Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

609 – As leis
609 – As leis
No Fórum da Liberdade que aconteceu em abril de 2018 em ...

Ver mais

608 – As 12 Regras
608 – As 12 Regras
Jordan Peterson é psicólogo clínico, crítico cultural e ...

Ver mais

607 – Uma Guerreira
607 – Uma Guerreira
Este programa reproduz na íntegra o LíderCast 100, pois ...

Ver mais

LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 - Hoje conversamos com Jeison Arenhardt, ...

Ver mais

LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 - Hoje conversamos com Odayr Baptista, ...

Ver mais

LíderCast 103 – Ivan Witt
LíderCast 103 – Ivan Witt
Hoje conversamos com Ivan Witt, um executivo brasileiro ...

Ver mais

LíderCast 102 – Paulo Cruz
LíderCast 102 – Paulo Cruz
Com Paulo Cruz, professor, pensador, voz dissonante da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O Ibope e a caricatura do conservadorismo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Essa pesquisa que mede o grau de conservadorismo da sociedade brasileira é das coisas mais estúpidas que o Ibope já fez.

Ver mais

A nova onda
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4 A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora ...

Ver mais

A Copa do Mundo Socioeconômica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Copa do Mundo Socioeconômica[1] Considerações preliminares No próximo dia 14 de junho terá início a 21ª edição da Copa do Mundo da FIFA (Fedération Internationale de Football Association), um ...

Ver mais

As 50 empresas mais inovadoras do mundo
Mauro Segura
Transformação
Saiu a edição 2018 do estudo "As 50 empresas mais inovadoras do mundo" do BCG, que apresenta os principais movimentos que grandes organizações estão fazendo para inovar e impactar a sociedade.

Ver mais

Cafezinho 65 – A burrice
Cafezinho 65 – A burrice
Qualquer semelhança com gente que você conhece é pura ...

Ver mais

Cafezinho 64 – Outra piada
Cafezinho 64 – Outra piada
O caso do triplex no Guarujá começou em setembro de ...

Ver mais

Cafezinho 63 – Sai fora
Cafezinho 63 – Sai fora
As pessoas com as quais você anda, as fontes das quais ...

Ver mais

Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de ...

Ver mais

O Jornalista

O Jornalista

Luciano Pires -
Li outro dia que o volume de informações contido numa edição de um grande jornal é equivalente ao volume de informações que um indivíduo acumularia durante TODA a vida no século 17…é mole?

Exercendo meu papel de diretor numa grande empresa, lido diariamente com o desafio de filtrar o volume imenso de informações que recebo. Depois do advento do e-mail, essa tarefa tornou-se impossível. Tudo passou a ser muito rápido, o acesso à informação é irrestrito. Você tem o que quiser, na hora que quiser, na profundidade que quiser, no idioma que quiser…e até o que NÃO quiser…
Esse volume de informações é impossível de ser administrado. Não dá e ponto.

E como é que a gente faz? Não faz…
É característica do brasileiro aplicar muito pouco tempo na reflexão sobre as informações de que dispõe. Estudar, comparar, discutir…investir tempo na tentativa de projetar cenários futuros…não, isso não é coisa de brasileiro. E com tanta informação disponível, Deus me livre! Dói!

Mas meu ponto aqui é outro. O problema não é apenas lidar com tanta informação. É a forma como GERAMOS essa informação.

Nasci filho de jornalista e virei jornalista. No entanto, desde 1979 trabalho em Marketing, nunca tendo exercido a profissão de jornalista, a não ser publicando artigos aqui e ali, sem que isso tenha sido meu ganha-pão. Uma coisa, porém, não posso negar: tenho veia jornalística. Aquela capacidade de observar o detalhe, de exercer a curiosidade pensando com a cabeça dos outros…o que será que meus leitores querem realmente saber?
Atribuo principalmente a essa característica o sucesso que porventura eu tenha tido em minha carreira. A outra parte vem do fato de eu ter sempre jogado no gol, mas isso é outra história.

Tenho uma tese de que a veia jornalística é fundamental para o dia-a-dia de qualquer a atividade que exercemos.
Jornalista é aquele chato, intrometido, que sempre aparece nas piores horas pra botar mais lenha na fogueira. Aquele cara que vai contar pra todo mundo o lado ruim do que aconteceu.

Mas quando o jornalista é bom, ele não conta só o lado ruim. Nem conta só o que aconteceu. Ele conta porquê. Onde. Como. Quem. Quais as conseqüências.
Ele trabalha pensando no seu leitor, nas dúvidas que estarão passando pela cabeça de quem vai ler sua matéria.

Fico imaginando se nós, que gerenciamos e dirigimos empresas, tivéssemos um pouco desse sangue nas veias. A postura investigativa, a curiosidade, a capacidade de edição, de praticar o inter-relacionamento de informações que tem um (bom) jornalista. Talvez fossemos mais capazes de oferecer a nossos clientes algo mais consistente, que verdadeiramente agrega valor a nossos produtos e serviços: INFORMAÇÃO RELEVANTE.

Mas isso é sonho. É alarmante a incapacidade que a grande maioria das pessoas tem de não conseguir trabalhar as informações que passam adiante. Do jeito que veio, passa pra frente. Não existe preocupação em interpretar, adaptar, colocar a informação no nível do receptor.

Se não temos esse talento, por que não contamos em nossas equipes com gente com o talento jornalístico para tratar as informações antes de passá-las para o mercado?
Se não temos esse talento, por que só as escolas de comunicação têm a disciplina COMUNICAÇÃO em seus programas? Por que a habilidade de comunicação está colocada dentro da mesma cesta dos treinamentos “”comportamentais”” que são secundários diante dos treinamentos técnicos exigidos pela miopia gerencial do brasileiro?

Porque somos ignorantes. Porque achamos que nascemos sabendo tudo de comunicação. Afinal, não somos capazes de falar? Pois ao ignorar a importância da comunicação, ajudamos a transformar aquele mundo de informações que nos esmaga em algo ainda mais complexo e cabeludo.

Tenho convicção de que é isso que está por trás de alguns dos grandes problemas que o Brasil enfrenta historicamente: gente que não é do ramo lidando com temas delicados e comunicando-se com incompetência infinita.

Taí, por exemplo, a cruz que FHC, o maior administrador da oitava maior empresa do mundo, carrega em seu segundo mandato: cheio de realizações boas, de números e tendências positivos, de conquistas importantes para o futuro, mas um desastre em comunicação. Informações truncadas, faltantes, manipuladas, ininteligíveis, em excesso… tudo errado. Informação que o cliente, o povo, não consegue entender, não consegue encontrar.
Resultado: pau no Presidente. Crise. Apagão.

Ah, se nós fossemos menos engenheiros. Menos advogados. Menos médicos. Menos administradores. Menos contadores. Menos matemáticos. Menos professores. Menos políticos.

Se nós fossemos mais jornalistas.

Os leitores agradeceriam.