida com convicção, temos heróis!

Mas De Falco e Joaquim rejeitam insistentemente o rótulo. Para eles, nada mais fizeram que cumprir sua obrigação, e estão certos. Merecem os parabéns por um trabalho bem feito, por servir de modelo de comportamento, por atender à expectativa da sociedade, por vencer suas batalhas.

Mas a guerra está só no começo.

Luciano Pires