Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

609 – As leis
609 – As leis
No Fórum da Liberdade que aconteceu em abril de 2018 em ...

Ver mais

608 – As 12 Regras
608 – As 12 Regras
Jordan Peterson é psicólogo clínico, crítico cultural e ...

Ver mais

607 – Uma Guerreira
607 – Uma Guerreira
Este programa reproduz na íntegra o LíderCast 100, pois ...

Ver mais

LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 - Hoje conversamos com Jeison Arenhardt, ...

Ver mais

LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 - Hoje conversamos com Odayr Baptista, ...

Ver mais

LíderCast 103 – Ivan Witt
LíderCast 103 – Ivan Witt
Hoje conversamos com Ivan Witt, um executivo brasileiro ...

Ver mais

LíderCast 102 – Paulo Cruz
LíderCast 102 – Paulo Cruz
Com Paulo Cruz, professor, pensador, voz dissonante da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O Ibope e a caricatura do conservadorismo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Essa pesquisa que mede o grau de conservadorismo da sociedade brasileira é das coisas mais estúpidas que o Ibope já fez.

Ver mais

A nova onda
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4 A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora ...

Ver mais

A Copa do Mundo Socioeconômica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Copa do Mundo Socioeconômica[1] Considerações preliminares No próximo dia 14 de junho terá início a 21ª edição da Copa do Mundo da FIFA (Fedération Internationale de Football Association), um ...

Ver mais

As 50 empresas mais inovadoras do mundo
Mauro Segura
Transformação
Saiu a edição 2018 do estudo "As 50 empresas mais inovadoras do mundo" do BCG, que apresenta os principais movimentos que grandes organizações estão fazendo para inovar e impactar a sociedade.

Ver mais

Cafezinho 65 – A burrice
Cafezinho 65 – A burrice
Qualquer semelhança com gente que você conhece é pura ...

Ver mais

Cafezinho 64 – Outra piada
Cafezinho 64 – Outra piada
O caso do triplex no Guarujá começou em setembro de ...

Ver mais

Cafezinho 63 – Sai fora
Cafezinho 63 – Sai fora
As pessoas com as quais você anda, as fontes das quais ...

Ver mais

Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de ...

Ver mais

O Muro

O Muro

Luciano Pires -

No auge da Guerra Fria, em 1961, a Alemanha foi dividida em duas. De um lado a República Federativa Alemã, controlada pelo bloco liderado pelos Estados Unidos. De outro a República Democrata Alemã, controlada pelo bloco liderado pela União Soviética. Aliás, veja como eles adoram manipular palavras: os socialistas/comunistas chamavam-se de democratas enquanto fuzilavam quem tentava passar de uma Alemanha para a outra…
E um dia construíram um muro. O Muro de Berlim. Que permaneceu em pé por 28 anos, como um monumento à vergonha. Quando o Muro de Berlim caiu, em novembro de 1989, o mundo começou a experimentar mudanças fundamentais. Era o fim da guerra fria e o começo do fim da poderosa União Soviética. O capitalismo triunfara sobre o comunismo/socialismo, que assassinou mais de 100 milhões de pessoas em nome de um “futuro perfeito”.
Depois que o muro caiu, milhares de empresas que atuavam no lado socialista foram colocadas à venda e muita gente interessou-se por comprá-las como estratégia para penetrar em novos mercados e utilizar mão-de-obra de baixo custo. Na época a empresa na qual eu trabalhava mandou alguns executivos para conhecer as oportunidades. Uma das fábricas ofertadas era de eixos cardan em Berlim Oriental. O Sidney, grande amigo meu e responsável pelas fábricas de cardans no Brasil, foi convocado para ir até lá avaliar a fábrica. Quando voltou, estava impressionado. Lembro-me quando me contou que, ao cruzar pelo que era a antiga fronteira entre as alemanhas, ficou chocado. As árvores haviam desaparecido. Não havia pássaros. Nem cachorros. O solo estava escurecido, impregnado de óleos e todos os tipos de poluentes. Tudo era cinza, numa desolação só, criando um quadro de abandono e degradação. O homem havia destruído a natureza naquela região.
O Sidney me contou que um dos altos executivos da empresa à venda ostentava com todo orgulho seu maior patrimônio: um conjunto de canetas coloridas que trazia no bolso. É que, quando o muro caiu, como milhares de alemães que cresceram sob as baionetas do socialismo/comunismo, o tal executivo cruzou a fronteira para conhecer a Berlim capitalista. Perambulou por horas, fascinado diante de vitrines com comidas, roupas e objetos que ele nem sabia que existiam. Como ele, milhares de outras pessoas invadiram as ruas capitalistas como um exército de zumbis. Estavam diante de um mundo desconhecido. O sujeito dormiu num banco de praça. Comprou o conjunto de canetas e retornou para casa fascinado. Ali começou o renascimento do que tinha sido a Alemanha Oriental socialista.



O que mais me impressionou nessa história foi a descrição de como a natureza foi destruída na região. De como tudo era cinza e sombrio. De como levaria anos até que o solo fosse descontaminado. Um caos ecológico.
Reverter esse quadro custou muito dinheiro, recessão e inflação para a Alemanha Ocidental que teve que elevar o padrão de vida dos habitantes da Alemanha Oriental, num esforço sem precedentes na história. Graças à Alemanha capitalista, não só a dignidade humana foi recuperada, mas também o meio ambiente e as expectativas de vida que haviam sido destruídas pelo socialismo/comunismo.



Por isso não entendo como ainda damos ouvidos ao discurso mentiroso dos esquerdistas que usam a defesa do meio ambiente como arma ideológica. Essas pessoas representam exatamente os regimes que mais destruíram e destroem a natureza, suprimem as liberdades individuais e usam a mentira como estratégia! 



Mas neste mundo que emburrece a cada dia, a história nunca serve de lição.
Preferimos ser enganados.