Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

O Meu Polo Norte

O Meu Polo Norte

Luciano Pires -

Enquanto você lê este texto, estou em Murmansk, na Rússia, a bordo do “Fifty Years of Victory”, o maior navio quebra-gelos do mundo. Um navio nuclear russo. Faço parte de uma turma que terá o privilégio de ir até o Pólo Norte. Não, você leu certo: estou indo para o Pólo Norte, aquele lugar longe de tudo, gelado, inóspito, desabitado, a casa dos ursos polares, que fica no topo do mundo… Terei a oportunidade única de comemorar meu aniversário dentro do círculo polar ártico. Que chique!


Quando comecei a contar para as pessoas que eu ia para o Pólo Norte, a pergunta que mais ouvi foi esta: vai fazer o quê lá? Interessante né? Por que é que todo mundo acha que só vale a pena ir para algum lugar se for para fazer alguma coisa lá? Parafraseando o explorador George Mallory, estou indo para o Pólo Norte porque ele está lá. Ponto. Quero ter essa história para contar. Quero ter a sensação de colocar os pés num lugar onde poucos homens estiveram. Quero fazer uma viagem que custou a vida de centenas de homens que tentaram fazê-la ao longo da história. E pra quê? Pra mim, oras ! E pra depois contar para as pessoas.


Desde que retornei do Everest, em 2001, pesquisei outros destinos que proporcionassem viagens transformadoras. O Kilimanjaro, montanha mais alta da África. O Aconcágua, a mais alta das Américas. No Congo, a montanha dos gorilas. O Vietnan e o Camboja. A Antártica. O Pólo Norte… Lugares instigantes, não é? Cada um deles representando um desafio diferente, uma experiência diferente.


Em 2006 consegui ir ao Aconcágua, numa viagem acidentada mas que valeu cada passo. Depois, vários problemas atrapalharam meus planos para novas viagens. Até que em março de 2008, quando marquei a data para sair da empresa onde trabalhei por 26 anos, a mágica começou… Eu deixaria a segurança do executivo de multinacional para tocar meu próprio negócio, fazendo palestras, cuidando de um site que já virou portal, escrevendo artigos e livros… Era uma nova aventura. Insegura. Incerta. Voltei para casa com uma certa ansiedade e abri meu e-mail. Lá encontrei um prospecto para uma viagem de cerca de 20 dias até o Pólo Norte. Era o momento exato para marcar a transição em minha carreira.


A primeira reação foi: não! Agora não dá! Tenho muitas providências a tomar, coisas para organizar. A segunda foi “por quê não?”… Essa foi a pergunta transformadora. A viagem que parecia um absurdo, um despropósito, repentinamente transformou-se na opção certa para o momento certo.
“Por quê não?”…
Acho que essa é a pergunta mais importante que fazemos ao longo de nossas vidas…


O resultado é que aqui estou mergulhado numa aventura para poucos, realizando mais um sonho que me trará experiências únicas. Passarei pelas trilhas dos antigos exploradores, visitarei o Ártico no verão, verei de perto os efeitos do aquecimento global, conversarei com pessoas do mundo todo, estarei em meio a alguns técnicos e cientistas, filmarei e fotografarei tudo e quando voltar terei um tesouro sem preço: as memórias do Meu Pólo Norte.
Para muita gente isso parece pouco. Mas para mim é o fundamental.


Ah, sim, retornando à questão inicial: a resposta pra quem quer saber por que eu vou pro Pólo Norte é simples.


Porque eu quero.