Artigos Café Brasil
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que você afirmar que é de direita ajuda a esquerda?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

O Meu Polo Norte

O Meu Polo Norte

Luciano Pires -

Enquanto você lê este texto, estou em Murmansk, na Rússia, a bordo do “Fifty Years of Victory”, o maior navio quebra-gelos do mundo. Um navio nuclear russo. Faço parte de uma turma que terá o privilégio de ir até o Pólo Norte. Não, você leu certo: estou indo para o Pólo Norte, aquele lugar longe de tudo, gelado, inóspito, desabitado, a casa dos ursos polares, que fica no topo do mundo… Terei a oportunidade única de comemorar meu aniversário dentro do círculo polar ártico. Que chique!


Quando comecei a contar para as pessoas que eu ia para o Pólo Norte, a pergunta que mais ouvi foi esta: vai fazer o quê lá? Interessante né? Por que é que todo mundo acha que só vale a pena ir para algum lugar se for para fazer alguma coisa lá? Parafraseando o explorador George Mallory, estou indo para o Pólo Norte porque ele está lá. Ponto. Quero ter essa história para contar. Quero ter a sensação de colocar os pés num lugar onde poucos homens estiveram. Quero fazer uma viagem que custou a vida de centenas de homens que tentaram fazê-la ao longo da história. E pra quê? Pra mim, oras ! E pra depois contar para as pessoas.


Desde que retornei do Everest, em 2001, pesquisei outros destinos que proporcionassem viagens transformadoras. O Kilimanjaro, montanha mais alta da África. O Aconcágua, a mais alta das Américas. No Congo, a montanha dos gorilas. O Vietnan e o Camboja. A Antártica. O Pólo Norte… Lugares instigantes, não é? Cada um deles representando um desafio diferente, uma experiência diferente.


Em 2006 consegui ir ao Aconcágua, numa viagem acidentada mas que valeu cada passo. Depois, vários problemas atrapalharam meus planos para novas viagens. Até que em março de 2008, quando marquei a data para sair da empresa onde trabalhei por 26 anos, a mágica começou… Eu deixaria a segurança do executivo de multinacional para tocar meu próprio negócio, fazendo palestras, cuidando de um site que já virou portal, escrevendo artigos e livros… Era uma nova aventura. Insegura. Incerta. Voltei para casa com uma certa ansiedade e abri meu e-mail. Lá encontrei um prospecto para uma viagem de cerca de 20 dias até o Pólo Norte. Era o momento exato para marcar a transição em minha carreira.


A primeira reação foi: não! Agora não dá! Tenho muitas providências a tomar, coisas para organizar. A segunda foi “por quê não?”… Essa foi a pergunta transformadora. A viagem que parecia um absurdo, um despropósito, repentinamente transformou-se na opção certa para o momento certo.
“Por quê não?”…
Acho que essa é a pergunta mais importante que fazemos ao longo de nossas vidas…


O resultado é que aqui estou mergulhado numa aventura para poucos, realizando mais um sonho que me trará experiências únicas. Passarei pelas trilhas dos antigos exploradores, visitarei o Ártico no verão, verei de perto os efeitos do aquecimento global, conversarei com pessoas do mundo todo, estarei em meio a alguns técnicos e cientistas, filmarei e fotografarei tudo e quando voltar terei um tesouro sem preço: as memórias do Meu Pólo Norte.
Para muita gente isso parece pouco. Mas para mim é o fundamental.


Ah, sim, retornando à questão inicial: a resposta pra quem quer saber por que eu vou pro Pólo Norte é simples.


Porque eu quero.