Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

652 – A realidade real
652 – A realidade real
Vivemos um tempo no qual muita gente tem dificuldades ...

Ver mais

651 – Era uma vez…
651 – Era uma vez…
A melhor forma de ensinar política para crianças – e ...

Ver mais

650 – A Espiral do Silêncio
650 – A Espiral do Silêncio
Temos um sexto sentido para perceber a tendência da ...

Ver mais

649 – Quando eu tiver 64
649 – Quando eu tiver 64
Fui dar uma olhada nos comentários dos ouvintes do Café ...

Ver mais

LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
Doutor em Ciência da Informação, jornalista, escritor e ...

Ver mais

Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Está chegando a Temporada 11 do LíderCast!

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A vida é muito melhor com boechatividade
Henrique Szklo
Como a maioria dos brasileiros, fiquei consternado com a morte do jornalista Ricardo Eugênio Boechat. Não posso dizer que eu era exatamente um fã, mas como sob minha perspectiva, ele utilizou em ...

Ver mais

Noblesse Oblige
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não dá pra saber quem é pior: A autora da bobagem, orgulhosa de sua total falta de noção, ou quem a defende, alegando lutar contra uma misoginia tão falsa quanto a cara de pau do arrivismo ...

Ver mais

Venezuela, Reforma Previdência & Futuro PT
Carlos Nepomuceno
Resumo da Live: Assistir completa: Formação Digital Bimodal: Programa de Formação Bimodal Lives antigas: https://nepo.com.br/category/o-melhor-de-2019/lives-do-nepo-o-digital-na-politica/

Ver mais

Metade cheia do copo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Metade cheia do copo Um pouco de otimismo, pra variar  “A troca está para a evolução cultural como o sexo está para a evolução biológica.” Matt Ridley Em agosto do ano passado, a convite do ...

Ver mais

Cafezinho 151 – Chato à Bessa
Cafezinho 151 – Chato à Bessa
É impressionante ver como o mundo mudou.

Ver mais

Cafezinho 150 – O PAI
Cafezinho 150 – O PAI
No Brasil, imediato é longo prazo.

Ver mais

Cafezinho 149 – Nação, não governo
Cafezinho 149 – Nação, não governo
O Ministro da Educação anuncia que vai impulsionar o ...

Ver mais

Cafezinho 148 – Os Hostis
Cafezinho 148 – Os Hostis
Neste final de semana o Brasil parou para assistir a ...

Ver mais

O Lacraia

O Lacraia

Luciano Pires -

“Marco Aurélio Silva da Rosa, mais conhecido como a dançarina de funk Lacraia morreu, aos 34 anos, na madrugada desta terça-feira.”

Recebi essa notinha lacônica pelo twitter dando conta da morte de um ícone brasileiro do começo do século 21. O Lacraia explodiu em 2003 quando a música Eguinha Pocotó tornou-se um dos maiores sucessos nas rádios e televisões do país.

Marco Aurélio criou um personagem andrógino, apelidado de Lacraia, que era um dançarino do funk carioca e causava furor onde se apresentava, menos pelos dotes artísticos e mais pela irreverência e quebra dos padrões. Assumia sua homossexualidade, beijava homens na boca e cantava trechos de letras pornográficas que faziam a platéia mais conservadora corar. Junto com Serginho, o criador da música, Lacraia foi fundamental para que eu criasse o conceito que gerou meu livro Brasileiros Pocotó, a palestra homônima e o propósito de “desemburrecer o Brasil”. 

E hoje cabe repetir algo que venho dizendo desde 2003, incansavelmente.

O Lacraia era um daqueles artistas chamados “populares” que sempre existiram e existirão. Se voltarmos no tempo, encontraremos exemplos de pessoas que atuaram na mesma linha da transgressão às normas e obtiveram diferentes graus de sucesso. Esses artistas jamais foram o “mal” a ser combatido. Você pode gostar ou não deles, mas não pode negar-lhes o direito de existir. E nem negar às pessoas o direito de gostar deles.

O problema está na engrenagem que captura, tritura, processa e depois descarta esses indivíduos. E no meio do processo vende seu trabalho empacotado num “projeto de marketing” cuja intenção é única e exclusivamente vender a maior quantidade de CDs e shows no menor espaço de tempo possível. Essa engrenagem envolve empresários, gravadoras, produtores de eventos, produtores de rádio e TV que usam seus talentos para conquistar o gosto popular e vender, vender muito. Quando a moda passa, o artista é simplesmente descartado, como no caso do Lacraia que, pelo que consta, morreu praticamente sozinho num hospital.

Apesar disso, para um artista esquecido num gueto, tornar-se celebridade, mesmo que por pouco tempo, é muito bom. Para a indústria da música, que vai gerar empregos, também é bom. Assim como é bom para os consumidores que vão curtir um sonzinho sem qualquer compromisso.  

Mas quando esses projetos de marketing ocupam todos os espaços, deixando de fora os talentos que são considerados “não vendáveis”, esse processo é ruim, por excludente. Alguém está escolhendo o que será veiculado pelos canais da mídia, e essa escolha é feita com base em… preconceitos. Ou não?

O personagem Lacraia era feliz, sempre sorridente, bem humorado e que se divertia com o que fazia. Pessoalmente eu não gostava de sua arte, mas ele tinha todo o direito de estar lá. Já o Marco Aurélio, que tinha que arcar com as conseqüências de suas escolhas, eu não sei. 

Só posso lamentar a morte e desejar que, de algum modo, ele tenha deixado um legado. 

No meu caso, deixou.

Luciano Pires