Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

O Trivium – Capítulo 1
Alexandre Gomes
Lembra do que foi dito no primeiro texto sobre as sete Artes Liberais? Pois bem, a Irmã Miriam Joseph expõe da maneira dela, e isso pode ajudar a entender o que foi dito antes. Bom, primeiro as ...

Ver mais

Da cor do racismo ESPANHOL
Jota Fagner
Origens do Brasil
Compartilho com vocês o depoimento de uma amiga, conterrânea, que foi discriminada ao tentar entrar na Espanha. A metodologia aplicada  para decidir quem pode e quem não pode entrar  parece de um ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Não enxergar o que Temer fez de bom foi uma escolha à ...

Ver mais

Cafezinho 139 – O que não se vê
Cafezinho 139 – O que não se vê
Se o IVA passar pelo Inferno de Dante do Congresso, ...

Ver mais

O melhor senso

O melhor senso

Luciano Pires -

Recebo um e-mail de meu amigo Augusto:

“Outro dia fiz uma apologia ao ‘bom senso’. Eis que, lendo um livro pra loucos não tão velhos, descubro uma definição de Albert Einstein para o tal bom senso que sepultou de vez minhas (in)certezas: ‘Bom senso é o conjunto de todos os preconceitos que adquirimos durante nossos primeiros dezoito anos de vida‘. Noutra fonte descubro: ‘as opiniões de homens comuns; julgamentos sólidos e prudentes mas, em geral, não muito sofisticados’. Arrasado, notei o que me incomodava tanto… e o tal bom senso me levou a refletir muito antes de mandar um e-mail desmentindo minha fervorosa defesa anterior. Abaixo o ‘bom senso’, digo agora, e com ele todos aqueles que, como eu, o defendem tão inocentemente”.

O Augusto referia-se a um diálogo no qual falamos da necessidade de simplificar os processos, de aplicar o bom senso. Tomei o e-mail do Augusto como a descoberta de que aquilo que é considerado “normal” é exatamente o que nos coloca no mundo da mediocridade.

José Ingenieros escreveu: “O homem medíocre é, por essência, imitativo e está perfeitamente adaptado para viver em rebanho, refletindo as rotinas, pré-juizos e dogmatismos reconhecidamente úteis para a domesticidade”.

Domesticidade. Viver em rebanho. Sem sustos, sendo levado para onde o pastor quer. Basta usar o bom senso.

O ser humano quer o bom senso para classificar as atitudes naquilo que considera “normal”, e assim entendê-las. Isso não é ruim, na verdade é uma das formas de tornar possível o convívio em sociedade. O problema é quando o bom senso representa apenas “o conjunto de todos os preconceitos que adquirimos durante nossos primeiros dezoito anos de vida.” Quem não ampliou seu repertório, não aprendeu com seus erros e com os erros dos outros, é escravo desses preconceitos e trabalha para que tudo permaneça exatamente como está.

Mas num mundo competitivo, ser mediano, ser normal, jogar pelas regras, fazer tudo certinho, é ser invisível. Se você não quer passar pela vida invisível, talvez tenha que estabelecer uma nova classificação: em vez de bom senso, falar no “melhor senso”, aquele que você julga o mais adequado para o momento, sem precisar ser o senso comum, o tradicional, o que todos esperam, o “normal”. Pode ser um senso maluco, capaz de tirar você do mar de mediocridade em que nos vemos afundados.

Mas o “melhor senso” tem problemas. Primeiro, depende de sua capacidade de julgamento. Infelizmente a maioria das pessoas só consegue julgar com base no “conjunto de todos os preconceitos que adquirimos durante nossos primeiros dezoito anos de vida”. Julgamentos precisam de repertório, de referências, de valores. E numa sociedade onde as pessoas estão acostumadas a viver em rebanho, domesticadas, os valores e referências padrões são aqueles… comuns. Daí tudo estar tão igual, tão “normal”.

Segundo: quem é que tem peito pra defender um melhor senso que vá contra o consenso da maioria? Pois é…

Esqueça o bom senso de vez em quando. Faça diferente. Não seja normal. Não jogue exclusivamente pelas regras. Procure seu melhor senso. Talvez assim você faça a diferença.

Mas prepare-se para apanhar…

Luciano Pires