Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

O Invisível

O Invisível

Luciano Pires -

Foi no dia primeiro de setembro de 2004. Uma semana antes eu fora contatado por um representante da CBF – Confederação Brasileira de Futebol, que me perguntara se eu faria minha palestra “O Meu Everest” para a Seleção Brasileira. Seria uma forma de motivar os jogadores para o jogo contra a Bolívia pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006. Custei a acreditar no convite… E numa quarta feira, por volta de oito da noite eu estava entrando na Granja Comari, em Teresópolis – RJ, num carro da CBF. A agitação era grande. Imprensa, seguranças e eu passando pelas cancelas e subindo em direção à sede, onde se hospedam os jogadores.
Quando a van parou e me preparei para descer com o equipamento, a primeira surpresa. Carlos Alberto Parreira veio nos receber, seguido pelo Zagallo. Pessoas gentilíssimas, que rapidamente nos encaminharam para a sala onde eu faria a apresentação. Depois de um curto bate papo passei a instalar o computador, de costas para a porta. E pelo rabo do olho vi um vulto azul passando pelo corredor. O Parreira imediatamente gritou:

– Ronaldo!

Meu estômago gelou. Virei para a porta e vi o Ronaldo Fenômeno, com o uniforme azul da CBF e aquele sorriso imenso.

– Ronaldo, este é o Luciano Pires, que fará a palestra para nós esta noite.

– Prazer!

E ali estava eu, cumprimentando um dos maiores fenômenos da mídia neste começo de milênio. Um garotão simpático, tímido e esbanjando saúde.
Terminei de montar o equipamento e sentei-me estrategicamente próximo à entrada da sala, de onde assisti a chegada dos atletas. Roque Junior. Robinho. Adriano. Ronaldinho Gaúcho. Roberto Carlos… Logo a sala estava repleta e fui apresentado às feras, para a palestra que durou cerca de 80 minutos. Talvez tenham sido os minutos mais fantásticos de minha vida. Eu falando para uma platéia onde estavam os maiores jogadores de futebol do mundo. Cada troca de olhares era um impacto… E no fundo, eu pensava:

– Como é que eu vim parar aqui?

No final da palestra, cada jogador recebeu um livro “O meu Everest”. Enquanto eles pegavam os livros, fui desligar o computador. Quando me virei, vi a Seleção Brasileira de Futebol em fila indiana. O primeiro da fila era o Ronaldo Fenômeno. Com meu livro nas mãos, esperando um autógrafo…
Na volta para São Paulo, refleti sobre o acontecido. E sobre aquela dúvida “como é que eu vim parar aqui?”. Até fazer minha viagem para o Everest, em Abril de 2001, eu era um executivo de uma multinacional, com 44 anos de idade e uma carreira sólida. Diretor de Comunicação Corporativa, bem sucedido. Respeitado no segmento onde atuo. Com um bom salário e benefícios. Morando numa casa deliciosa num bairro maravilhoso. Viajando periodicamente para o exterior. Educando os filhos em ótimas escolas. Eu tinha conseguido quase tudo que alguém pode querer na carreira. Eu era um sucesso. E conseguia visualizar claramente o meu futuro. Exatamente o que a maioria das pessoas quer.
Pois bem… Mas uma coisa me incomodava naquele ano de 2001. Como um profissional requisitado, o bem sucedido executivo da multinacional, qual seria o meu legado? Além de pagar impostos, como é que eu poderia causar um impacto na sociedade? E mais: sabe quando eu seria chamado a fazer uma palestra para a Seleção Brasileira? Para ser entrevistado pelo Jô Soares? Para dar um autógrafo para o Ronaldo Fenômeno? Nunca…
Eu era um sucesso. Mas era invisível.
Só me tornei visível no dia em que decidi usar meus talentos e os recursos que obtive na carreira de executivo, para fazer coisas que a maioria das pessoas não faz. Usando técnicas de planejamento, fiz uma viagem para um lugar onde normalmente ninguém vai. Escrevi livros, coisa que pouquíssima gente faz. Criei um site. Passei a escrever meus artigos e a distribuir pela internet. Criei um programa de rádio. Passei a fazer palestras. Tudo coisas incomuns, que quase ninguém faz.
E então me tornei visível. As pessoas começaram a querer me ouvir. E comecei a causar impacto sobre a vida delas! E então foi a minha vida que ficou diferente.
Moral da história? Num mundo competitivo, ser mediano, jogar pelas regras, agir pelo consenso, é ser invisível.
E hoje, sete anos depois daquela viagem que me inspirou a fazer coisas diferentes, não consigo mais visualizar meu futuro. Exatamente o que a maioria das pessoas não quer.
Pois eu estou achando o máximo!