Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

609 – As leis
609 – As leis
No Fórum da Liberdade que aconteceu em abril de 2018 em ...

Ver mais

608 – As 12 Regras
608 – As 12 Regras
Jordan Peterson é psicólogo clínico, crítico cultural e ...

Ver mais

607 – Uma Guerreira
607 – Uma Guerreira
Este programa reproduz na íntegra o LíderCast 100, pois ...

Ver mais

606- Histeria Política
606- Histeria Política
O assassinato da vereadora Marielle Franco no Rio em ...

Ver mais

LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 - Hoje conversamos com Jeison Arenhardt, ...

Ver mais

LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 - Hoje conversamos com Odayr Baptista, ...

Ver mais

LíderCast 103 – Ivan Witt
LíderCast 103 – Ivan Witt
Hoje conversamos com Ivan Witt, um executivo brasileiro ...

Ver mais

LíderCast 102 – Paulo Cruz
LíderCast 102 – Paulo Cruz
Com Paulo Cruz, professor, pensador, voz dissonante da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A nova onda
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora quando não está fazendo arruaça ou defendendo ladrão – para a TV Al Jazeera, do Qatar. Um lado achou ...

Ver mais

A Copa do Mundo Socioeconômica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Copa do Mundo Socioeconômica[1] Considerações preliminares No próximo dia 14 de junho terá início a 21ª edição da Copa do Mundo da FIFA (Fedération Internationale de Football Association), um ...

Ver mais

As 50 empresas mais inovadoras do mundo
Mauro Segura
Transformação
Saiu a edição 2018 do estudo "As 50 empresas mais inovadoras do mundo" do BCG, que apresenta os principais movimentos que grandes organizações estão fazendo para inovar e impactar a sociedade.

Ver mais

E se fosse diferente?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A esquerda em geral, e oportunistas em particular, usaram a morte da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada a tiros em 14/03, como palanque; e da forma mais vitimista possível. É óbvio ...

Ver mais

Cafezinho 64 – Outra piada
Cafezinho 64 – Outra piada
O caso do triplex no Guarujá começou em setembro de ...

Ver mais

Cafezinho 63 – Sai fora
Cafezinho 63 – Sai fora
As pessoas com as quais você anda, as fontes das quais ...

Ver mais

Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de ...

Ver mais

Cafezinho 61 – A arte suave
Cafezinho 61 – A arte suave
Sergio Moro e seus pupilos jogam a arte suave.

Ver mais

O Macaco E O Baixo

O Macaco E O Baixo

Luciano Pires -

Em 1975 um conjunto chamado “10 CC” lançou uma música com grande sucesso : “I’m not in Love”. No arranjo chamava atenção o baixo. Ele era o instrumento mais importante. Era algo diferente, instigante até. Lembro-me de ver meu amigo Chiquinho com outros músicos estudando o arranjo e vibrando com o baixo. Mas um dia o Chico apareceu indignado. Contou que estava conversando com um conhecido músico sobre a tal música, quando o cara disse:


– A música é legal. O que estraga é aquele baixo…

“Onde já se viu? “ disse o Chico. “O baixo era a alma da música e aquele idiota não percebeu!” E o Chico foi embora resmungando… Fiquei com aquilo na cabeça. Um músico que não conseguia perceber um detalhe que fazia toda a diferença. Ou será que ele apenas não entendeu? O fato é que o detalhe principal foi deixado de lado pelo profissional.

Tempos depois, quando eu era diretor de arte aprendi uma historinha famosa no meio publicitário : a do criativo que bolou uma propaganda muito boa, que tinha como peça principal aquela cena dramática em que King Kong está sobre o Empire State Building em Nova Iorque, sendo atacado por meia dúzia de aviões. Ao apresentar a propaganda para o cliente ele ouve o seguinte:

– Excelente! Ótimo! Mas vou pedir uma mudancinha. Tire o macaco.

Você já passou por isso, hein? Ver o detalhe fundamental ser esquecido, não compreendido ou simplesmente ignorado por um míope profissional?

Pois estou vendo isso acontecer outra vez. Falei com alguns amigos que trabalham em grandes empresas. Perguntei como estavam as coisas e eles disseram que este foi um ano excelente para os negócios, mas que estava terminando de maneira melancólica. Estão cortando o cafezinho, fechando os departamentos de marketing, parando com os eventos, cortando os bônus e até as doações para creches. E as comemorações de final de ano dançaram!

– Poxa, mas nem um jantarzinho?

– Não! É a crise!

Veja só: as empresas têm um ano fantástico e estragam tudo no final, criando um clima de terror. O que deveria ser uma celebração pelos bons resultados vira tristeza. E a equipe que foi motivada a “dar o melhor de si”, ”superar as expectativas” e “performar”, termina o ano broxada, com gosto de derrota na boca. Mesmo que as metas tenham sido atingidas ou até ultrapassadas.
Em nome da “crise que vem aí” fica proibido celebrar as vitórias.

Burrice.

Celebrações cumprem um papel fundamental para as equipes e pessoas. São quando as pessoas percebem que fazem parte de um time ganhador. É quando mostramos que nossos planos estão dando certo. É quando calamos a boca dos urubus que jogam contra. É quando estreitamos laços. As celebrações das vitórias, pequenas ou grandes, são multiplicadores, momentos que ficam gravados. O bônus vai passar. O salário será gasto. Mas a emoção daquela celebração autêntica, respeitosa e bem feita nunca mais será esquecida.

Mas isso é pedir demais para os míopes profissionais, não é? Para eles o macaco, o baixo e festinhas são bobagens. Despesas.

Sabe que nome dou para essas decisões de pequenos executivos que administram suas empresas como contadores, jamais como líderes?

Miopia empresarial.

Ah, na sua empresa não é assim? Sorte sua. Você faz parte de uma minoria que ainda consegue enxergar longe. Aproveite, viu? Do jeito que as coisas estão, logo logo aparece uma cabecinha pra acabar com a festinha, o macaco e o baixo.

E só restarão as planilhas.