Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

O mensalão e a política dos chimpanzés

O mensalão e a política dos chimpanzés

Luciano Pires -

Em seu livro “Chimpanzee Politics”, o primatologista alemão Frans de Waal apresentou os resultados de sete anos de estudos com uma colônia de chimpanzés no zoológico e Arnhem, na Holanda. O trabalho de De Waal, somado ao de outros primatologistas reconhecidos, como Nicholas Humphrey, contribuiu grandemente para a compreensão do comportamento dos primatas em sociedade. Suas descobertas foram imediatamente relacionadas ao comportamento dos seres humanos, especialmente por ele introduzir na primatologia o pensamento do italiano Nicolau Maquiavel – explicitado em seu famoso livro O Príncipe -, cunhando o termo “Inteligência Maquiavélica”, que mais tarde chamamos de “maquiavelismo”. A inteligência maquiavélica diz respeito a técnicas aplicadas por quem quer ter sucesso político na sociedade e compreende comportamentos como fazer e quebrar alianças, falar verdades ou mentiras, fazer e quebrar promessas e regras, manipulação, etc. O maquiavelismo está presente em todas as instâncias de nossas vidas, seja nos grandes grupos sociais ou no seio de nossas famílias, e a mentira é seu maior instrumento. Demonstrando que os macacos também usam a mentira como instrumento para resolver conflitos e serem bem sucedidos em suas sociedades, De Wall concluiu que homens e macacos são simplesmente tipos diferentes de… macacos!

Uma das conclusões dos estudos sobre a mentira e suas aplicações, como por exemplo a trapaça, indicam que o mentiroso sempre considera o que o outro estará pensando. Quem mente para você, portanto, está de certa forma avaliando o seu grau de inteligência. Se o mentiroso considera que você é um estúpido, incapaz de perceber relações de causa e consequência ou as implicações morais das escolhas, mentirá desavergonhadamente, como faz uma criança de quatro anos de idade que diz os maiores absurdos para evitar uma punição. E alguns mentirosos profissionais consideram que você é um macaco…

Bem, onde quero chegar? Começa o julgamento do Mensalão pelo Supremo Tribunal Federal. Durante as próximas semanas estaremos expostos, como nunca antes na história deste país, a uma das maiores coleções de mentiras já pronunciadas no idioma português. Algumas são tão absurdas, tão vigaristas, tão indecentes, que me sinto ofendido só de ouvi-las. Não perderei tempo aqui elencando mentiras, já está tudo mais do que explicitado na internet, rádio, jornais, revistas e televisão. Quero apenas fazer uma sugestão: siga o julgamento sob o ponto de vista da inteligência maquiavélica. Observe a forma como os advogados dos acusados farão ginásticas verbais para dar às mentiras um verniz de verdades ou fazer com que crimes deliberados pareçam deslizes de incompetentes. Observe como grupos organizados, especialmente na imprensa, manipularão as versões dos acontecimentos. Repare nos olhares, nos sorrisos, nos gestos.

Estaremos nos próximos dias como esteve De Waal no zoológico de Arnhem: observando um grupo de macacos que mentem.

Mas não se engane.

Para eles, o macaco é você.

Luciano Pires