Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

O Montanhista

O Montanhista

Luciano Pires -

Um amigo está escalando o Everest. Carlos Morey, que conheci quando estava me preparando para a caminhada ao Campo Base da maior montanha do mundo, levou a sério um plano ambicioso: escalar cada uma das montanhas mais altas de cada continente. E só falta o Everest.


Quem nunca foi para a montanha dificilmente entende o que alguém vai fazer lá. Uma coisa que as pessoas sempre me perguntam é se me tornei mais “espiritual”, se algo mudou no meu jeito de ver a vida em função da viagem. Se encontrei Deus.
Explico que não fui para lá com esse objetivo. Deus ou Maomé ou Buda ou Jeová ou qualquer outra referência religiosa ou de valores são coisas pessoais, que têm as mesmas raízes e um só fundamento: o respeito ao semelhante.
Caminhando na trilha do Everest mergulhei em mim e estive muito próximo de um estado religioso. Ao contemplar a natureza selvagem também. Ao observar a energia das pessoas que vivem numa região inóspita e miserável, com alegria e gentileza inigualáveis, idem.


Lembro-me da história de um alto executivo que trabalhava na costa Oeste dos EUA. Um dia, recebeu um convite para transferir-se para outra empresa, em Nova Iorque, a cerca de 4.500 de quilômetros de distância. Quem o convidou passou a seguinte instrução:


– Venha para cá conversar. Mas você deve vir de trem. Numa cabine só sua. Sem livros, TV, rádio, revistas ou jornais.


O executivo estranhou, mas atendeu. Durante horas permaneceu sozinho com seus pensamentos. Nada para distrair a atenção. Apenas refletindo. No trem, teve muito tempo para raciocinar a respeito e entendeu a instrução “absurda” de seu amigo. Foram aquelas horas de concentração que lhe permitiram avaliar profundamente a proposta, as conseqüências e os riscos. Quando chegou a NY, já tinha tomado a decisão que mudaria sua vida: aceitou a proposta.

Sabe aquela parada que a gente dá para um cafezinho? Aquele momento mágico em que relaxamos e que, muitas vezes, é o momento em que surgem as idéias, a inspiração? O Everest foi meu cafezão.
Eram horas de caminhada diária. Concentração nos passos, na respiração. Um ritmo que me colocava num estado mental muito próximo da meditação. Usei aquele tempo para pensar na vida. Questionar a razão de suportar coisas que me desagradavam. Imaginar que eu seria capaz de realizar coisas que achava impossíveis…


A trilha do Everest me deu inclusive a resposta para uma questão que me agoniava. Durante pelo menos oito anos, morei num extremo da cidade de São Paulo e trabalhei noutro. Eram quase 90 quilômetros entre ida e volta, que me tomavam por dia cerca de três horas, num trânsito infernal. Por muito tempo questionei o absurdo de jogar fora três horas diárias de alguns dos anos mais produtivos de minha vida.
Na trilha do Everest percebi que aquela rotina diária no trânsito não era improdutiva. Aquelas eram horas preciosas de reflexão, de criação. Muito do que realizei nasceu dos momentos em que me vi só, no trânsito, quase em estado de meditação. Imagino que essa seja a recompensa dos que vão para o Caminho de Santiago. Dos navegadores solitários. Dos montanhistas. Dos corredores. Dos esportistas de alto desempenho.


Reflexão.


Foi isso que a trilha do Everest me proporcionou. O bastante para mudar minha vida. Por isso vou pras montanhas.


A aventura do Carlos Morey está sendo acompanhada no blog www.omeueverest.com.br/blog . Se você tiver tempo, passe por lá e deixe uma mensagem pra ele.