Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

O Trivium – Capítulo 1
Alexandre Gomes
Lembra do que foi dito no primeiro texto sobre as sete Artes Liberais? Pois bem, a Irmã Miriam Joseph expõe da maneira dela, e isso pode ajudar a entender o que foi dito antes. Bom, primeiro as ...

Ver mais

Da cor do racismo ESPANHOL
Jota Fagner
Origens do Brasil
Compartilho com vocês o depoimento de uma amiga, conterrânea, que foi discriminada ao tentar entrar na Espanha. A metodologia aplicada  para decidir quem pode e quem não pode entrar  parece de um ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Não enxergar o que Temer fez de bom foi uma escolha à ...

Ver mais

Cafezinho 139 – O que não se vê
Cafezinho 139 – O que não se vê
Se o IVA passar pelo Inferno de Dante do Congresso, ...

Ver mais

O Marco Civil não orna

O Marco Civil não orna

Luciano Pires -

Em 9 de fevereiro de 1967, sob a presidência do Marechal Humberto Castelo Branco, foi promulgada a Lei de Imprensa no Brasil. Com ela o governo podia punir de forma dura os jornalistas e órgãos de imprensa cuja opinião fosse considerada caluniosa, ofensiva, difamatória ou perigosa para a “estabilidade institucional da nação”. E até 2009 a Lei de Imprensa assombrou a liberdade de opinião no Brasil. É certo que desde o fim do regime militar a lei perdeu muito de sua força e passamos a viver um clima de liberdade democrática, mas ela estava lá, como um esqueleto no armário.

Levamos 42 anos para revogar a Lei da Imprensa. Agora cada caso é tratado com decisões judiciais fundamentadas na Constituição Federal e num Código Civil que defende cada brasileiro contra discriminação, pedofilia, invasão de privacidade, ofensas à honra, calúnia, injúria, difamação e mais uma infinidade de ameaças a nossos direitos humanos e de cidadãos.

O Supremo Tribunal Federal concluiu que não é necessária uma lei para punir os crimes da imprensa, basta seguir o Código Civil.

E então surge o tal Marco Civil da Internet, lançado coincidentemente em 2009, mesmo ano em que a Lei de Imprensa foi revogada pelo STF. E vem “para regulamentar a Internet no Brasil, prevenindo que indivíduos sejam vigiados sem mandado, que dados possam ser guardados de forma a prejudicar a privacidade dos usuários e garantindo a neutralidade da rede por meio da previsão de princípios, garantias, direitos e deveres de quem usa a rede, e da determinação de diretrizes para a atuação do Estado através do poder judiciário, como controlador de conteúdo da rede e de seus usuários.”

Como a maioria das leis que quer nosso bem, a intenção parece ser a melhor possível. Mas “regular e controlar” e “internet” na mesma frase, como dizíamos lá em Bauru, não orna…

Consigo ver dois tipos de gente por trás da ideia desse Marco Civil: primeiro os que verdadeiramente estão preocupados em garantir a liberdade da internet. E depois os dissimulados que, por questões econômicas, políticas ou ideológicas, estão incomodados com a tal liberdade e querem criar algum tipo de controle. Os dois estão juntos no atacado, ao recorrer ao Estado para criar novas regras e leis, mas divergem no varejo, ao querer que essas leis atendam a seus objetivos específicos. Mas ambos querem o mesmo: mais controle. Como se uma nova lei fizesse com que as leis que hoje não são cumpridas, passem a sê-lo.

Mas mais controle pra que? Já temos dezenas, centenas, milhares de leis que podem ser facilmente aperfeiçoadas, incorporando novidades trazidas tanto pela tecnologia quanto pelos progressos ou retrocessos morais da sociedade. Fazer com que as leis que já existem sejam cumpridas é que garantirá a liberdade, neutralidade e privacidade que tanto desejamos. Liberdade não admite grilhões. Não admite controles. E não me lembro de ter visto nada mais livre, libertário, até mesmo anarquista, do que a internet nos moldes em que ela existe hoje. E é por conta dessa liberdade que surgem as ameaças.

O Marco Civil brasileiro, pela maioria das discussões que tenho visto, parece mais uma ferramenta de combate ao capital que qualquer outra coisa. Deixou de ser uma discussão técnica para ser ideológica, como tudo que se tem feito no Brasil pós-Lula. E no Brasil, quando a discussão é ideológica – já escrevi isso e repito – lidamos com questões de fé. Lembra do Drummond? “A fé dispensa o raciocínio”? Pois é.

O melhor Marco Civil da Internet é o Não-Marco Civil.

É o controle fundamentado “na Constituição Federal e num Código Civil que defende cada brasileiro contra pedofilia, invasão de privacidade, discriminação, ofensas à honra e contra calúnia, injúria, difamação e mais uma infinidade de ameaças a nossos direitos como seres humanos e cidadãos.”

É criar vergonha na cara e exigir que as leis sejam cumpridas.

É afastar a mão peluda do Estado, desregulamentando o mercado para que surjam mais competidores e botando na cadeia quem praticar abusos como cartéis, pressão econômica ou corrupção.

É não consumir de quem presta maus serviços.

Mas parece que tudo isso é um sonho.

O Marco Civil vem aí. Se for aprovado, tomara que não levemos 42 anos para revogá-lo.

Luciano Pires