Artigos Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

545 – Explicando Política Para Crianças – Revisitado
545 – Explicando Política Para Crianças – Revisitado
Podcast Café Brasil 545 - Explicando Política Para ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 4 Você reparou ...

Ver mais

Videocast Nakata T2 01
Videocast Nakata T2 01
Videocast Nakata Temporada 2 - Epsódio 1. Quem é você, ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Finanças pessoais em equilíbrio
Tom Coelho
Sete Vidas
“A parte mais sensível do corpo humano é o bolso.” (Delfim Netto)   Administrar finanças pessoais pouco difere de gerenciar o caixa de uma empresa ou mesmo de um país. Mudam apenas a ...

Ver mais

O Tempo dos Chefes Maus
Suely Pavan Zanella
Iscas Comportamentais
O TEMPO DOS CHEFES MAUS Suely Pavan Zanella Cursos e mais cursos sobre Liderança e Gestão de Pessoas. MBAs e Coachs sobre o tema. Livros de diferentes tipos sobre o assunto. 29.400.000 resultados ...

Ver mais

O ilusionista

O ilusionista

Luciano Pires -

Um texto que publiquei anos atrás mas que parece que foi escrito hoje…

Foi o filósofo grego Platão quem lançou cerca de 2500 anos atrás as bases da Epistemologia, a teoria do conhecimento. Ele disse que o que nós conhecemos não é o mundo físico, mas sua versão organizada, estruturada e categorizada por nossa mente. Antes de perceber qualquer coisa nossas mentes precisam assimilar e interpretar os dados brutos que chegam através de nossos sentidos. É a partir do som que ouvimos, da imagem que observamos, do texto que lemos, do cheiro que sentimos, da textura apreciada por nossos dedos que nosso cérebro fará deduções. Cruzará esses dados com nossas memórias e experiências para colocar algum sentido nas coisas que acontecem ao nosso redor. E antes de ter alguma utilidade para nós esse processo de interpretar o mundo passa por estados de consciência e semi-consciência. Mas o mais importante: o processo depende em grande parte do que temos dentro da cachola, do que aprendemos com nossas experiências. Do nosso repertório. Quanto mais repertório, experiências, cruzamentos e deduções, mais refinada será nossa interpretação do mundo. Se você só lê a revista Caras, frequenta a baladinha e assiste o Big Brother, terá um limitado repertório para entender o mundo. O mesmo acontece com seu linguajar. Se você não lê, não conseguirá expressar seus argumentos naquela reunião, diante daquele cliente ou da pessoa amada. Simples, né? Mas tem mais: quanto mais pobre for seu repertório, mais fácil será ser enganado pelos ilusionistas.

Ilusionistas me fascinam com seus truques, mas eles só são bem sucedidos quando conseguem comandar nossa atenção. Comandar nossa atenção. Enquanto focamos a atenção na fumaça, nos espelhos, na ajudante, no gesto largo, na mão em movimento ou no lenço colorido, o ilusionista realiza o truque que nos engana.
Atenção é o nome do jogo.

Agora imagine o mundo de hoje, repleto de certos “ilusionistas” que usam cores, explosões, cheiros, luzes e formas para atrair nossa atenção. Esses ilusionistas desviam sua atenção para umas bundas pra te vender cerveja. Desviam a atenção para uns carrões pra te vender cigarros. Esses “ilusionistas” prometem o céu no futuro e ganham a permissão de apagar o passado e cometer barbaridades no presente. Fazem com que vejamos a realidade – e tomemos as decisões – que eles quiserem.

Para escapar desses “ilusionistas” não existe mágica. É preciso ampliar seu repertório para fazer reflexões mais ricas, comparações mais diversificadas e julgamentos mais adequados. Assim você comandará sua atenção. Caso contrário vai continuar perplexo e maravilhado com planos que não existem, obras que ficam na promessa e riquezas inviáveis, se divertindo com a pomba que sumiu, com a mulher cortada ao meio e com o coelho que saiu da cartola do ilusionista.

E nem perceberá quando ele bater sua carteira.

Luciano Pires