Artigos Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

O marisco

O marisco

Luciano Pires -

Nos últimos 12 anos, os assassinatos no Estado de São Paulo recuaram 72%! De 35,27 a cada 100 mil habitantes em 1999, para 9,9 a cada 100 mil, em 2011. A cidade de São Paulo terminará 2012 com pouco mais de 10 mortos a cada 100 mil habitantes. Enquanto isso o Rio de Janeiro tem 24,3 mortos por 100 mil, mas ninguém fala em caos na segurança pública. Salvador tem mais de 55 mortos por 100 mil, mas não aparece nas primeiras páginas dos jornais. João Pessoa tem 80 mortos por 100 mil, mas o Ministro da Justiça não vai lá insinuar que o governo do estado é incompetente.

É um escândalo.

Em 2010 no auditório de um dos CEUS na cidade de São Paulo, diante de cerca de 300 policiais militares, preparei-me para fazer minha palestra GENTE NUTRITIVA, num evento de um dos comandos regionais da PM. Vários policiais foram condecorados por atos de bravura, e cada um deles tinha na plateia sua família. Era evidente o orgulho com que recebiam as condecorações. E então o Comandante, emocionado, fez uma homenagem póstuma a uma policial que, aos 30 anos de idade, perdeu a vida num enfrentamento com bandidos. Senti um misto de angústia e perplexidade ao imaginar como será estar ao lado da esposa e filhos, ouvindo a história de um colega seu que morreu numa situação como aquelas que você vivencia diariamente.

Comecei minha apresentação comentando o nome da palestra. O que é que “Gente Nutritiva” tinha a ver com 350 policiais fardados e armados? Bem, sem as fardas e armas, aquelas pessoas eram gente igual à gente, que sente frio e fome, calor e medo, amor e ódio. Gente normal que, por sua função, recebe da sociedade a autoridade sobre outras pessoas normais. Gente que pode ser, sim, nutritiva mesmo de arma na mão. Conversei com eles e seus familiares e saí de lá feliz por ter conhecido um lado da polícia que eu desconhecia: o lado dos seres humanos, que a gente não vê na imprensa, onde a polícia aparece quase que exclusivamente como a corporação que congrega gente perigosa que abusa da autoridade e mata.

É inevitável lembrar aquela experiência nestes dias violentos em que bandidos decretaram a caça a policiais em São Paulo. Morreram quantos já? 90? 100? E onde é que esses mortos foram chorados? Não vi choro na imprensa e nem político fazendo discurso para as famílias. Não vi videoclipes na televisão com o pianinho ao fundo enquanto aparecem as lágrimas da viúva do policial. Não vi representantes de entidades de defesa dos direitos humanos preocupados com os filhos dos que foram mortos pela bandidagem. Por que para esses corajosos defensores dos oprimidos, policiais mortos não merecem lágrimas? Porque são eles os criminosos?

Dentro de uma corporação com mais de 90 mil homens e mulheres é normal que existam desonestos, aproveitadores e até bandidos. Mas imaginar que esses são a maioria é abusar da estupidez.

Aquelas pessoas comuns debaixo das fardas, assim como você, estão sendo usadas – mais uma vez – como peças de um jogo político que tem por objetivo único a conquista do governo do Estado de São Paulo. Não importa se estão morrendo, não importa se São Paulo tem a política de segurança pública mais bem sucedida do país. Não importa o que acontece de fato. Só importa a versão do fato.

Na briga do rochedo com o mar, quem se ferra é o marisco, lembra?

O marisco é você.

Luciano Pires