Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

O Montanhista

O Montanhista

Luciano Pires -

Um amigo está escalando o Everest. Carlos Morey, que conheci quando estava me preparando para a caminhada ao Campo Base da maior montanha do mundo, levou a sério um plano ambicioso: escalar cada uma das montanhas mais altas de cada continente. E só falta o Everest.


Quem nunca foi para a montanha dificilmente entende o que alguém vai fazer lá. Uma coisa que as pessoas sempre me perguntam é se me tornei mais “espiritual”, se algo mudou no meu jeito de ver a vida em função da viagem. Se encontrei Deus.
Explico que não fui para lá com esse objetivo. Deus ou Maomé ou Buda ou Jeová ou qualquer outra referência religiosa ou de valores são coisas pessoais, que têm as mesmas raízes e um só fundamento: o respeito ao semelhante.
Caminhando na trilha do Everest mergulhei em mim e estive muito próximo de um estado religioso. Ao contemplar a natureza selvagem também. Ao observar a energia das pessoas que vivem numa região inóspita e miserável, com alegria e gentileza inigualáveis, idem.


Lembro-me da história de um alto executivo que trabalhava na costa Oeste dos EUA. Um dia, recebeu um convite para transferir-se para outra empresa, em Nova Iorque, a cerca de 4.500 de quilômetros de distância. Quem o convidou passou a seguinte instrução:


– Venha para cá conversar. Mas você deve vir de trem. Numa cabine só sua. Sem livros, TV, rádio, revistas ou jornais.


O executivo estranhou, mas atendeu. Durante horas permaneceu sozinho com seus pensamentos. Nada para distrair a atenção. Apenas refletindo. No trem, teve muito tempo para raciocinar a respeito e entendeu a instrução “absurda” de seu amigo. Foram aquelas horas de concentração que lhe permitiram avaliar profundamente a proposta, as conseqüências e os riscos. Quando chegou a NY, já tinha tomado a decisão que mudaria sua vida: aceitou a proposta.

Sabe aquela parada que a gente dá para um cafezinho? Aquele momento mágico em que relaxamos e que, muitas vezes, é o momento em que surgem as idéias, a inspiração? O Everest foi meu cafezão.
Eram horas de caminhada diária. Concentração nos passos, na respiração. Um ritmo que me colocava num estado mental muito próximo da meditação. Usei aquele tempo para pensar na vida. Questionar a razão de suportar coisas que me desagradavam. Imaginar que eu seria capaz de realizar coisas que achava impossíveis…


A trilha do Everest me deu inclusive a resposta para uma questão que me agoniava. Durante pelo menos oito anos, morei num extremo da cidade de São Paulo e trabalhei noutro. Eram quase 90 quilômetros entre ida e volta, que me tomavam por dia cerca de três horas, num trânsito infernal. Por muito tempo questionei o absurdo de jogar fora três horas diárias de alguns dos anos mais produtivos de minha vida.
Na trilha do Everest percebi que aquela rotina diária no trânsito não era improdutiva. Aquelas eram horas preciosas de reflexão, de criação. Muito do que realizei nasceu dos momentos em que me vi só, no trânsito, quase em estado de meditação. Imagino que essa seja a recompensa dos que vão para o Caminho de Santiago. Dos navegadores solitários. Dos montanhistas. Dos corredores. Dos esportistas de alto desempenho.


Reflexão.


Foi isso que a trilha do Everest me proporcionou. O bastante para mudar minha vida. Por isso vou pras montanhas.


A aventura do Carlos Morey está sendo acompanhada no blog www.omeueverest.com.br/blog . Se você tiver tempo, passe por lá e deixe uma mensagem pra ele.