Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

O Jornalista

O Jornalista

Luciano Pires -
Li outro dia que o volume de informações contido numa edição de um grande jornal é equivalente ao volume de informações que um indivíduo acumularia durante TODA a vida no século 17…é mole?

Exercendo meu papel de diretor numa grande empresa, lido diariamente com o desafio de filtrar o volume imenso de informações que recebo. Depois do advento do e-mail, essa tarefa tornou-se impossível. Tudo passou a ser muito rápido, o acesso à informação é irrestrito. Você tem o que quiser, na hora que quiser, na profundidade que quiser, no idioma que quiser…e até o que NÃO quiser…
Esse volume de informações é impossível de ser administrado. Não dá e ponto.

E como é que a gente faz? Não faz…
É característica do brasileiro aplicar muito pouco tempo na reflexão sobre as informações de que dispõe. Estudar, comparar, discutir…investir tempo na tentativa de projetar cenários futuros…não, isso não é coisa de brasileiro. E com tanta informação disponível, Deus me livre! Dói!

Mas meu ponto aqui é outro. O problema não é apenas lidar com tanta informação. É a forma como GERAMOS essa informação.

Nasci filho de jornalista e virei jornalista. No entanto, desde 1979 trabalho em Marketing, nunca tendo exercido a profissão de jornalista, a não ser publicando artigos aqui e ali, sem que isso tenha sido meu ganha-pão. Uma coisa, porém, não posso negar: tenho veia jornalística. Aquela capacidade de observar o detalhe, de exercer a curiosidade pensando com a cabeça dos outros…o que será que meus leitores querem realmente saber?
Atribuo principalmente a essa característica o sucesso que porventura eu tenha tido em minha carreira. A outra parte vem do fato de eu ter sempre jogado no gol, mas isso é outra história.

Tenho uma tese de que a veia jornalística é fundamental para o dia-a-dia de qualquer a atividade que exercemos.
Jornalista é aquele chato, intrometido, que sempre aparece nas piores horas pra botar mais lenha na fogueira. Aquele cara que vai contar pra todo mundo o lado ruim do que aconteceu.

Mas quando o jornalista é bom, ele não conta só o lado ruim. Nem conta só o que aconteceu. Ele conta porquê. Onde. Como. Quem. Quais as conseqüências.
Ele trabalha pensando no seu leitor, nas dúvidas que estarão passando pela cabeça de quem vai ler sua matéria.

Fico imaginando se nós, que gerenciamos e dirigimos empresas, tivéssemos um pouco desse sangue nas veias. A postura investigativa, a curiosidade, a capacidade de edição, de praticar o inter-relacionamento de informações que tem um (bom) jornalista. Talvez fossemos mais capazes de oferecer a nossos clientes algo mais consistente, que verdadeiramente agrega valor a nossos produtos e serviços: INFORMAÇÃO RELEVANTE.

Mas isso é sonho. É alarmante a incapacidade que a grande maioria das pessoas tem de não conseguir trabalhar as informações que passam adiante. Do jeito que veio, passa pra frente. Não existe preocupação em interpretar, adaptar, colocar a informação no nível do receptor.

Se não temos esse talento, por que não contamos em nossas equipes com gente com o talento jornalístico para tratar as informações antes de passá-las para o mercado?
Se não temos esse talento, por que só as escolas de comunicação têm a disciplina COMUNICAÇÃO em seus programas? Por que a habilidade de comunicação está colocada dentro da mesma cesta dos treinamentos “”comportamentais”” que são secundários diante dos treinamentos técnicos exigidos pela miopia gerencial do brasileiro?

Porque somos ignorantes. Porque achamos que nascemos sabendo tudo de comunicação. Afinal, não somos capazes de falar? Pois ao ignorar a importância da comunicação, ajudamos a transformar aquele mundo de informações que nos esmaga em algo ainda mais complexo e cabeludo.

Tenho convicção de que é isso que está por trás de alguns dos grandes problemas que o Brasil enfrenta historicamente: gente que não é do ramo lidando com temas delicados e comunicando-se com incompetência infinita.

Taí, por exemplo, a cruz que FHC, o maior administrador da oitava maior empresa do mundo, carrega em seu segundo mandato: cheio de realizações boas, de números e tendências positivos, de conquistas importantes para o futuro, mas um desastre em comunicação. Informações truncadas, faltantes, manipuladas, ininteligíveis, em excesso… tudo errado. Informação que o cliente, o povo, não consegue entender, não consegue encontrar.
Resultado: pau no Presidente. Crise. Apagão.

Ah, se nós fossemos menos engenheiros. Menos advogados. Menos médicos. Menos administradores. Menos contadores. Menos matemáticos. Menos professores. Menos políticos.

Se nós fossemos mais jornalistas.

Os leitores agradeceriam.